capitaofantastico resenha
2 pág.

capitaofantastico resenha


DisciplinaSociologia26.015 materiais539.013 seguidores
Pré-visualização1 página
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS 
DISCIPLINA: SOCIOLOGIA
 
Resenha
Filme: Capitão Fantástico. Direção: Matt Ross. País de origem: EUA. 2016, 118 min.
O filme Capitão Fantástico fala sobre um pai (Ben) que cria seis filhos no meio de uma floresta de uma maneira completamente alternativa. Logo na primeira cena vemos um dos filhos de Ben matando um animal a sangue frio, isso seria uma espécie de ritual de iniciação à vida adulta, em seguida, vamos conhecendo com mais detalhe o modo de viver dos personagens. Eles vivem de uma maneira harmoniosa e ecologicamente correta.
O personagem principal (Ben) e sua esposa tentam criar a república de Platão no ambiente em que vivem, apesar de parecer inicialmente que ele cria seus filhos de forma dura demais vamos percebendo aos poucos que Ben tem muito amor por seus rebentos e preocupa-se muito com o bem estar de cada um deles. 
O filme se desenvolve mostrando a saga do pai e seus filhos viajando (numa casa sob rodas) para ir ao enterro da mãe das crianças, a personagem que era budista suicidou-se numa crise de depressão e a família tenta cumprir seu último desejo que era ser cremada e .... tudo isso a contragosto do sogro do Capitão Fantástico que é um homem rico, tradicional e que ignora o pedido da própria filha.
As crianças são educadas pelo próprio e percebe-se que ele não segue o sistema educacional tradicional, eles estudam juntos assiduamente sobre os mais diversos assuntos.
Por outro lado, quando a esposa de Bem morre ele se vê obrigado a apresentar o mundo aos seus filhos e observa-se que ele não estava preparado para aquilo. 
Nem tudo é perfeito no mundo do Capitão Fantástico, com a morte da mãe, um de seus filhos passa a questionar fortemente o modo de vida que está levando com sua família, ele sente desejo em viver como um garoto \u201cnormal\u201d de sua época vive e culpa o pai pela morte da mãe. Nesse momento percebemos que Ben tende a ser um pouco contraditório pois ao mesmo tempo que ele parece pregar um modo de viver livre, ele não permite que seu filho da forma que ele deseja. Vemos que os filhos do Capitão possuem um nível cultural e intelectual muito alto, mas, não possuem nenhum traquejo social.
Os outros familiares de Ben Cash questionam o modo de viver que ele escolheu, parece que é o capitão Fantástico e seus filhos contra o resto do mundo.
O filme nos leva a refletir sobre a sociedade moderna e capitalista em que vivemos, a idéia que nos passa também é o quão programados estamos para vivermos dentro do sistema e quando você tenta fugir daquilo é imediatamente tachado com louco, hippie, do contra, etc. Refletindo mais profundamente vemos que o filme questiona diversos aspectos, nos faz pensar na forma tão conectada e ao mesmo tempo tão individualista em que vivemos alienados em nossos celulares de última geração.
Vivemos manipulados, nossos jovens recebem uma educação medíocre que muitas vezes não suprem questões básicas sobre como agir eticamente, ao longo dos filmes nos questionamos se Bem é um bom pai ou não e dependendo da perspectiva que você observar pode-se responder a essa pergunta. Um pai que ensina os filhos a roubarem um supermercado e ao mesmo tempo educa os filhos com amor e dedicação, no mínimo pode-se dizer que é prazeroso como o filme nos dá tantas perturbações positivas. 
O filme nos leva a pensar o quanto a educação tradicional é mais voltada para ganhar a vida do que ter uma boa vida, o ensino atual não leva em conta a personalidade do aluno, a forma particular que cada criança aprende.
Ao final do filme Ben resolve mudar-se com as crianças para uma casa, coloca-os numa escola, admitindo assim que ele falhou em alguns aspectos da educação de seus filhos mas que agora ele busca um maior equilíbrio na criação e educação das crianças.
O Capitão Fantástico mostra que não é fácil viver em sociedade e educar nossos jovens, mas que devemos no mínimo questionar sobre as verdadeiras prioridades do processo educacional e da maneira que vivemos.