saude adolecentes
235 pág.

saude adolecentes


DisciplinaLivros17.093 materiais92.558 seguidores
Pré-visualização50 páginas
vez mais o Programa Saúde na Escola (PSE) como uma 
forma de abordagem integral do adolescente onde a saúde bucal está inserida nas práticas 
educativas e preventivas de saúde bucal e geral. Enfim, todos os espaços de estabelecimento 
de vínculo do adolescente com a equipe de saúde devem ser potencializados a fim de garantir 
uma saúde integral nesse momento importante da vida dos indivíduos.
134
No adolescente algumas situações comportamentais podem sugerir possíveis 
comprometimentos auditivos, como a necessidade de aumentar o volume da televisão e 
aparelhos de som, desatenção, alteração do sistema fonético (trocas, omissões, substituições, 
distorções), acentuado uso de gestos indicativos e simbólicos para exprimir suas necessidades 
e se comunicar com o meio, não aquisição de linguagem segundo os padrões esperados. 
Pacientes portadores de disacusia, em geral, têm algum tipo de dificuldade escolar e devem ser 
encaminhados aos serviços de saúde para avaliação auditiva.
A sintomatologia nem sempre é evidente nas perdas leves. Neste caso o profissional 
de Saúde deve estar atento a queixas de dificuldades escolares, diminuição de atenção e 
concentração, distração, irritabilidade, timidez, que acometem alguns adolescentes por não 
escutarem bem ou não compreenderem o que se diz numa conversa.
Disacusia significa distúrbio da audição, perda da capacidade auditiva em maior ou 
menor grau de intensidade, em caráter transitório ou definitivo, estacionário ou progressivo. A 
disacusia pode ser leve (perda de até 30 decibéis \u2013 dB) e moderada (até 60 dB); acentuada ou 
surdez grave (acima de 60 dB) e anacusia ou surdez total (perda acima de 90 dB). Hipoacusia 
designa diminuição da audição.
A linguagem de sinais e a oralização podem ser aprendidas, permitindo a socialização do 
surdo e possibilitando sua alfabetização. Nesse sentido, a família deve ser orientada a estimular 
a criança para que esta possa desenvolver suas habilidades.
23.1 Prevenção
Na adolescência o fator mais importante a ser evitado é o ruído. O uso indiscriminado 
de fones de ouvido em volume alto é fator causal de disacusia, bem como, frequentar festas, 
bailes, boates, trios elétricos onde o ruído extrapola o tolerável contribui indiscutivelmente para 
a disacusia. A exposição ocupacional ao ruído também é grave, uma vez que o indivíduo se 
submete ao ruído por um longo período da jornada de trabalho e durante anos da sua vida. 
23Saúde auditiva
135
Ministério da Saúde
O uso de equipamento de proteção individual está indicado em todo ambiente ruidoso, assim 
como a realização de exames audiométricos admissionais e periódicos.
Os adolescentes têm direito ao programa governamental de doação de próteses, por isso 
devem ser encaminhados precocemente para os centros de referência.
Figura 11 - Triagem auditiva
Triagem Auditiva, em especial das ESFs com ações do Programa Saúde na Escola \u2013 PSE
ESCOLA
Serviço de 
Referência na 
especialidade 
especí\ufffdca
Com suspeita de 
problemas de outra 
ordem (psicológica, 
neurológica etc.)
Com suspeita de 
problemas de outra 
ordem (psicológica, 
neurológica etc.)
Com suspeita
de perda auditiva
Otorrinolaringologia 
+ 
Fonoaudiologia
Com 
PERDA AUDITIVA
Retorno à aula
Consulta médica
Avaliação
Remoção de rolha de cera
Visita domiciliar para 
aplicação do questionário
O professor capacitado, em sala de aula, por 
meio da atenção precoce aos sinais e sintomas, 
quando houver suspeita de perda auditiva.
Serviço de Referência 
em Saúde Auditiva
Diagnóstico
Prótese
Acompanhamento
Plano terapêutico
Sem problema 
ou com o 
problema 
resolvido
Sem problema 
ou com o 
problema 
resolvido
Acompanhamento
com a ESF
Médico da ESF ACS da ESF
ESF
Fonte: BRASIL, 2009b.
