LIVRO U1
181 pág.

LIVRO U1


DisciplinaMateriais Elétricos e Medidas30 materiais89 seguidores
Pré-visualização32 páginas
junto com o sensor de efeito Hall. Na Figura 1.24, temos um sensor de efeito Hall ligado 
à base de um transistor NPN. A tensão V
0
 é a tensão de saída desse sistema, medida 
Sem medo de errar
Materiais condutores e semicondutores
U1
42
entre o coletor e a terra. Quando o sensor estiver ligado, haverá fluxo de corrente 
da fonte de alimentação para terra, e a tensão V
0
 será igual a zero. Caso contrário, a 
tensão V
0 
será a tensão da fonte de alimentação V
LS
. Portanto, quando o sensor estiver 
ligado, teremos nível lógico 0 na saída e, consequentemente, teremos nível lógico 1 
quando estiver desligado.
Agora temos todas as informações necessárias para elaborar o projeto completo 
de atualização tecnológica da máquina bobinadeira e ainda enviar ao cliente uma 
proposta finalizada.
Figura 1.24 | Saída digital de sensor de efeito Hall
Fonte: adaptada de Honeywell ([s.d.], p. 19).
Atenção
É importante destacar que grande parte dos sensores de efeito Hall vem 
encapsulada na forma de circuitos integrados (CI), inclusive com um 
transistor implementado internamente. Dessa forma, não precisamos 
necessariamente de um transistor externo para ter o sinal digital, mas sim 
de um CI que já possui essa saída. Verifique o link para acessar a folha de 
dados (datasheet) de um sensor de efeito Hall com saída digital. (Obs.: É 
importante notar que as folhas de dados de componentes eletrônicos 
costumam ser escritas em inglês).
Disponível em: <https://www.sparkfun.com/datasheets/Components/
General/Hall-US1881EUA.pdf>. Acesso em: 24 ago. 2016
Materiais condutores e semicondutores
U1
43
Figura 1.25 | Controle do acionamento de um LED com BJT
Fonte: adaptada de Honeywell ([s.d.], p. 19).
Controle de um LED
Descrição da situação-problema
Você é um engenheiro eletricista trabalhando para uma empresa e precisa 
encontrar uma solução para sinalização em um circuito eletrônico. Um LED (diodo 
emissor de luz) é um diodo que emite luz ao ser diretamente polarizado. Vamos 
apresentar uma solução para acionamento de um LED usando um transistor bipolar 
de junção.
Avançando na prática 
Resolução da situação-problema 
O circuito apresentado na Figura 1.25 apresenta uma possível aplicação do TBJ 
para acionamento de um LED. Quando a chave está na posição ON (ligado), a tensão 
na base do transistor será igual à fonte de alimentação (+9 V). Assim, o transistor 
começará a conduzir corrente do coletor para o emissor, acendendo o LED. Quando 
a chave está na posição OFF (desligado), a base do transistor ficará com o mesmo 
potencial do terra (0 V). Assim, este funcionará como uma chave aberta, e o LED 
apagará.
Materiais condutores e semicondutores
U1
44
Faça valer a pena
1. Quando um diodo estiver diretamente polarizado, haverá um 
fluxo direto para corrente; nesse caso, portanto, o diodo conduz. Do 
contrário, teremos um fluxo reverso de corrente, isto é, uma corrente 
tão pequena que diremos que o diodo parou de conduzir. Uma outra 
forma de analisarmos esse comportamento é considerar que o diodo é 
uma chave fechada quando diretamente polarizado e uma chave aberta 
quando inversamente polarizado.
Complete as lacunas seguintes e depois escolha a alternativa que 
apresenta a sequência de palavras corretas.
\u201cDiodos são dispositivos .......................... que podem ser usados em 
diversos circuitos eletrônicos. Dentre as aplicações mais frequentes dos 
diodos, temos ........................... que conduzem em apenas um sentido\u201d.
a) Semicondutores e amplificadores.
b) Semicondutores e chaves eletrônicas.
c) Elétricos e amplificadores.
d) Passivos e chaves.
e) Ativos e amplificadores.
