Psicomotricidade
32 pág.

Psicomotricidade


DisciplinaPsicomotricidade2.682 materiais10.292 seguidores
Pré-visualização9 páginas
fisiológica dos músculos que garante equilíbrio estático e dinâmico, coordenação e postura em qualquer posição adotada pelo corpo, esteja ele parado ou em movimento.
Equilíbrio: é a capacidade de manter\u2013se sobre uma base reduzida de sustentação do corpo utilizando uma combinação adequada de ações musculares, parado ou em movimento. O equilíbrio pode ser estático ou dinâmico, devemos entender que o equilíbrio está ligado a questões emocionais, afetivas e psicológicas. Alterações de humor como: ansiedade, insegurança, depressão e insatisfação influenciam no desenvolvimento e desempenho do equilíbrio geral.
Lateralidade: é a capacidade de vivenciar os movimentos utilizando-se, para isso, os dois lados do corpo, ora direito, ora esquerdo. Existem muitas divergências quanto a conceito de lateralidade.
\u201cO corpo está caracterizado pela presença de partes simétricas com funções funcionais assimétricas\u201d (ROSA NETO, 2002; FREITAS, 2009).
 
Classificação da lateralidade pela forma de utilização do corpo em movimento:
Dominância lateral/hemisférica: \u201cPreferência lateral na ação\u201d o individuo executa o movimento com maior habilidade utilizando um determinado lado do corpo, pode ser pelo o lado direito ou esquerdo do corpo, sensorial ou neurológica (olho, ouvido, mão, pé e hemisfério cerebral).
Lateralidade cruzada: é quando ocorre a discordância na dominância lateral, em pelo menos um dos órgãos/membros.
Lateralidade indefinida: Preferência lateral não definida, isto é, quando o individuo executa suas atividades diárias utilizando ambas as mãos ou ambos os pés sem definir preferência por nenhum dos lados.
Direcionalidade: é a percepção do espaço fora do corpo envolvendo o conhecimento das direções.
Lateralidade contrariada: indivíduos canhotos que foram obrigados a mudar o lado dominante.
 
5.2 Condutas Psicomotoras
Muitos autores dividem os elementos psicomotores também chamados de condutas em três grupos:
1. Condutas psicomotoras de base:
São as formas mais elementares de movimento que correspondem as necessidades vitais.
1) Respiração: ao iniciar qualquer trabalho corporal é importante realizar exercícios respiratorio, priorizando a respiração do diafragmatica pois melhora o equilibrio a concentração, a atenção, o diálogo tônico e diminui a ansiedade.
2) Relaxamento: é o fenomeno neuromuscular resultante da redução da tensão da musculatura esqueletica.O relaxamento está relacionado ao controle do tônus, uma hipertonia (excesso de tônus muscular), hipotonia (ausencia ou redução do tônus muscular), em qualquer movimento ou ação realizada pelo corpo a tonicidade está presente, por isso o controle tônus pelo relaxamento e contração é relevante ao desenvolvimento das capacidades psicomotoras.
3) Coordenação Motora Global;
4) Coordenação Motora Fina.
 
2. Condutas Psicomotoras Neuromotoras: São assim determinadas pois dependem da condição neurológica e do desenvolvimento motor do individuo.
1) Esquema Corporal;
2) Lateralidade.
3. Condutas Psicomotora Perceptomotoras: São assim determinadas pois dependem da compreensão e interpretação de estimulos, características dos seres, objetos e meio ambiente.
1) Ritmo;
2) Orientação Temporal;
3) Orientação Espacial.
 
