Liberdade
169 pág.

Liberdade


DisciplinaSociologia da Desigualdade Social27 materiais766 seguidores
Pré-visualização33 páginas
e terreno situados na Rua da Uberdade" (47).
o reg islro de urn titul o (nurnero de indice 15) no ano de 1880, no
Ca rt6rio do Prime iro Ofl c lo Civil , roje nao mats extstente. espe citica
claramente a dencminacao da r UB onde 0 im6vel transacionado S8
localizava "si tuaoc a RUB da Liberdade (Estrada verquetro)".
Em 1882, 0 inventarlc de Joao Antonio Fagun des Mar iano arrolava
sete casas "com frente para a Rua da Liberdade''. t tarnbem certo
que ate 1883. um trecho dessa rua. a part ir do Largo da Polvora. era
co mum a oenornrnacao de Verguei ro.
No inlcto do seculo atual. a Rua da Liberdade era elevada e estreita.
cat cada com paraleleplpedos. q ue era 0 t ipo do minante nos cares-
mentos das demais ruas da cldad e. send o que um arvo reoo farto
cobria pracas e largos par ond e eta passava. Posteriorrnente, foi
elim inad o 0 rebaixamento e substnutdo 0 verne calcamentc. 0 que
pade ser aorecraoo nas Hustracoes a respeito.
Nos ultimos meses do oftocentismo. comec aram a surg ir as roes qUI:!
se torna ria m tradi c ionais no ba irro da Li berdade: parte da Avenida
Brigadeiro Luis Anton io, a Rua Conselheiro Furtado, a Rua Conde da
Sarzedas , Rua Ped roso, Rua Fagundes, Rua Dr. Rod rig o Silva, dentre
out ras de menos rename , todas elas vivendo primordialmente, em
funcac da Avenid a da Liberdade.
Foi a part ir da construcao da Aven ida 23 de l..1a io, do Viad uto Gui-
lherme de Almeida sobre 0 Etevadc Presldente Costa e Silva, a
il umfnacao "sussuranto", os luminosos com tetrelro s em [aoones e
chines, os "tori", insta lados em vartos pontos, e as estacoes metro-
vtartas da Liberdade e Sao Joaquim. que a trad ic ional aveni da se
transtormou tota lmente.
E atua tmente uma das mais importantes vias de clrcutacao da cid ade
de Sao Paulo que , paralelamente aAvenida 23 de Maio, comunJ ca 0
centro co m as mals distantes paragens do sui de Sao Paulo.
Ap resenta urn suce der de casas comercia is. restaurantes , bares,
escolas, faculdades, academias de jud6 e carate, igrej as, templos,
c lubes recreatlvos. casas restoenctars. pensoes. repu bticas. ban-
cos, ccrretos. hospi tais e alg uns paucos ceseree s. q ue demarcam
senbcrt almente alg umas de suas ruas. suuacao que bem refle te 0
ec letis mo atua l do bairro da Liberdade .
70
A Avenida da Liberdade adquiriu SUBS caracte rtstrcas atuats atraves
de uma eerie de providenc ias leg islal ivas municipals
A Camara Munic ipal foi pr6d iga na elaboracao de leis mod iricado-
ras do seu antigo aspecto e, ate mesmo. trac ado. Sao feitas desap ro-
orracoes. sao construtoos buenos e muros de am mo. procedern -se
permutas de Imove!s e terrenos, paratetarrente a uma sene de acor-
dos co m as prop rietarfos toca!s. acettam-s e ooacoes de ruas ab ertas
em propriedades pa rtic utares. sao programados reeves. rebaixa-
mentes. calcamentos e recalcamentos.
Muitas leis foram, pais. eoitadas no lim do secuta passado e pnnc t-
palrnente no primeiro qua rtet deste, a saber:
1. Lei n.v 261, de 14/08/1 896, autor tzando 0 catcamento da Rua da
Lib erdade e 0 nfveta mento da Rua Hcrnaita:
2. Le i n.c 449 , de 15/01/ 1900, autcrtzand o 0 ca lcamento a parale-
tepi pedos do Largo da Polvo ra e outras ruas anexas. denlre as
quais, a Rua da Liberdade;
3. Lei n.? 520 , de 11/06/1901, aprovando Ato da Prefe ttura arrema-
tando em basta publica 0 predio n.c 3, da Rua da Li berdade, para
alarga mento dessa mesma via;
4. Lei n.o 594 , de 06 /08 /1902 , aprovando Ato da Pretettura. arrema-
tando 0 preoto n.e 7, da Rua da Ltberdade:
5. Lei n.c 725, de 16/03/ 1904, de clarando de util idade publ ica os
predios de n.cs. 2, do Largo 7 de Setembro e, 1, 5, 9, 11, 13, 15,
17, 19 e 19-A, da Rua da Liberdade e, que, pcstertcrmente .
