saude adolecentes
235 pág.

saude adolecentes


DisciplinaLivros16.290 materiais91.530 seguidores
Pré-visualização50 páginas
o sexo masculino, um número maior de células vermelhas, 
maior concentração de hemoglobina e ferro sérico.
12.5 Sequência do crescimento
O crescimento estatural inicia-se pelos pés, seguindo uma ordem invariável que vai das 
extremidades para o tronco. Os diâmetros biacromial e biilíaco também apresentam variações 
de crescimento durante a puberdade, sendo que o biacromial cresce com maior intensidade no 
sexo masculino. Nas meninas, observa-se também um alargamento da pelve.
Os pelos axilares aparecem, em média, dois anos após os pelos pubianos. O pelo facial, 
no sexo masculino, aparece ao mesmo tempo em que surge o pelo axilar. O crescimento de pelos 
pubianos pode corresponder, em algumas situações, às primeiras manifestações puberais.
Durante a puberdade, alterações morfológicas ocorrem na laringe; as cordas vocais 
tornam-se espessas e mais longas e a voz mais grave. A este momento, mais marcante nos 
meninos do que nas meninas, chamamos de muda vocal. Na maioria dos indivíduos a mudança 
completa da voz se estabelece em um prazo de aproximadamente seis meses. O crescimento 
dos pelos da face indica o final deste processo, quando a muda vocal deve estar completa.
Adolescentes com uma alteração na voz, que persista por mais de 15 dias, a Equipe de 
Saúde da Família deve procurar o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf) que dispõe de um 
profissional fonoaudiólogo para realizar uma interconsulta ou uma avaliação multidisciplinar 
entre os profissionais visando solucionar o problema em questão. É de suma importância que o 
profissional de saúde saiba orientar os adolescentes quanto a comportamentos nocivos a sua 
saúde, como o uso de tabaco.
70
Ministério da Saúde
12.6 Maturação sexual
A eclosão puberal dá-se em tempo individual por mecanismos ainda não plenamente 
compreendidos, envolvendo o eixo hipotálamo-hipofisário-gonadal. Em fase inicial da 
puberdade, o córtex cerebral transmite estímulos para receptores hipotalâmicos, que, por meio 
de seus fatores liberadores, promovem na hipófise anterior a secreção de gonadotrofinas para 
a corrente sanguínea.
Sexo masculino
As gonadotrofinas, ou seja, os hormônios folículo-estimulante e luteinizante (FSH e 
LH) atuam aumentando os testículos. Os túbulos seminíferos passam a ter luz e promover a 
proliferação das células intersticiais de Leydig, que liberam a testosterona e elevam os seus 
níveis séricos. Esses eventos determinam o aumento simétrico (simultâneo e semelhante) 
do volume testicular, que passa a ter dimensões maiores que 4 cm3, constituindo-se na 
primeira manifestação da puberdade masculina. Segue-se o crescimento de pelos pubianos, 
o desenvolvimento do pênis em comprimento e diâmetro, o aparecimento de pelos axilares e 
faciais e o estirão pubertário.
O tamanho testicular é critério importante para a avaliação das gônadas e da 
espermatogênese, que costuma ocorrer, mais frequentemente, no estágio 4 de Tanner. Avalia-
se o volume testicular de forma empírica ou utilizando-se o orquímetro e orquidômetro de 
Prader. Estes instrumentos contêm elipsoides de volumes crescentes de 1 ml a 25 ml. O tamanho 
testicular adulto situa-se entre 12 ml e 25 ml.
Critérios de Tanner para classificação dos estágios da puberdade masculina
Sexo feminino
Os hormônios folículo-estimulante e luteinizante (FSH e LH) atuam sobre o ovário e 
iniciam a produção hormonal de estrógeno e progesterona, responsáveis pelas transformações 
puberais na menina.
A primeira manifestação de puberdade na menina é o surgimento do broto mamário. 
É seguido do crescimento dos pelos pubianos e pelo estirão puberal. A menarca acontece 
cerca de um ano após o máximo de velocidade de crescimento, coincidindo com a fase de sua 
desaceleração. A ocorrência da menarca não significa que a adolescente tenha atingido o 
estágio de função reprodutora completa, pois os ciclos iniciais podem ser anovulatórios. Por 
outro lado, é possível acontecer também a gravidez antes da menarca, com um primeiro ciclo 
ovulatório.
