Liberdade
169 pág.

Liberdade


DisciplinaSociologia da Desigualdade Social27 materiais766 seguidores
Pré-visualização33 páginas
arruamento e rcteecees sam nenhuma previsAo urbanistica. pois 0
crescenta aumentc da poputacac da cidade estava Bexigir aestrutu-
racAo de novos bairres.
Entretanto. foi no secure atusl que sa definiu a forma de ccupecac da
cldade, quando se passou a construir de mane ira acelerada pelas
encostas das colinas e vales.
o bairro da liberdade, hoje uma ccnnnuacsc do centro; possu iu
multas chBcaras tradicionais. sendo que ainda, em 1860, 0 "Correio
Paulistano" estampava em suas colunas enenc tcs. como 0 seguinte :
"Vende-se uma chllcara com boa casa de sobrado, cons-
trulda toda de novo com pneres de tijo los, sit iada na Rua
de Tabatinguera..."
Por todo 0 Distrito Sui da sa havia belaa e grandes chBcaras, nas
36
quais havia plantacac de chAoe bosque s de jabut icabeiras. muitss
des qua is pertenceram 80S primeiros povoadores da cidade de SAo
Paulo. For do retalnamento des grandes propriedades locals que
result ou 0 balrro de Liberdade.
CHAcARA DA TABATINGUERA: De propriedade de Francisco de
Assis lorena. filho do Governador Bernardo Jos6 de lorena. erB
eno rme e possuta a sua frente a fonte de Santa Luzle.
Desinteg rando-se. no seu per lmetro totem ebertas 8S russ Consa-
Iheiro Furtado. Conde de Sarzedas e Santa Luzia (19).
Gravura datada de 1862 mostra-nos 0 que teria sido essa ch6cara:
vasta 'rea. co m ums casa simples. aca ipirada, co m telhado de largo
beiraJ e alpendre lateral. no centro de arvores trondcsas.
QUINTA DE FRANCISCO MACHADO: situava-se logo no principia da
Rua da Gr6ria e na sua lites toi traoada rUB que S8 denominaria "da
Fabrl ca" e que 0 Ato Municipal ne 976. de 24/8/1916 chamaria de
Rua Sinimbu. Foi ainda na sua Area que se traecu 0 largo de SAo
Paulo .
Essa grande propriedade pertenceu tambem a Radmaker e. a part ir
de 1824. aSanta Casa de Miseri c6rd ia de 840 Paulo, que construiu
no local um asilo de mend icidade. local q ue. atualmente. integra a
Rua da Gl6ria .
Esse asuo. na c escrrcac de Manoal Vitor de Azevedo . era " um velho
pard ieiro colon ial. teio. acachapado. de talpa e reboco inferior. de
cuja uenstormacac surg iu argum tempo d epots. como uma crisillida
d e luxo, °atual Extemato Sao Jose " (20).
CHAcARA STREIB: situava-se entre 0 Largo da Forca e 0 Largo da
Pclvora. a d ireita do Cam inho do Carro. bem pr6ximo a tonte do
Moringuinho. Quando esta chac are se desinteg rou, multce terrenos
pr6ximos aquela lonte foram da propriedade do BarAo Nicolino Barra
que. ainda em 1890. possula rico palacete A Rua da liberdade (21).
CHACARA DE CAETANO FERREIRA BAlTHAR situava-se entre as
ruas Americo de Campos e BarAo de Iguape . estendendo-se ate a
Rua da G16ria. Esteve na propried ade des herdeiros do Dr. Clemente
Falcao de Souza Filho.
Sua sede sftuava-se na Rua da Gl6ria, n.o 106. em cujo local. peste-
ncrmente, a Estado instalou a Grupo Escol ar da U berdade.
Caetano Ferreira Balmer. falecido em Minas Gera is em setembrc de
1870. era comerclante em Sao Paulo. estabelec ido com loja de
fazenda. " no p~dio terrec da Rua do RosArio. de pois Imperatri z e.
37
hoie 15 de Novembro, esquina do aeco da Cacnace. hoje princfpia
da RUB da Quitanda" (A. E. Martins - SAo Paulo Antigo - Vol. 2-
pag.25).
Segundo esse mesmo autor, fol esse antigo habitante da cidade urn
dos primeiros eropreeancs da construCAo da snUgs Praoa do Mer·
caoo, de RUB JaAoAlfredo. tendo sida tambem proprietArio de tetras
A RUB Santa Rosa. esquina da Ruado GazOmetro.
,
CHACARA DO SERTORIO: Consultada a escrltura pUblica de 14 de
sgesto de 1837. nas Notas do Primeiro TabeliAo da Capital. Jaio
Sert6rlo adqulrlu-a do Tenante Garcia Ferreira e sua mulher, palo
titulo n.e 21-A, casal esse que adquirira de Joaquim Goulart e sua
mulher. segundo as mesmas notas do Primeiro Tabellae. em 19 de
setembrc de 1831,nas quais faziam constar as vendedoresnaverem
comprado uma parte em 1834 do Alferes Ignllcio Jose Oezar e sua
mulher que, per sua vez. pessufram a parte que entio vendiam, per
heranca de seu pai e sogro, 0 Alferes Francisco Vicente da Silva e
compra de seu irmio Amaro Jacintho cerqoe tra.
