tese leila benitez
254 pág.

tese leila benitez


DisciplinaGeologia7.679 materiais60.611 seguidores
Pré-visualização50 páginas
seriam \u201cremetidos de volta\u201d a essa área, 
onde poderiam atuar a fiscalização nacional ou mesmo internacional. Tal rigor, nem sequer 
exigido pelo PK, infelizmente trouxe junto diversas seqüelas associadas, entre as quais se 
destacam: 
(1) Amplia-se a possibilidade de fraudes quanto aos reais sítios de produção 
declarados, face o tamanho do território geográfico possuidor de diamantes no país, de 
fiscalização quase impossível em sua totalidade; 
(2) Impossibilita, na prática, a inserção no mercado legal das pedras produzidas 
nos pequenos e inumeráveis garimpos brasileiros, os quais possuem não só irrefutável 
importância em termos sociais, como também é responsável pela maior parte da própria 
produção no País; 
(3) Restringe também a transação de diamantes brasileiros \u201cantigos\u201d, em posse da 
nossa população depois desses cerca de 300 anos ininterruptos de lavras sobre inúmeras áreas 
produtoras garimpeiras. 
Esses fatos, reunidos, colocam certamente a maior parte da produção nacional na 
ilegalidade, dando margem a megaoperações dos órgãos judiciais competentes, visando a 
repressão dos supostos fraudadores do esquema legal proposto no SCPK brasileiro. 
Com o intuito de direcionar melhor as normas estabelecidas no sistema adotado 
surgiu em 2005, o Fórum Brasileiro de Processo de Kimberley (FBPK), do qual são membros 
representantes do Estado, da Polícia Federal, da Receita Federal, de empresas mineradoras, de 
cooperativas de garimpeiros, entre outros. Os grupos de trabalho do FBPK empenham-se na 
elaboração de estatutos, normalização de regras e procedimentos. 
 
 29
3.4 - ÍNDICES DA PARTICIPAÇÃO MUNDIAL NO SCPK 
 
Valores oficiais sobre exportações e importações mundiais de diamantes 
referentes aos países participantes do SCPK em 2007 são apresentados nas tabelas a seguir. 
Nota-se que o Brasil ocupa uma posição muito inferior em comparação aos países que estão 
no topo em termos de produção, exportação e em qualidade de pedras. As tabelas de 4 a 11, 
apresentam os resultados obtidos nos anos de 2007 e 2008. As tabelas 4 e 5 mostram os países 
maiores produtores de diamantes brutos e as tabelas 6 e 7 especificam o ranking de produção, 
em volume por quilates e em valores (US$). As tabelas 8 e 9 mostram os países que ocupam 
as 13 melhores posições como exportadores de diamantes brutos (e/ou lapidados) e nas 
Tabelas 10 e 11 pode-se observar o valor médio dos diamantes brutos e/ou lapidados 
exportados mais caros, e a procedência destes. Nota-se que de 2007 para 2008 esse quadro de 
posições continua praticamente estável, embora na maioria dos casos haja uma pequena queda 
nos valores. 
 
Tabela 4: Maiores produtores mundiais de diamantes brutos \u2013 SCPK 2007, incluindo o 
Brasil. Fonte: Annual Global Summary 2007. 
 
 
PAÍS 
 
VOLUME (ct) 
 
VALOR (US$ 1.00) 
 
US$/ct 
1 \u2013 Rússia 38.291.200 2.625.100.500 14.58 
2 \u2013 Botswana 33.638.000 2.960.144.000 88.00 
3 \u2013 Rep. do Congo 28.452.496 364.783.294 12.82 
4 \u2013 Austrália 18.538.645 364.629.604 19.67 
5 \u2013 Canadá 17.007.850 1.657.014.734 97.43 
6 \u2013 Rep. Sul-Africana 15.210.833 1.417.331.400 93.18 
7 \u2013 Angola 9.701.709 1.271.955.353 131.11 
8 \u2013 Namíbia 2.266.100 715.434.111 315.71 
(17 \u2013 Brasil) 256.964 25.807.516 100.43 
 
 
 
 
 
 
 30
Tabela 5: Maiores produtores mundiais de diamantes brutos \u2013 SCPK 2008, incluindo o 
Brasil. Fonte: Annual Global Summary 2008. 
 
 
PAÍS 
 
VOLUME (ct) 
 
VALOR (US$ 1.00) 
 
US$/ct 
1 \u2013 Rússia 36.925.150 2.508.957.130 67.95 
2 - Rep. Do Congo 33.401.927 431.833.163 12.93 
3 \u2013 Botswana 32.276.000 3.273.001 101.41 
4 \u2013 Austrália 14.932.137 326.394.284 21,86 
5 \u2013 Canadá 14.802.699 2.254.710.603 152,32 
6 \u2013 Rep. Sul-Africana 12.901.019 1.236.240.109 95.82 
7 \u2013 Angola 8.906.974 1.209.789.970 135.83 
8 \u2013 Guiné 3.098.490 53.698.455 17.33 
(18 \u2013 Brasil) 80.226 6.221.579 77.55 
 
Tabela 6: Maiores produtores mundiais de diamantes brutos e por valorização \u2013 SCPK 2007. 
Fonte: Annual Global Summary 2007. 
 
VOLUME (ct) 
 
VALOR (US$ 1.00) 
1 \u2013 Federação Russa 1 \u2013 Botsuana 
2 \u2013 Botsuana 2 \u2013 Federação Russa 
3 \u2013 República Democrática do Congo 3 \u2013 Canadá 
4 \u2013 Austrália 4 \u2013 África do Sul 
5 \u2013 Canadá 5 \u2013 Angola 
6 \u2013 África do Sul 6 \u2013 Namíbia 
7 \u2013 Angola 7 \u2013 República Democrática do Congo 
8 \u2013 Namíbia 8 \u2013 Austrália 
 
Tabela 7: Maiores produtores mundiais de diamantes brutos e por valorização \u2013 SCPK 2008. 
Fonte: Annual Global Summary 2008. 
 