2. Os transistores são dispositivos que possuem duas aplicações básicas: 
eles podem trabalhar como chaves eletrônicas e amplificadores. Na 
primeira situação, os transistores permitem ou não a passagem de 
corrente em determinados momentos da operação de um circuito 
eletrônico. Esse chaveamento, por não ter contatos móveis, pode 
ocorrer a velocidades muito altas. Na segunda aplicação, o transistor 
pode amplificar um sinal elétrico (o transistor bipolar de junção que 
possui duas junções P-N).
Avalie as afirmações seguintes sobre os transistores bipolares de junção 
(TBJ).
I. São diretamente polarizados quando o cátodo e o ânodo estão ligados 
nos terminais negativo e positivo da fonte, respectivamente.
II. São construídos com duas junções P-N e podem ser de dois tipos: 
N-P-N e P-N-P.
III. A condução de corrente está relacionada com o campo elétrico 
formado quando um potencial positivo é aplicado ao terminal porta 
(gate).
É correto o que se afirma apenas em:
Materiais condutores e semicondutores
U1
45
3. Os transistores são dispositivos que possuem duas aplicações básicas: 
eles podem trabalhar como chaves eletrônicas e amplificadores. Na 
primeira situação, os transistores permitem ou não a passagem de 
corrente em determinados momentos da operação de um circuito 
eletrônico. Esse chaveamento, por não ter contatos móveis, pode 
ocorrer a velocidades muito altas. Na segunda aplicação, o transistor 
pode amplificar um sinal elétrico. Em transistores de efeito de campo, a 
passagem de portadores de carga está condicionada à presença de um 
campo elétrico produzido por uma tensão.
Avalie as afirmações a seguir sobre o transistor de efeito de campo (FET).
I. Podem ser usados como amplificadores de corrente.
II. Podemos controlar a corrente de saída a partir da tensão aplicada ao 
terminal base.
III. A condução de corrente está relacionada com o campo elétrico 
formado quando um potencial é aplicado ao terminal porta (gate).
É correto apenas o que se afirma em:
a) I e III.
b) II.
c) III.
d) I e II.
e) II e III.
a) I.
b) I e II.
c) III.
d) II.
e) I e III.
Materiais condutores e semicondutores
U1
46
U1
47Materiais condutores e semicondutores
Referências
ATKINS, P. W.; JONES, L. Princípios de química: questionando a vida moderna e o 
meio ambiente. Porto Alegre: Bookman, 2009.
CALLISTER JR, W. D.; RETHWISCH, David G. Ciência e engenharia dos materiais: 
uma introdução. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora, 2016.
HONEYWELL. Hall effect sensing and application. Disponível em: <http://
sensing.honeywell.com/honeywell-sensing-sensors-magnetoresistive-hall-effect-
applications-005715-2-en.pdf>. Acesso em: 24 ago. 2016.
PAULO, J. J. A. de. Condutor de alumínio ou cobre. O setor elétrico, fev. 2013.
Disponível em: <http://www.allcab.com.br/condutor-de-aluminio-ou-de-cobre/>.
Acesso em: 28 jul. 2016.
PORTAL O SETOR ELÉTRICO. Por que o cobre é amplamente utilizado em sistemas
elétricos? Disponível em: <http://www.osetoreletrico.com.br/web/a-revista/
edicoes/315-por-que-o-cobre-e-amplamente-utilizado-em-sistemas-eletricos.
html>. Acesso em: 28 jul. 2016.
RAZAVI, B. Fundamentos de microeletrônica. São Paulo: GEN/LTC, 2000.
SMITH, W. F.; HASHEMI, J. Fundamentos de engenharia e ciência dos materiais. 
Porto Alegre: AMGH Editora, 2013.
Unidade 2
Materiais dielétricos, 
propriedades mecânicas e 
térmicas
Seja bem-vindo à Unidade 2 do curso de Medidas e Materiais Elétricos. 
Nesta unidade, você estudará os materiais dielétricos (isolantes), além de 
algumas propriedades mecânicas e térmicas dos materiais. Na Unidade 
1, vimos que há três classificações básicas para materiais elétricos: 
condutores, semicondutores e isolantes. Os dois primeiros já foram 
estudados, de forma que finalizaremos as propriedades básicas de 
materiais elétricos na presente unidade. 
Na Seção 2.1, verificaremos que os materiais dielétricos estão presentes 
em grande parte dos equipamentos elétricos, quando algum tipo de 
isolamento é desejado. O óleo isolante dentro de transformadores, o 
gás hexafluoreto de enxofre