saude adolecentes
235 pág.

saude adolecentes


DisciplinaLivros17.017 materiais92.494 seguidores
Pré-visualização50 páginas
mais seu companheiro 
ou namorado.
 164
Proteger e cuidar da saúde de adolescentes na atenção básica
Estudos como o de Heilborn et al. (2002), no entanto, demonstram que a gravidez 
para muitas mulheres e homens adolescentes, está incluída em seus projetos de vida. Que 
a maternidade e a paternidade podem se revelar, nessa faixa etária, como um elemento 
reorganizador da vida e não somente desestruturador.
Por fim, o sucinto cenário abordado já evidencia que, na compreensão do fenômeno 
da gravidez na adolescência, é fundamental considerar um conjunto de fatores causais. 
Estes apontam para a necessidade de que, na atenção integral e no cuidado à saúde desse 
segmento populacional, haja a integração das políticas de saúde e de outras políticas sociais 
que considerem: os padrões de conduta e de valores sociais historicamente construídos, as 
iniquidades sociais e seus fatores constitutivos, entre outras questões, que influenciam nas 
diferenças de expectativas e de papéis sociais de adolescentes e consequentemente em suas 
trajetórias de vida suas decisões.
Essas políticas integradas, intra e intersetorialmente, repercutirão positivamente no 
crescimento e no desenvolvimento saudáveis desse grupo populacional, na garantia de seus 
direitos e de proteção, contribuindo para o pleno desenvolvimento de suas potencialidades, 
enquanto pessoas e cidadãos, podendo levá-los a fazer escolhas, esclarecidas e responsáveis, 
em acordo com seus projetos de vida.
30.1 Teste rápido de gravidez (TRG)
Para que a gravidez na adolescência transcorra sem intercorrências é importante que a 
captação para o início do pré-natal seja realizada o mais precocemente possível. Dessa forma, 
o momento do diagnóstico da gestação é de fundamental importância.
Para facilitar a captação precoce da adolescente gestante no pré-natal (primeiro 
trimestre) deve-se ter disponível o TRG. A entrega do insumo TRG pela equipe de AB pode ser 
feita à adolescente ou à parceria sexual, o teste pode ser realizado dentro ou fora da UBS, 
respeitando o direito da autonomia e sigilo. Em qualquer das circunstâncias o acolhimento deve 
ser feito pelo profissional de Saúde no sentido de garantir informação qualificada e fortalecer 
o vinculo com a usuária. Caso o teste seja feito na UBS o profissional de Saúde deverá agendar 
de imediato a consulta para o planejamento reprodutivo ou o inicio do pré-natal.
É imprescindível facilitar o acesso de adolescentes ao TRG na atenção básica, 
especialmente as que estão na faixa etária entre 10 a 16 anos, devido às singularidades destas 
idades e por estarem em situação peculiar de desenvolvimento, necessitando de maior apoio e 
proteção. O profissional deve estar atento às situações de violência sexual, e seguir as normas 
técnicas do Ministério da Saúde e legais, se for o caso.
Saiba mais:
<http://www.saude.gov.br/bvs>.
165
Ministério da Saúde
A solicitação do teste de gravidez por adolescentes deve estar vinculada à realização 
de acolhimento que faça a orientação pré-teste e informe sobre a disponibilidade, também, dos 
testes rápidos para sífilis, HIV/aids e a orientação para o planejamento reprodutivo.
Na orientação pré-teste, acolher a adolescente para que se sinta segura em conversar 
sobre seus sentimentos e seja informada de que o atendimento é sigiloso e confidencial, para 
que ela possa retornar à unidade independente do resultado. É preciso verificar sempre a 
data da última menstruação e da última relação sexual para avaliar a possibilidade do uso da 
anticoncepção de emergência e informar que o teste rápido pode dar falso negativo na fase 
inicial da gravidez. No caso de dúvida, usar o preservativo masculino ou feminino ou não ter 
relações sexuais até a realização de novo exame.
No caso de TRG negativo, é importante enfatizar a necessidade de acompanhamento de 
contracepção e prevenção da gravidez não planejada.
