Politrauma gestante

Politrauma gestante


DisciplinaGinecologia e Obstetrícia469 materiais9.919 seguidores
Pré-visualização2 páginas
ser feita na secundária.
*
Avaliação Primária
D-Incapacidade (Avaliação neurológica)
O rebaixamento do nível de consciência pode representar diminuição da oxigenação e/ou na perfusão cerebral ou ser resultado de um trauma direto ao cérebro. A alteração do nível de consciência implica em necessidade imediata de reavaliação da ventilação, da oxigenação e da perfusão.
*
Avaliação Primária
D-Incapacidade (Avaliação neurológica)
Álcool e outras drogas podem alterar o nível de consciência do doente
Deve-se realizar avaliação neurológica freqüentemente.
*
Avaliação Primária
D-Incapacidade (Avaliação neurológica)
Avaliação das pupilas:
1- Reatividade a luz
2- Tamanho
3- Simetria
Avaliação da força motora.
 
*
Avaliação Primária
E-Exposição / Controle do Ambiente
Só deve ser realizada se o exame do ABC estiver completo e a vítima reanimada. 
Cortar as vestes( prevenir hipotermia).
Exame físico completo e sinais vitais.
*
Avaliação Primária
Decisão pelo transporte
Para onde levar???
*
Avaliação Primária
Decisão pelo transporte
É utilizada a Escala Revisada de Trauma \u2013 RTS no APH com a finalidade de auxiliar na triagem para o hospital de destino.
 Escala de base fisiológica que avalia a gravidade do trauma através da análise da repercussão sobre a função circulatória, respiratória e neurológica. 
*
Avaliação Primária
Decisão pelo transporte
Escala Revisada de Trauma \u2013 RTS 
- PAS: 0-4 pontos
- FR: 0-4 pontos
- Glasgow:0-4 pontos
 Total:0-12 pontos
 Queda dos 3 indicadores é sinal de alerta!!!
*
Reanimação
A adoção de medidas agressivas de reanimação e o tratamento de todas as lesões potencialmente fatais, à medida que são identificadas, são essenciais para maximizar a sobrevivência do doente.
A- vias aéreas
B- Respiração/ventilação/oxigenação
C- Circulação
*
 Reanimação
A - Vias Aéreas
A via aérea deve ser protegida em todos os doentes especialmente quando existe a possibilidade de seu comprometimento. O levantamento do queixo ou a manobra de anteriorizar a mandíbula podem ser suficientes. Em doentes conscientes, o uso de uma cânula nasofaríngea pode garantir a permeabilidade da via aérea.
*
 Reanimação
A - Vias Aéreas
Se o doente está inconsciente e não tem o reflexo de deglutição, deve-se usar uma cânula orofaríngea.
Se houver qualquer dúvida sobre a capacidade do doente manter a permeabilidade da sua via aérea, deve-se estabelecer uma via aérea definitiva.
*
 Reanimação
B- Respiração/ Ventilação/ Oxigenação
 O controle definitivo da via aérea é obtido através da intubação endotraqueal por via nasal ou oral. Este procedimento deve ser realizado com proteção da coluna cervical.
Caso a intubação esteja contra-indicada, deve-se obter uma via aérea cirúrgica.
Em caso de pneumotórax hipertensivo, descomprimir o tórax imediatamente.
 Sempre fornecer oxigenioterapia suplementar.
*
 Reanimação
C- Circulação
 Controle o sangramento por pressão direta ou por intervenção cirúrgica.
Inserir dois cateteres venosos 14G
Dar preferência a veias dos membros superiores
Retirar amostras de sangue para tipagem sangüínea e prova cruzada, teste de gravidez para todas mulheres em idade fértil e outros exames.
Infundir RL de 2 a 3 L aquecidos de 37 a 40\uf0b0C
*
 Reanimação
C- Circulação
 Se o doente não apresentar uma resposta à infusão rápida de fluidos, deve-se administrar sangue tipo específico, caso não esteja disponível, administrar O-.
Se a perda de sangue continua, deve ser controlada por intervenção cirúrgica.
*
*
Monitoração
Monitorização cardíaca/ SSVV/ BCF
SVD, SNG
Ventilação Mecânica coleta de gasometria arterial.
Exames laboratoriais
*
Avaliação Secundária
História:
S - Sintomas
A - Alergia
M - Medicamentos de uso habitual
P - Passado médico/Prenhez
L - Líquidos e alimentos ingeridos recentemente
A - Ambiente e eventos relacionados ao trauma.
*
Avaliação Secundária
Exame Físico:
Cabeça
Face
Coluna cervical e pescoço
Tórax
Abdome
Períneo/reto/vagina
*
Avaliação Secundária
Exame Físico:
Sistema músculo-esquelético
Sistema nervoso
*
Tratamento Definitivo
Os critérios de triagem inter-hospitalar ajudam a determinar o grau, o ritmo e a intensidade do tratamento inicial.
Estes critérios levam em consideração o estado fisiológico do doente, a presença de lesões evidentes, os mecanismos de trauma, as doenças associadas, e outros fatores que podem alterar o prognóstico do paciente.
*
*
Trauma na Gestante
As prioridades do tratamento da gestante(mãe) é a chave para a sobrevivência da mãe e do filho
Tratamento correto da mãe, tratamento adequado do feto
*
*
Cesariana pós morte
Deve ser realizada somente nos casos de mãe moribunda ou em óbito
O feto deve ser viável(após a 26 semana)
A mãe é mantida com RCP e o feto deverá ser retirado o mais rápido possível
*
Cesariana pós morte
O fator mais importante de sobrevida fetal é o tempo entre o óbito materno e a cesariana
De 0 a 5 minutos - excelente
De 5 a 10 minutos \u2013 razoável
De 10 a 15 minutos \u2013 ruim
Acima de 15 minutos - péssimo 
*
Bom dia