Direito Constitucional II Processo Legislativo.pptx

Direito Constitucional II Processo Legislativo.pptx


DisciplinaDireito Constitucional I57.026 materiais1.405.187 seguidores
Pré-visualização8 páginas
a menos que seja vetada e o veto derrubado, como visto anteriormente. 
A sanção poder ser: expressa ou tácita, total ou parcial. 
A sanção é expressa quando o PR a apõe no prazo de 15 dias úteis, ou tácita, quando silencia após o transcurso desse prazo (CF, art. 66, 3º).
7.3. FASE COMPLEMENTAR
A Fase Complementar é dividida entre a promulgação e a publicação.
7.3.1. PROMULGAÇÃO:
Para o prof. José Afonso da Silva, a promulgação e a publicação não são atos de natureza legislativa, pois com a sanção não existe mais projeto de lei; o que se promulga e publica é a própria lei. 
A Promulgação é a comunicação aos destinatários da lei que esta foi criada e é válida, estando apta a produzir efeitos no mundo jurídico. É obrigatória e de competência do Presidente da República, mesmo em se tratando de lei com veto rejeitado. 
A presunção de validade das leis decorre da promulgação.
Se o Presidente da República não promulgar a lei em 48h, o Presidente do Senado o fará, se não o fizer, seu Vice deve fazer (CF, art. 66, § 7º). 
Quando está escrito no texto \u201ceu sanciono\u201d, implicitamente traz a promulgação. A promulgação esta implícita na sanção expressa. 
7.3.2 PUBLICAÇÃO
A publicação da lei constitui meio pelo qual se transmite a promulgação aos destinatários da lei (dá-se conhecimento da lei aos seus endereçados) 
Consiste na inserção do texto promulgado na Imprensa Oficial (DOU) como condição de vigência e eficácia da lei, finalizando o proc. Legislativo.
A promulgação afere executoriedade à lei e a publicação, notoriedade. Tal notoriedade é ficta, pois faz presumir que as pessoas conheçam a lei.
 Conforme art. 1º, caput, e § 1º, da LINDB, a lei começa a vigorar em todo País 45 dias depois de oficialmente publicada, salvo disposição em contrário. Nos Estados estrangeiros, entra em vigor 3 meses após a publicação. Porém, a lei pode estabelecer a data de início de vigência.
A LC 95/98 dispõe sobre a elaboração, a redação, a alteração e a consolidação das leis, conforme determina o parágrafo único do art. 59 da CF, e estabelece normas para a consolidação dos atos normativos.
A publicação é feita por quem promulga. Se existir omissão deliberada dolosa da publicação pelo Chefe do Poder Executivo, haverá crime de responsabilidade (Lei 1079/50 e Decreto-lei 201/67).
7.3.3. TERMINOLOGIA DAS ESPÉCIES LEGISLATIVAS.
Cumpre, por oportuno, aduzir que a LC 95/98 não institui nomes para espécies legislativas não indicadas na CF/88; assim, códigos e estatutos têm suas designações aplicadas de modo costumeiro, sendo tratados como atos normativos que versam sobre temas específicos e nos quais há interesse de que sejam editadas de forma consolidada. 
Segundo De Plácido e Silva (Vocabulário Jurídico) Código traz consigo a ideia de uma coleção de leis e Estatuto a noção de uma lei especial para uma coletividade ou corporação
Processo Legislativo Ordinário \u2013 Parte I 
Iniciativa
Casa Iniciadora 
aprova
Casa Revisora
emenda
Rejeita
Arquivo
(obs: art. 67)
Rejeita
Presidente da República
aprova
Arquivo
(obs: art. 67)
aprova ou
rejeita as emendas
Sanção ou
veto
Processo Legislativo Ordinário \u2013 Parte II
PL aprovado no CN
Veta
Presidente Senado
Presidente da República
Sanção expressa
Arquivo
(obs: art. 67)
Promulgação
Publicação
Silêncio por
15 dias úteis
Sanção tácita
Congresso Nacional
Mantém o Veto
Rejeita o Veto
Presidente da República para promulgação
Presidente do Senado promulga
Vice Presidente
do Senado promulga
Se não faz em 48h
Se não faz em 48h
8. PROCEDIMENTO LEGISLATIVO SUMÁRIO OU ABREVIADO
O Presidente da República pode solicitar urgência para projetos de sua iniciativa , não se limitando aos da iniciativa reservada (CF, art. 64, §§ 1 º, 2º, 3º e 4º).
O regime de urgência não ocorre durante o recesso parlamentar nem se aplicam para projeto de códigos (art. 64, § 4º, da CF/88).
Solicitada a urgência a CD e o SF deverão manifestar-se, cada um, no prazo sucessivo de 45 dias.
Se isso não ocorrer, o projeto de lei será incluído na ordem do dia e sobrestará as deliberações dos demais assuntos.
Havendo emendas no Senado Federal, a Câmara dos Deputados terá 10 dias para apreciar, pelo que é chamado de procedimento de 100 dias.
Consoante dispõe a CF, no art. 223, § 1º, atos de outorga ou renovação de concessão, permissão ou autorização para serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens, tramitam sob regime de urgência.
\u201cArt. 223. Compete ao Poder Executivo outorgar e renovar concessão, permissão e autorização para o serviço de radiodifusão sonora e de sons e imagens, observado o princípio da complementaridade dos sistemas privado, público e estatal.
§ 1º - O Congresso Nacional apreciará o ato no prazo do art. 64, § 2º e § 4º, a contar do recebimento da mensagem.\u201d
8.1. PROCEDIMENTO:
O projeto de lei inicia sua tramitação pela Câmara dos Deputados, que, como visto, tem o prazo de 45 dias para aprová-lo ou rejeitá-lo. Rejeitado, o projeto será encaminhado para o arquivo.
Não aprovado na data acima, o projeto passará a obstar a pauta até a Câmara delibar sobre a proposta. Por terem prazo constitucional próprio, as medidas provisórias não ficam obstruídas (art. 64, §2º, da CF/88). 
Aprovado na Câmara, o projeto de lei segue para o Senado Federal, o qual também terá 45 dias para aprovar, quando será encaminhado para o PR, rejeitar, vai para o arquivo, ou apresentar emendas, quando volta para a Câmara, que tem mais 10 dias para apreciá-las (art. 64, § 3º, da CF)
Não aprovado, em 45 dias, pelo Senado, o projeto de lei passa a trancar a pauta daquela Casa até que ela delibere. Também com fulcro no art. 64, §2º, da CF/88, as medidas provisórias não têm as deliberações obstruídas.
9. ESPÉCIES NORMATIVAS (ART. 59 DA CF).
9.1. EMENDA CONSTITUCIONAL
Conforme outrora exposto, as Emendas à Constituição são fruto do poder constituinte derivado reformador, pelo qual é possível, respeitadas as cláusulas pétreas, a supressão, o acréscimo ou a modificação de normas constitucionais. 
9.1.1. INICIATIVA.
A iniciativa para alteração do texto constitucional encontra-se no caput do art. 60 da CF/88, possuindo quatro legitimados: 
\u201cArt. 60. A Constituição poderá ser emendada mediante proposta:
I - de um terço, no mínimo, dos membros da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal;
II - do Presidente da República;
III - de mais da metade das Assembleias Legislativas das unidades da Federação, manifestando-se, cada uma delas, pela maioria relativa de seus membros.\u201d
9.1.2. LIMITAÇÕES AO PODER REFORMADOR 
 