136
A visão é a capacidade que o indivíduo tem de perceber o universo que o cerca. Oitenta 
por cento da relação do ser humano com o mundo se dá por meio do sentido da visão. Para que 
o sentido da visão seja aproveitado de maneira plena, é fundamental que toda a via sensorial 
visual esteja perfeita (os dois olhos, os nervos ópticos, as vias ópticas cerebrais e o córtex 
visual occipital).
24.1 Problemas na saúde ocular dos adolescentes
O percentual de problemas oftalmológicos na população brasileira é muito elevado, 
entretanto, é desigual a distribuição dos recursos para a sua abordagem. Os problemas visuais 
respondem por grande parcela de evasão e repetência escolar, pelo desajuste individual no 
trabalho, por grandes limitações na qualidade de vida, mesmo quando não se trata ainda 
de cegueira.
A visão é uma função do indivíduo de extrema importância para o seu desenvolvimento 
pessoal e para suas relações com o meio ambiente. Alguns problemas simples e que não são 
considerados com a ênfase devida podem responder por dificuldades na desejável inclusão 
social de pessoas com problemas visuais. É o caso dos erros de refração, na maioria das vezes 
passíveis de solução por meio do uso de óculos.
Os profissionais de saúde devem orientar os pais e professores para encaminhar os 
adolescentes com possíveis perdas visuais para uma avaliação oftalmológica, no caso de 
detecção ou queixa de algum dos seguintes sinais e sintomas: lacrimejamento; hiperemia 
conjuntival; secreção, supuração no olho; crostas nos cílios; leitura com os olhos semicerrados; 
inclinação da cabeça; visão embaçada; aumento da sensibilidade à luz; dores de cabeça; visão 
dupla; desvio ocular; alterações pupilares.
24Saúde ocular
137
Ministério da Saúde
Acuidade visual (AV)
É a capacidade da visão para identificar detalhes espaciais, ou seja, a capacidade de 
perceber a forma e o contorno dos objetos.
Técnica da medida da acuidade visual
A forma mais simples de diagnosticar uma limitação da visão é medir a acuidade visual 
com a Escala de Sinais de Snellen.
A escala usa sinais em forma de Letra E, organizados de maneira padronizada, de 
tamanhos progressivamente menores, chamados optotipos. Em cada linha, na lateral esquerda 
da tabela, existe um número decimal, que corresponde à medida da acuidade visual.
Conduta:
O profissional de saúde deve estar atento aos problemas oftalmológicos dos adolescentes 
e jovens. Sempre que suspeitar de que o adolescente tenha perdas visuais, a ESF deverá estar 
apta para realizar a Técnica de Medida da Acuidade Visual a fim de realizar uma triagem 
adequada dos encaminhamentos ao oftalmologista.
Importante: todos os adolescentes que não atingirem 0,7 com a aplicação da Técnica 
de Medida Visual [Tabela de Snellen] devem ser retestados. É comum ocorrer erros na 
primeira medida.
Critério para encaminhamento prioritário:
Sempre que ocorrer um dos problemas:
\u2022 Acuidade visual inferior a 0,1 em qualquer olho.
\u2022 Trauma ocular recente ou quadros agudos cuja solução não seja possível pela ESF.
Critério para encaminhamento regular:
\u2022 Acuidade visual inferior a 0,7 em qualquer olho.
\u2022 Diferença entre duas linhas ou mais entre a acuidade visual dos olhos.
\u2022 Estrabismo.
\u2022 Outros sintomas oculares cuja solução não seja possível pela ESF.
Orientar quanto à importância de iluminação para a boa leitura e estudos.
138
A sexualidade é uma das dimensões inerentes à vida e à saúde do ser humano que se 
manifesta desde o seu nascimento. Constitui-se como um fenômeno multifatorial, com aspectos 
biológicos, psicológicos, culturais, históricos e sociais, que influencia na sua maneira de ser, de 
compreender e de viver no mundo como homem ou mulher.
É importante destacar o aspecto de que a sexualidade, como não é um fenômeno apenas 
da natureza, não se remete somente à reprodução biológica. Dentro de uma determinada 
sociedade e cultura, suas expressões nas condutas e nas práticas sexuais, nos sentimentos, nos 
vínculos amorosos e nos desejos pessoais são influenciadas pela forma