VOLUME (ct) 
 
VALOR (US$ 1.00) 
1 \u2013 Federação Russa 1 \u2013 Botsuana 
2 \u2013 República Democrática do Congo 2 \u2013 Federação Russa 
3 \u2013 Botswana 3 \u2013 Canadá 
4 \u2013 Austrália 4 \u2013 África do Sul 
5 \u2013 Canadá 5 \u2013 Angola 
6 \u2013 África do Sul 6 \u2013 Namíbia 
7 \u2013 Angola 7 \u2013 República Democrática do Congo 
8 \u2013 Guiné 8 \u2013 Austrália 
 31
Tabela 8: Maiores exportadores mundiais de diamantes brutos e/ou lapidados \u2013 SCPK 2007. 
Fonte: Annual Global Summary 2007. 
 
PAÍS VOLUME (ct) VALOR (US$ 1.00) US$/ct 
1 \u2013 Com. Européia 184.435.163 5.362.553.355 83,30 
2 \u2013 Emirados Árabes 40.200.303 2.825.253.936 70,28 
3 \u2013 Botsuana 34.962.966 3.170.056.591 90,67 
4 \u2013 Índia 30.555.341 601.053.028 19,67 
5 \u2013 Rússia 28.874.736 222.499.883 70,04 
6 \u2013 Rep. do Congo 28.331.376 609.833.233 21,53 
7 \u2013 Israel 23.580.429 435.209.707 175,37 
8 \u2013 Austrália 19.862.138 463.998.613 23,36 
9 \u2013 Canadá 17.444.703 93.808.096 97,10 
10 \u2013 China 15.886.844 896.979.020 56,46 
11 \u2013 África do Sul 13.889.688 1.867.334.581 134,44 
12 - Suíça 9.918.263 1.623.687.356 163,71 
13 \u2013 Angola 8.520.486 129.774.807 132,60 
(27 \u2013 Brasil) 168.071 18.017.143 30.52 
 
Tabela 9: Maiores exportadores mundiais de diamantes brutos e/ou lapidados \u2013 SCPK 2008. 
Fonte: Annual Global Summary 2008. 
 
PAÍS VOLUME (ct) VALOR (US$ 1.00) US$/ct 
1 \u2013 Com. Européia 152.133.429 14.704.833.773 96,66 
2 \u2013 Índia 37.596.697 829.588.202 22,07 
3 \u2013 Emirados Árabes 35.578.996 3.085.225.776 86,71 
4 \u2013 Botswana 26.950.309 2.966.144.893 110,06 
5 \u2013 Rússia 24.472.417 1.607.134.138 65,67 
6 \u2013 China 23.146.488 1.821.156.879 78,68 
7 \u2013 Rep. do Congo 21.284.136 551.879.602 25,93 
8 \u2013 Israel 17.927.981 4.197.589.593 234,14 
9 \u2013 Canadá 16.471.801 2.416.652.304 146,71 
10 \u2013 Austrália 15.444.180 371.571.598 24,06 
11 \u2013 África do Sul 10.023.302 1.416.402.994 141,31 
12 \u2013 Suíça 8.006.659 1.662.502.815 207,64 
13 \u2013 Angola 7.389.133 995.408.419 134,71 
(28 \u2013 Brasil) 106.835,29 9.362.524.66 87,64 
 
 
 
 
 32
Tabela 10: Valor médio dos diamantes brutos e/ou lapidados exportados de maior preço \u2013 
SCPK 2007. Fonte: Annual Global Summary:2007. 
 
PAÍS VALOR \u2013 US$/ct 
1 \u2013 Lesoto 729,42 
2 \u2013 Namíbia 330,05 
3 \u2013 Singapura 302,15 
4 \u2013 Indonésia 263,38 
5 \u2013 Japão 246,80 
6 \u2013 Noruega 237,84 
7 \u2013 Serra Leoa 234,53 
8 \u2013 Ilhas Maurícius 227,40 
9 \u2013 Armênia 208,76 
10 \u2013 Sri Lanka 188,77 
(21 \u2013 Brasil) 107,20 
 
Tabela 11: Valor médio dos diamantes brutos e/ou lapidados exportados de maior preço \u2013 
SCPK 2008. Fonte: Annual Global Summary:2008. 
 
PAÍS VALOR \u2013 US$/ct 
1 \u2013 Lesoto 999,47 
2 \u2013 Turquia 741,13 
3 \u2013 Nova Zelândia 569,34 
4 \u2013 Sri Lanka 445,95 
5 \u2013 Namíbia 400,09 
6 \u2013 Serra Leoa 266,05 
7 \u2013 Indonésia 258,77 
8 \u2013 Japão 247,35 
9 \u2013 Ilhas Maurício 258,21 
10 \u2013 Israel 234,14 
(21 \u2013 Brasil) 87,64 
 
As tabelas 12 e 13 apresentam os resultados brasileiros alcançados até o mês de 
julho de 2008, onde consta uma coluna, com os respectivos Sistemas Harmonizados de 
Codificação e Designação de Mercadorias \u2013 SH. Os códigos harmônicos adotados pelo SCPK 
são: 
 
 33
7102.10 \u2013 Este código compreende os lotes de diamantes ou os diamantes 
unitários que não tenham sido submetidos ao exame por peritos em diamantes, segundo 
critérios técnicos. Incluem-se igualmente aqui os lotes de diamantes em bruto que tenham