Limitações
Expressas
Implícitas
Materiais
Circunstanciais
Formais
Cláusulas Pétreas art. 60, § 4º
Interv. Fed, estado de defesa ou de sítio art. 60, §1º 
Referentes ao Processo Leg. 
Art. 60, I, II e III, §§ 2º, 3º e 5º
Supressão das expressas (teoria da dupla revisão)
Alteração do titular do PCO e PCDR
9.1.2. Procedimento das Propostas de Emenda à Constituição 
 A PEC é discutida e votada em 2 turnos, em cada Casa do CN, sendo aprovada se, em ambas as Casas e em ambos os turnos, obtiver 3/5 dos votos dos seus membros (maioria qualificada) (art. 60, § 2º, da CF/88).
Não é remetida à sanção do Presidente da República, e a promulgação é de responsabilidade das mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, que colocará o respectivo número de ordem (art. 60, 3º da CF).
A matéria constante de PEC rejeitada ou havida por prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa (§ 5º). 
9.1.2.1. GRÁFICO DO PROCED. DAS EMENDAS CONSTITUCIONAIS (Vicente Paulo e Marcelo alexandrino com adaptações) 
Primeira Casa Legislativa
1º Turno de votação
Aprovação = 3/5 dos membros
Segunda Casa Legislativa
1º Turno de votação
2º Turno de votação
Aprovação = 3/5 dos membros
Aprovação = 3/5 dos membros
2º Turno de votação
Em. Mod. subs
Reaprecia ção
Aprovação = 3/5 dos membros
Promulgação Mesas CD e SF
9.2 Leis Complementares 
9.2.1. Noções Iniciais
O modo de elaboração das leis complementares é o mesmo