Esclarecia, tambem, que a parte mais ao suI da cnacara. venderam a
AntonioXavier, parte havida de Dona Ange lica da suve e Castro que,
per sua vez. a obtivera como dote de seus pais.
Alem dessas partes, compunha ainda a propriedade uma outra per-
cia obnda per carta de data da CA.mara Municipal, em 1826.
o cerro. segundo Zenon Fleury Monteiro, e que Joao Sert6rio tel a
sucessor dessa propriedade, em toda a vertente oeste do C6rrego
Anhangabau. segundo termos de seu inventario. a chacara sltuava-
se entre as duasestradasque iam para Santo Amaro, Hmitando-se. no
fundo, com Manuel Joaquim dos Santos Boiadelro, propnetarlc da
Chacara Moreira, tambltm local izada entre as duas estradas.
Ap6s a morte de JoAoSert6rio, seu fttho. a Dr. Joao Sert6rio, vendeu a
propriedade a Dona Alexandrina de Moraes, que al fez bela cnecere-
de repouso, dizendoestar a mesma, situadaao lado da rua que vina a
se denominar Santo Amaro.
A nova proprietana, rnais tarde. vendeu uma parte da Chacara Sert6-
rio a Frederico Bayerlin, com frente para a Rua Vergueiro, no trecho
comum ao Caminho do Carro.
Com a morte de Dona Alexandrina, a chacara passou a propriedade
de seus trAs fllhos. em 1886: Jose Vieira de Moraes. Francisco Jose
Bastos e Emldia Augusta de Moraes Pedroso.
Com a divisllo da cnecere Sertcrlo, bern no entroncamento do balr rc
da Liberdade e Parafso, a lacalfoi arruado e construlda, Ugando-se,
assim, a Rua da Lfberdade aRua de Santo Amaro.
38
Foi nessa area q ue se abriram as ruas Pedro so, Maestro Card im.
Alfredo Ell is. Mart iniano de Carvalho. Artur Prado e Peratsc. centre
out ras (22), que t ransformaram 0 velho cenartc rural e mudaram 0
rotetrc e demarcacac das cbacaras e sitics ci rcunvtztnhos.
CHACARA MOREIRA: Em 1823. Jos e Anton io More ira. negoc iante de
cou ros. fez ern cart6rio urns [ustiticacao de bens. devidamenle tee-
temunhada, na qual este assente que ete comprare urns cbacera na
estrada de Sao Pau lo a Santo Am aro (23), cuja propriedade, em 1837
e 1841, passou porduas escrituras 80 bo iade iro Manuel Joaquim dos
Santos. sob a cencmrnacao de ChBcara Moreira.
Limitava-se ao norte co m a propr tedade de Joac Sert6rio e. 8 0 sui.
com as campos de Santo Amaro, ne Estrada do Carro.
Ap6s sua morte , a chacara co mecou a ser retalhada e. ja em 1877.
estava na propriedade de Olympia Gu imaraes Catta Prete. agora
co m 0 name de Chacara Bela Vista . estendendo-se ate a pequeno
trecho da Estrad a Vergueiro, co mum ao Caminho do Carro.
Para a sui. chegava as terras qu e constituiriam 0 futuro Largo da
Guanabara.
CHACARA DO BARAO DE UMEIRA: ate 0 ana de 1934. esteve na
propriedade de uma da s filhas e herdeira dos Bar6es de U meira.
gra nde exteneec de terra. que se estendia de sde a Avenida Briga-
deiro Luis Antonio ate a Praca Joao Mendes. Dona Paul ina de Souza
Quei roz restdta ali. legando a propriedade ao Estado para instala-
cac. no local. de uma escola para excepcionais. disposieao nio
cumprida pelo Poder Pub lico. Para homenaqea-Ia. fo i construido a
Viad uto Dona Paulina. Ugando a ci tada avemda. aberta per seus
ascendentes. a Praca Jolla Mendes.
CHACARA DO QUEBRA-BUNDA : Era como um prclonqamento do
Pelcur tnno. local em que a supllcic de escra vos era oficia li zado.
Grande parte de suas tetras foram desanexadas para possibilitar a
construcao da Estrad a Verguei ro, em 1834, cujo propnetano. nesse
mesmo ana. requeria a Cflmara Muni cipa l uma ccncessac de tetras
adjacentes. para alinhamenlo das terra e da chacara. as q uais sao
indicadas co mo senoc entre a "Estrada do Vergueiro e as vatcs da
Chacara do Quebra -Bunda, de prcpned ade de Demetrio da Costa
Nascimento.
Essa chacara eonfinava co m as lerras de propriedade do Tenente
Joaquim Rodr igues Card im e Padre GerOn imo Maximo Rodrigues
Cardim e Lourenco Ger6nimo Rod rigues caronn, alem de outros
irmaos.