Nova CLT comparada
78 pág.

Nova CLT comparada


DisciplinaDireito Processual do Trabalho e Direito do Trabalho381 materiais1.566 seguidores
Pré-visualização20 páginas
seguimento ao recurso de revista 
que não demonstrar transcendência, cabendo 
agravo desta decisão para o colegiado. 
 
§ 3º Em relação ao recurso que o relator 
considerou não ter transcendência, o 
recorrente poderá realizar sustentação oral 
sobre a questão da transcendência, durante 
cinco minutos em sessão. 
 
§ 4º Mantido o voto do relator quanto à não 
transcendência do recurso, será lavrado 
acórdão com fundamentação sucinta, que 
constituirá decisão irrecorrível no âmbito do 
tribunal. 
 
§ 5º É irrecorrível a decisão monocrática do 
Relator que, em agravo de instrumento em 
recurso de revista, considerar ausente a 
transcendência da matéria. 
 
§ 6º O juízo de admissibilidade do recurso de 
revista exercido pela Presidência dos 
Tribunais Regionais do Trabalho limita-se à 
análise dos pressupostos intrínsecos e 
extrínsecos do apelo, não abrangendo o 
critério da transcendência das questões nele 
veiculadas. (NR) 
 
Art. 899. - Os recursos serão interpostos por 
simples petição e terão efeito meramente 
devolutivo, salvo as exceções previstas neste 
Título, permitida a execução provisória até a 
penhora. 
§ 1º Sendo a condenação de valor até 10 
(dez) vezes o salário-mínimo regional, nos 
dissídios individuais, só será admitido o 
recurso inclusive o extraordinário, mediante 
prévio depósito da respectiva importância. 
Transitada em julgado a decisão recorrida, 
ordenar-se-á o levantamento imediato da 
importância de depósito, em favor da parte 
vencedora, por simples despacho do 
juiz. 
§ 2º Tratando-se de condenação de valor 
indeterminado, o depósito corresponderá ao 
que for arbitrado, para efeito de custas, pela 
Junta ou Juízo de Direito, até o limite de 10 
(dez) vezes o salário-mínimo da região. 
§ 3º (Revogado pela Lei nº 7.033, de 
5.10.1982) 
§ 4º O depósito de que trata o § 1º far-se-á na 
conta vinculada do empregado a que se 
refere o art. 2º da Lei nº 5.107, de 13 de 
setembro de 1966, aplicando-se-lhe os 
preceitos dessa Lei observado, quanto ao 
respectivo levantamento, o disposto no § 
1º. 
§ 5º Se o empregado ainda não tiver conta 
vinculada aberta em seu nome, nos termos 
do art. 2º da Lei nº 5.107, de 13 de setembro 
de 1966, a empresa procederá à respectiva 
abertura, para efeito do disposto no § 2º. 
§ 6º Quando o valor da condenação, ou o 
arbitrado para fins de custas, exceder o limite 
de 10 (dez) vezes o salário-mínimo da região, 
o depósito para fins de recursos será limitado 
a este valor. 
§ 7o No ato de interposição do agravo de 
instrumento, o depósito recursal 
corresponderá a 50% (cinquenta por cento) 
 (...) 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
§ 4º O depósito recursal será feito em conta 
vinculada ao juízo e corrigido com os mesmos 
índices da poupança. 
 
 
 
 
 
 
§ 5º Revogado 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
do valor do depósito do recurso ao qual se 
pretende destrancar. 
§ 8o Quando o agravo de instrumento tem a 
finalidade de destrancar recurso de revista 
que se insurge contra decisão que contraria a 
jurisprudência uniforme do Tribunal Superior 
do Trabalho, consubstanciada nas suas 
súmulas ou em orientação jurisprudencial, 
não haverá obrigatoriedade de se efetuar o 
depósito referido no § 7o deste artigo. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
§ 9º O valor do depósito recursal será 
reduzido pela metade para entidades sem fins 
lucrativos, entidades filantrópicas, 
empregadores domésticos, microempresas e 
empresas de pequeno porte. 
 
§ 10 São isentos do depósito recursal os 
beneficiários da justiça gratuita, as entidades 
filantrópicas e as empresas em recuperação 
judicial. 
 
