direito Administrativo
42 pág.

direito Administrativo


DisciplinaCálculo I75.084 materiais1.353.941 seguidores
Pré-visualização15 páginas
da supremacia do interesse público sobre o privado e, por isso, são aplicáveis ainda que não escritas no instrumento contratual.
As mais importantes estão previstas no artigo 58 da Lei 8666/93 são: exigência de garantia; alteração unilateral, rescisão unilateral, fiscalização, aplicação de penalidade, ocupação temporária;
 
7-   Exigência de garantia
 
A autoridade administrativa pode exigir do contrato, desde que previsto no instrumento convocatório, o oferecimento de garantia. Constituiu direito do contratado optar entre as seguintes modalidades de garantia: caução, seguro-garantia e fiança bancária.
 
8-   Alteração unilateral do objeto
 
A lei autoriza que a Administração realize modificação unilateral no objeto do contrato para melhor adequação às finalidades de interesse público. A alteração pode consistir na modificação do projeto ou em acréscimo e diminuição na quantidade do objeto. Desse modo, as alterações unilaterais podem ser modificações qualitativas ou quantitativas.
A modificação quantitativa deve observar os limites de até 25% , para obras, serviços ou compras, e até 50%, no caso de reforma em edifício ou equipamento
 
A alteração unilateral do contrato exige mudança na remuneração do contratado, ensejando direito ao reequilíbrio econômico-financeiro.
 
9-   Manutenção do equilíbrio econômico-financeiro
 
Qualquer circunstância especial capaz de alterar a margem de lucro do contratado autoriza uma modificação na remuneração a ele devida. Esse dever de manutenção do equilíbrio na relação custo-remuneração também constituiu cláusula exorbitante típica do contrato administrativo.
 
 
 
ESTUDO DO EQUILIBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO
 
 
O Artigo 37, XXI, da CF, ao disciplinar a obrigatoriedade do procedimento licitatório, prescreve que \u201cressalvados os casos especificados na legislação, as obras, serviços, compras e alienações serão contratados mediante processo de licitação pública, com cláusulas que estabeleçam obrigações de pagamento, mantidas as condições efetivas da proposta\u201d.
 
Essa referência, \u201cmantidas as condições efetivas da proposta\u201d tornou obrigatória a criação de um sistema legal de preservação da margem de lucro do contratado, denominando equilíbrio econômico-financeiro.
 
VER : arts. 57, § 1º e 65, II \u2018d\u2019
 
A equação econômica financeira pode ser conceituada como a relação que se estabelece, no momento da celebração do contrato, entre o encargo assumido e a remuneração pactuada.
A manutenção desse equilíbrio é um direito constitucionalmente tutelado do contratado e decorre do princípio da boa-fé e também da busca pelo interesse público primário, tendo como fundamento a regra do rebus sic stantibus e a teoria da imprevisão.
 
Em termos práticos, a garantia do equilíbrio econômico-financeiro obriga o contratante a alterar a remuneração do contratado sempre que sobrevier circunstancia excepcional capaz de tornar mais onerosa a execução. Assim, procura-se recompor a margem de lucro inicialmente projetada no momento da celebração do contrato.
 
Quais as circunstancias excepcionais que autorizam a revisão???
 
Existe grande controvérsia doutrinária acerca da classificação das situações que autorização a revisão na remuneração do contratado.
 
Vejamos:
1)   Alteração unilateral do contrato: quando a administração contratante realiza modificações quantitativas ou qualitativas no objeto contratual (art. 65, §§ 1 e 4 da Lei 8666/93) São portanto, circunstâncias internas do contrato. Exemplo: aumento no número de ruas a serem asfaltadas pelo contratado;
2)   Fato do príncipe \u2013 é todo acontecimento externo ao contrato provocado pela entidade contratante, \u201csob titulação jurídica diversa da contratual\u201d. Exemplo: aumento de tributo promovido pela entidade contratante. Se a majoração de tributo for realizada por outra esfera federativa, aplica-se a teoria da imprevisão e não o fato do príncipe;
3)   Fato da Administração \u2013 consiste na ação ou omissão da Administração contratante que retarda ou impede a execução do contrato. Exemplo: Administração não providencia desapropriações necessárias para a duplicação da rodovia;
4)   Álea econômica (Teoria da Imprevisão) é o acontecimento externo ao contrato, de natureza econômica e estranho à vontade das partes, imprevisível e inevitável, que cause contratual. Exemplo: aumento de tributo determinado por entidade federativa diversa da administração contratante. A recomposição decorrente dessa álea está relacionada com a aplicação, na seara dos contratos administrativos, da teoria da imprevisão. Para que tal circunstância possa gerar revisão tarifária, faz-se necessário o preenchimento dealgumas condições, de modo que o fato seja:
a) imprevisível quanto á sua ocorrência e ao alcance de suas consequências; b) estranho à vontade das partes;
c) inevitável;
d) causador de significativo desequilíbrio ao contrato;
 
 
 
EXTINÇÃO DO CONTRATO
 
O contrato administrativo pode ser extinto em decorrência da conclusão do objeto, do término do prazo, da anulação motivada por defeito ou de rescisão
O artigo 79 da Lei 8666/93 prevê 3 tipos de rescisão:
a) rescisão unilateral \u2013 decretada pela Administração contratante, sem necessidade de autorização judicial. Havendo culpa do contratado, não é devida indenização, aplicando-se a sanção cabível; se não houver culpa, como no caso da rescisão motivada por razões de interesse público, cabe indenização;
b) rescisão amigável -  feita administrativamente por acordo entre as partes. Em regra, não gera indenização;
c) rescisão judicial \u2013 determinada pelo Poder Judiciário em razão de inadimplemento do contratante ou do contratado. Havendo inadimplemento do contratado, a Administração pode optar também por rescindir unilateralmente.