 71
Proteger e cuidar da saúde de adolescentes na atenção básica
Critérios de Tanner para classificação da puberdade feminina
Pelos pubianos
A evolução da distribuição de pelos pubianos é semelhante nos dois sexos, de acordo 
com as alterações progressivas relativas à forma, espessura e pigmentação
Os cadernos que contêm as orientações para o atendimento do(a) adolescente, no que 
se refere à antropometria e à avaliação dos critérios de Tanner na puberdade, encontram-se 
nos anexos.
Saiba mais: 
Nos anexos estão os dois Guias de Orientações para o Atendimento à Saúde da Adolescente 
e Orientações para o Atendimento à Saúde do Adolescente, com gráficos e orientações para 
a antropometria de adolescentes, e a avaliação dos critérios de Tanner na puberdade, assim 
como as pranchas de Tanner. 
72
A. Puberdade precoce e puberdade tardia
A puberdade, precoce e tardia, refere-se ao aparecimento de características sexuais 
secundárias em idades cronológicas que podem ser consideradas prematuras ou atrasadas 
para este desenvolvimento. É importante, também, observar a velocidade com que os eventos 
puberais estão se sucedendo.
a) Sexo feminino:
É considerado precoce qualquer sinal de maturação sexual antes dos 8 anos de idade. No 
caso da puberdade atrasada, considera-se tardia a telarca e pubarca que ocorrem em idades 
superiores a 13 e 14 anos, respectivamente, e a menarca em idades maiores de 16 anos.
b) Sexo masculino:
É considerada puberdade precoce, quando ocorre o aumento do volume testicular e dos 
pelos pubianos antes dos 9 anos de idade. A puberdade atrasada refere-se à persistência do 
estágio pré-puberal após a idade cronológica de 16 anos.
B. Baixa estatura
Adolescentes de ambos os sexos com estatura de dois desvios padrões abaixo da média 
ou abaixo do 3º percentil são considerados de baixa estatura. Deste grupo, 20% têm baixa 
estatura patológica e os 80% restantes serão divididos entre os de baixa estatura constitucional 
e familiar. Aqueles com estatura de três desvios padrões abaixo da média têm baixa estatura, 
certamente, patológica. Os achados das medições de altura e peso deverão ser plotados 
nas curvas de crescimento encontrados nas Cadernetas do Adolescente do sexo masculino 
e feminino.
13Problemas no desenvolvimento Puberal
73
Ministério da Saúde
Regra do cálculo da estatura final de adolescentes baseado na estatura dos pais
Sexo masculino = AP+ (AM \u2013 12 cm) Limite ± 10
2
Sexo feminino = AM+ (AP \u2013 12 cm) Limite ± 9
2
A P = Altura do pai
AM = Altura da mãe
Hirsutismo: Trata-se do aparecimento anormal de pelos no corpo feminino, em 
quantidade excessiva. Assim, a presença de pelos faciais, torácicos e abdominais pode 
ser normal, como pode ser devida a manifestações clínicas de doenças virilizantes e estar 
associadas a doenças endócrinas e ovários policísticos.
Conduta: Acompanhar os casos em que a experiência clínica sugere que estejam dentro 
dos critérios de normalidade (constitucionais). Referenciar para serviço especializado aquelas 
condições que exijam atenção especial.
C. Ginecomastia:
A ginecomastia consiste no aumento visível ou palpável da glândula mamária do 
adolescente do sexo masculino. Pode ser uni ou bilateral, aparecendo em torno dos 13 e 14 
anos, durante o estirão puberal, regredindo, naturalmente, em 12 a 18 meses. Portanto, pode ser 
considerada uma condição frequente e normal da puberdade, podendo ocasionar transtornos 
de autoimagem, com repercussões na vida social do adolescente.
Conduta: Diferenciar de obesidade e lipoma. Nas circunstâncias em que houver 
necessidade de se fazer um diagnóstico diferencial mais acurado, deve-se referenciar para 
serviço especializado.
D. Micropênis:
Considera-se micropênis sempre que, em qualquer idade, o tamanho peniano for menor 
que 1,9 cm, medido da base até a ponta