No caso de TRG positivo e a adolescente deseja a gravidez:
\u2022 O teste é de triagem, porém, a partir dele, a adolescente já pode ser vinculada ao pré-
natal. O beta HCG, quando indicado, poderá ser realizado posteriormente, com os 
demais exames.
\u2022 Iniciar a rotina de pré-natal e reforçar o convite para participação da parceria sexual 
durante as consultas, favorecendo o engajamento da parceria em ações educativas e 
preventivas.
No caso de TRG positivo e a adolescente não deseja a gravidez:
\u2022 Orientar sobre os direitos acerca da gestação: atenção ao pré-natal, assistência ao 
parto e ao nascimento, rede de proteção social com condições diferenciadas para 
continuidade dos estudos, licença-maternidade, programas específicos para famílias 
de baixa renda, utilização de creche e encaminhar para orientações com assistente 
social da rede de saúde local, se for o caso.
\u2022 Ofertar mediação de conflitos familiares decorrentes da gravidez não planejada, em 
que o fator familiar é determinante para a não aceitação da gravidez.
\u2022 Orientar sobre possibilidades de adoção, caso opte(m) pela continuidade da gestação 
e não haja desejo ou condições de permanecer com a criança.
\u2022 Informar que a legislação brasileira permite a interrupção da gestação para os casos 
previstos em lei (violência sexual, risco de morte para a mulher, anencefalia fetal).
\u2022 Informar acerca do risco de práticas caseiras para a interrupção da gravidez.
\u2022 Orientar sinais e sintomas de alerta, caso haja interrupção da gravidez de modo 
inseguro: febre, calafrios, hemorragia, dor abdominal, dor no baixo ventre, secreção 
 166
Proteger e cuidar da saúde de adolescentes na atenção básica
vaginal com odor fétido, dor ao urinar. Ressaltar a importância de procurar o hospital 
mais próximo caso apresente quaisquer desses sintomas.
Saiba mais:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/prevencao_agravo_violencia_sexual_
mulheres_3ed.pdf>.
30.2 Acompanhamento pré-natal da adolescente
Reduzir o acompanhamento pré-natal da adolescente apenas a um conjunto de 
procedimentos técnicos, sem a abordagem dos aspectos emocionais, sociais e familiares, é 
empobrecer todo o processo e perder a oportunidade de refletir com a adolescente, seu parceiro 
e família sobre o significado e as implicações da situação que estão vivendo. Para cada família, 
esse evento toma um sentido diferente. A equipe de saúde deve atuar garantindo atendimento 
integral, físico, emocional e social, usando recursos que aumentem a capacidade dos envolvidos 
na situação para buscarem as melhores alternativas de lidar com ela.
É preciso identificar no território todas as adolescentes que estão grávidas e em especial 
as que estão em situação de maior vulnerabilidade (vivendo na rua, em conflito com a lei, 
usuárias de álcool e outras drogas, indígenas, quilombolas, ribeirinhas, de famílias beneficiadas 
pelo Programa Bolsa Família) para que sejam acolhidas e recebam cuidados diferenciados, de 
acordo com as suas necessidades e demandas de saúde.
Na avaliação do risco gestacional em todas as adolescentes grávidas, realizar o 
diagnóstico precoce e de intercorrências incluindo as variáveis psicossociais para a prevenção 
de situações de risco.
Entre os aspectos importantes a serem abordados pela equipe de saúde durante o 
acompanhamento pré-natal e nas ações educativas, principalmente para adolescentes de 10 
a 16 anos, estão:
\u2022 A importância do pré-natal para a saúde dela e de seu filho.
\u2022 O desenvolvimento da gestação e as modificações corporais e emocionais na gravidez.
\u2022 Orientar sobre os hábitos saudáveis de nutrição e cuidados pessoais, e sobre os medos 
e fantasias referentes à gestação e ao parto.
\u2022 Esclarecer sobre a atividade sexual, incluindo a prevenção de DST/HIV/aids.
\u2022 Informar sobre sintomas comuns da gravidez e orientações para as queixas mais 
frequentes.
\u2022 Orientar sobre sinais de alerta e o que fazer nessas situações (sangramento vaginal, 
dor de cabeça,