§ 11 O depósito recursal poderá ser 
substituído por fiança bancária ou seguro 
garantia judicial. (NR) 
 
Lei nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974 Passa a vigorar com as seguintes alterações: 
Art. 4o-A. Empresa prestadora de serviços a 
terceiros é a pessoa jurídica de direito privado 
destinada a prestar à contratante serviços 
determinados e específicos. 
 
 
§ 1o A empresa prestadora de serviços 
contrata, remunera e dirige o trabalho 
realizado por seus trabalhadores, ou 
subcontrata outras empresas para realização 
desses serviços. 
§ 2o Não se configura vínculo empregatício 
entre os trabalhadores, ou sócios das 
empresas prestadoras de serviços, qualquer 
que seja o seu ramo, e a empresa 
contratante. 
 
Art. 4º-A. Considera-se prestação de serviços 
a terceiros a transferência feita pela 
contratante da execução de quaisquer de 
suas atividades, inclusive sua atividade 
principal, à pessoa jurídica de direito privado 
prestadora de serviços que possua 
capacidade econômica compatível com a sua 
execução. 
 
 
§ 1º (...) 
 
 
 
 
 
 
 
§ 2º (...) 
 
 
 
 Art. 4º-C. São asseguradas aos empregados 
da empresa prestadora de serviços a que se 
refere o art. 4º-A desta Lei, quando e 
enquanto os serviços, que podem ser de 
qualquer uma das atividades da 
contratante, forem executados nas 
dependências da tomadora, as mesmas 
condições: 
 
I \u2013 relativas a: 
 
a) alimentação garantida aos empregados da 
contratante, quando oferecida em refeitórios; 
 
b) direito de utilizar os serviços de transporte; 
 
c) atendimento médico ou ambulatorial 
existente nas dependências da contratante ou 
local por ela designado; 
 
d) treinamento adequado, fornecido pela 
contratada, quando a atividade o exigir. 
 
II \u2013 sanitárias, de medidas de proteção à 
saúde e de segurança no trabalho e de 
instalações adequadas à prestação do 
serviço. 
 
§ 1º Contratante e contratada poderão 
estabelecer, se assim entenderem, que os 
empregados da contratada farão jus a salário 
equivalente ao pago aos empregados da 
contratante, além de outros direitos não 
previstos neste artigo. 
 
§2º Nos contratos que impliquem mobilização 
de empregados da contratada em número 
igual ou superior a 20% (vinte por cento) dos 
empregados da contratante, esta poderá 
disponibilizar aos empregados da contratada 
os serviços de alimentação e atendimento 
ambulatorial em outros locais apropriados e 
com igual padrão de atendimento, com vistas 
a manter o pleno funcionamento dos serviços 
existentes. 
 
 
Art. 5o-A. Contratante é a pessoa física ou 
jurídica que celebra contrato com empresa de 
prestação de serviços determinados e 
específicos. 
§ 1o É vedada à contratante a utilização dos 
trabalhadores em atividades distintas 
daquelas que foram objeto do contrato com a 
empresa prestadora de serviços. 
§ 2o Os serviços contratados poderão ser 
executados nas instalações físicas da 
 
Art. 5o-A. Contratante é a pessoa física ou 
jurídica que celebra contrato com empresa de 
prestação de serviços relacionados a 
quaisquer de suas atividades, inclusive sua 
atividade principal. 
 
(...) 
 
 
 
 
 
 
 
empresa contratante ou em outro local, de 
comum acordo entre as partes. 
§ 3o É responsabilidade da contratante 
garantir as condições de segurança, higiene e 
salubridade dos trabalhadores, quando o 
trabalho for realizado em suas dependências 
ou local previamente convencionado em 
contrato. 
§ 4o A contratante poderá estender ao 
trabalhador da empresa de prestação de 
serviços o mesmo atendimento médico, 
ambulatorial e de refeição destinado aos seus 
empregados, existente nas dependências da 
contratante, ou local por ela designado. 
§ 5o A empresa contratante é 
subsidiariamente responsável pelas 
obrigações trabalhistas referentes ao período 
em que ocorrer a prestação de serviços, e o 
recolhimento das contribuições 
previdenciárias observará o disposto