PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL - DIREITO TRIBUTARIO - V EXAME DE ORDEM UNIFICADO (MANDATO DE SEGURANÇA)
3 pág.

PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL - DIREITO TRIBUTARIO - V EXAME DE ORDEM UNIFICADO (MANDATO DE SEGURANÇA)


DisciplinaDireito Tributário I20.457 materiais266.387 seguidores
Pré-visualização1 página
Exmo. Sr. Juiz de Direito da _ Vara _ da Comarca_ do Estado_
WYZ Ltda., pessoa jurídica de direito privado, contrato de constituição em anexo, inscrita na Junta comercial do Estado_ sob o nº_, CNPJ nº, com sede e domicílio no endereço_, vem, juntamente com seu advogado infra-assinado, com endereço para receber intimações_, com fulcro nos arts 282 e 283 do Código de Processo Civil, art. 151, IV do Código Tributário Nacional, art. 5º, LXIX, da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 e arts. 6º, 7º, 12 e 23 da Lei nº 12.016/2009, impetrar Mandado de Segurança com pedido liminar em face do Coordenador Municipal de Tributação, a autoridade coatora vinculada ao Município _, sendo este pessoa jurídica de direito público, pelos fatos a fundamentos a seguir expostos.
I \u2013 DOS FATOS
O estabelecimento da sociedade WYZ Ltda., foi interditado pela autoridade fazendária do Município_ por falta de pagamento de taxa de inspeção sanitária, fundamentado na Lei Municipal \u2013, e já efetuado o lançamento do crédito tributário. Haja vista o objeto social da sociedade \u2013 venda de gêneros alimentícios, se faz necessária a reversão do ato de interdição de forma célere, para que suas mercadorias não pereçam.
II - DA TEMPESTIVIDADE
O ato coator (interdição pela autoridade fazendária municipal) ocorreu na data _, portanto, dentro do limite de 120 dias previstos no art. 23 da Lei nº 12.016/2009.
III - DO DIREITO
Apesar de previsão na lei municipal para a interdição, já está consolidado o entendimento, através da Súmula nº 70 do STF, que não se pode interditar estabelecimento como meio coercitivo para cobrança de tributo. Tal medida viola o disposto no art. 170, parágrafo único, da CFRB/88, por ferir o princípio do livre exercício da atividade econômica.
A ilegalidade da atuação da autoridade fazendária também está demonstrada na medida em que viola o princípio da razoabilidade, pois cria um meio coercitivo legal para pagamento de tributos. Com essa figura instituída em lei, o devido processo legal é violado, uma vez que cria um modo de não se questionar, em sede judicial, o cabimento ou não da medida coercitiva. Isto é, a lei cria um mecanismo que coíbe o contribuinte ao pagamento do tributo, sem a necessidade do procedimento de execução fiscal, afrontando a formalidade de um devido processo legal, conforme preceitua o art. 5º, LIV, da CRFB/88.
IV- DO PEDIDO LIMINAR
Considerando o fumus boni iures e o periculum in mora, requer a ordenação de suspensão do ato coator (reversão da interdição do estabelecimento), conforme prevê o art. 7º, III, da Lei nº 12.016/2009. O perigo da demora (periculum in mora) na prestação jurisdicional comprometer a continuidade de seu negócio dada a perecibilidade de seu objeto de atividade (gêneros alimentícios). A plausibilidade do direito (fumus boni iures) se verifica pelos motivos já expostos no item anterior.
V \u2013 DA PROVA PRÉ-CONSTITUÍDA
Uma vez que o instituto do Mandado de Segurança não admite a dilação probatória, apresenta-se, anexo a esta peça, os documentos que comprovam a condição de possível sujeito passivo do tributo em tela, bem como cópia do decreto publicado pelo Estado A, conforme previsão no art. 283 do CPC.
VI- DOS PEDIDOS E REQUERIMENTOS
Ante o exposto, pugna-se:
a) Seja notificada a autoridade coatora, conforme art. 7º, I, da Lei nº 12.016/2009;
b) Seja dada ciência do feito ao órgão de representação judicial do Município_, conforme art. 7º, II, da Lei nº 12.016/2009;
c) Seja intimado o Ministério Público do Estado_, cuja manifestação é necessária, nos termos do art. 12 da Lei nº12.016/2009.
d) Seja deferida a medida liminar a fim de suspender a exigibilidade do crédito tributário, haja vista o fumus boni iures e o periculum in mora já demonstrados;
e) Ao final do procedimento, seja declarada a procedência do pedido, no sentido de conceder definitivamente a segurança pleiteada em liminar pelo impetrante;
f) Seja condenado o impetrado ao pagamento de custas processuais.
Dá-se à causa o valor de R$_.
Termos em que, pede e espera deferimento.
Local_, data_.
Advogado_ OAB nº _.
Mari
Mari fez um comentário
É mandado de segurança (que o juiz mande...). Apaga e posta de novo pelo amor rsrs... Mandato é uma autorização conferida por alguém para outro alguém por determinado período de tempo.
0 aprovações
Carregar mais