atraves de novas leis, foram objeto de acordo da Admi nistracao
Muni cipal;
6. Lei n.c 831, de 05/08 /1905, autorizando 0 alargamento dos
passeios da Rua da Liberdade, entre 0 largo desse mesmo nome
e a Rua Sao Joaqutm:
7. Lei n.c 1058, de 17/ 12/ 1907, determinando a construcao de
passeres no trecho supra mencionado:
8. Lei n.c 1207, de 15/04 /1909 , autcrtzand o a venda de terren os na
Rua da Liberdade:
9. Lei n.o 1218, de 28/06 /1909, autcrizandc a vends do predio n.c.
20, da Rua da Llberdade:
10. Lei n.c 1650, de 03/03 /19 13, permutando terrenos e predios da
Rua Onze de Agosto n.cs. t e e 16, co m 0 terreno da Rua da
Liberdade, n.o.1.
71
Tambem as rUBS circunvi zinhas sao merecedoras da atencac do
poder pub lico municipa l. sendo que. a part ir de 1918. a cidade de
Sao Paulo , de modo garal . entra numa fase de formidavet desenvol-
vimenlo urbane. tcmando-se d iffeil dlzer onde termina ou ccmece a
zona suburbana, [a ocorrendo entao. a integracao entre varies bairros
exis tentes.
Na med ida em que S8 processou a urbani zecao. de lineou-se a teo-
cen cte de ccncennecees etntcas : slrios. [udeus. israetitas e, mats
recentemente. as c rtentats. ao norte do Distr ito da Liberdade.
De modo gera l, pode-se afirmar que 0 quadro urbane loca l eaquele
estruturado no inlcio deste seculo. do qua l sa destacaram algumas
erter tes de grande signific acao cullural e economica.
LARGO DA POLVORA
Alualmente. pod e-se d izer prat icamente que e centro da cidade,
dtstando menos de um qutlcmetro da Praca Joao Mendes. Entretanto ,
arnda no oitocent.smo era paragem long inqua tanto que foi 0 local
escolhido para a conetrocac da "case da Polvora". que acabou
tdentiticando a reg iao, chegando mesma a ser definida em vanes
escnturas como "bairro d a Pclvcra" ou "na Pclvora".
A case da Pctvc ra. construtda por Imperative de um afvara de 27 de
julho de 1754. representou um marco hist6rico na vida da c idade.
Construida pelo mestre de obras e carpintei ro, Jcac Pereira de Ma-
ga lhaes. que incompreenslv etmente a ergueu totatm ente de madei -
ra e coberta de tethas. no centro do pequeno bosque nas ce rcanias
da atuat Rua Amenco de Campos. integ rava 0 rot de bens patrimo-
niais da Fazenda Naclc nat.
Cobrava uma taxa de 160 reis de armazenagem para cada barr il de
pofvo ra al i eotracc, por cete rrranacao do Senado da CAmara.
Procederam-se nela sucesslvas retormas antes de seu deslocamento
para outro local .
Jaem 1812. seu ferro exig ia reparos urgentes , em razao do que toram
contrata dos os services de Jose Joaquim de Carvalho. para retorma-
10.
Em 1832. quando se abrtu a Rua Amencc de Campos. ccm unicando
a Rua da Liberdade com a Rua d a Gl6ria, foi determinada a remccac
da Casa da P61vora para local mats d istante, com 0 que 0 presidente
da Provincia. 0 Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, nao concordou.
Foi somente em 1872 que tel transterida para fora do rossio. no batrrc
da GI6ria e para predio proprio. onde acabou per desapa recer. Ja no
72
ano de 1873. nao mais ex ist ia a prtmttiva case de madeira, quando a
Provincia era governada perc Dr. JoAo Theodora Xavier, 0 tnlcteoor
das grandes transtcrmacoes que Sao Paulo atrevessarta del por
dtante.
Fai tao marcante a sua presence. que a RUB de Li be rdade chegou a
ser chamada de RUB da Pctvora. co mo se pede observer nos Livrcs
de Reg istros e Alas de CAmara Municipal.
Aberta a Rua America de Campos, bem 80 centro do largo de
P6lvora. constnnu-se 0 " Ed ific io Jehu", urn dos pnmetros predios de
apartamentos construidos em Sao Paulo e, possivetmente. 0 prime iro
do batrro.
Era seu propnetario. Joao Ribeiro de Barros. natural de Jabu. no
Estado de Sao Paulo. plonetrc da ev racac Inter-conttnentat. Sonhou
ere ligar a ttalta e 0 Brasi l pa lo ceu! Beanzou a recanna em reid e
transoceanico. cotocanoo 0 Bras il em terceiro lugar no mun do.
dent re os paises que realizaram essa proeza (48).
Era um tempo em que a avracao atnda se encontrava num estaqio de
ensalos e expenmen tacoes. de modo que 0 monoplane "J ahu" to!
comoraoo de um nobre portuques e aoap taoo a atravessia.
Possuia dois braces unidos em (mica asa e cot s motores de 550 HP,
equipado com 0 mats simples instrumenta