6. Transtornos Psicomotores
São distúrbios manifestados no corpo sem nenhuma relação com alterações neurológicas ou orgânicas aparentes. Nestes transtornos o esquema e a imagem corporal bem, como o tônus muscular aparecem comprometidos, impedindo que a criança tenha domínio de seu próprio corpo. Assim, ela apresentará dificuldades nos elementos psicomotores podendo resultar em dificuldade de aprendizagem, leitura, escrita, fala e linguagem. Fazem parte dos transtornos psicomotores os transtornos de aprendizagem que se subdividem em transtornos da fala, transtorno da linguagem, transtorno da escrita e da leitura. Os principais transtornos psicomotores são: Instabilidade psicomotora \u2013 neste transtorno a criança não consegue começar e terminar a brincadeira e é assim com todas as suas produções corporais. Há uma dificuldade em inibir seus movimentos, provocando ações explosivas e agressivas. São crianças agitadas, ansiosas e inquietas, pois possuem uma grande necessidade de movimentar-se. Encaixam-se nos diagnósticos de hiperatividade, precisando, em alguns casos com perturbações severas no sono e na atenção, de medicamentos como anfetaminas e psicotônicos. As crianças com este transtorno podem ter uma grande tensão muscular e paratonias severas caracterizando uma instabilidade tensional. Ou serem hipotônicas, elásticas e bastante flexíveis, o que chamamos de estado de deiscência. Em ambos os casos, a causa do transtorno é a falta de limite, a ausência de corte simbólico. Inibição psicomotora \u2013 neste transtorno a criança não usa seu corpo para relacionar-se com o mundo ou com os outros. É o oposto da instabilidade, pois também há uma falta de limite, mas esta falta barra o agir da criança. Ela mostra-se então sempre cansada, demonstrando pouca expressão facial e corporal. Seu aspecto é de extrema fragilidade e debilidade e é nele que se reconhece e é reconhecida. São crianças \u201cquietinhas demais\u201d. Segundo Levin, \u201ca criança inibida, diferentemente da instável, possui outra estratégia para não se separar do Outro, ser o \u2018objeto bom\u2019 de seus pais, os quais usam expressar-se do seguinte modo: \u2018É como se não estivesse\u2019, \u2018Nem dá para ouvir\u2019, \u2018Não briga com ninguém\u2019, \u2018Passa inadvertidamente\u201d.
Debilidade - é caracterizada pela presença de paratonias e sincinesias. A paratonia é a persistência de uma rigidez muscular caracterizada por uma inadequada incontinência das reações tônicas. Pode aparecer nos quatro membros ou apenas em um dos. Há uma instabilidade na posição estática ou quando a criança caminha ou corre devido à rigidez. A sincinesia é caracterizada pela ação de músculos que não atuam em determinado movimento. Um exemplo desta situação é a criança fechar também a mão esquerda quando pega um objeto com a mão direita. Isto a impede de realizar atos coordenados e com ritmo devido a sua descontinuidade nos gestos e imprecisão dos movimentos. Podem aparecer ainda outros sintomas como tremores na língua, lábios, pálpebras e dedos quando estes são solicitados para a execução de um determinado movimento. A afetividade e a intelectualidade também podem estar comprometidas. A criança geralmente demonstra certa apatia e tem sonolência maior que as outras crianças. Mantém por muitos anos a enurese noturna, e, às vezes, a diurna, podendo apresentar também a encoprese (distúrbio de evacuação). A linguagem é atrasada e a atenção, prejudicada.
Dispraxia \u2013 dificuldade de associar movimentos para realizar uma tarefa. Há um transtorno espacial (dificuldade de lateralizar, de nomear objetos, espelhamento de letras, assimetria nos movimentos \u2013 todos estes aparecendo persistentemente). Há também um fracasso nos jogos. Há um desvio no desenvolvimento cognitivo no que diz respeito à distinção de aspectos figurativos, o que impede que a criança atinja a fase de operações concretas. Há uma perturbação do esquema corporal. Quando a dispraxia é no olhar, além das perturbações perceptivas, há dificuldades posturais e de equilíbrio.
 
6.1Transtornos da aprendizagem:
São obstáculos que apresentam algumas crianças na aquisição de aprendizagem especifica. Tais dificuldades podem se apresentar no nível de atenção, do pensamento, da palavra, da leitura, da escrita ou do cálculo. Podem ser subdividido em Transtorno da fala, transtorno da escrita e da leitura, transtorno da linguagem.
 
Dislexia: É um distúrbio na escrita e na leitura que pode ter vários sintomas e características peculiares, tendo como características básicas a leitura silabada e sem entendimento, troca e confusão de fonemas etc. Para alguns estudiosos os distúrbios descritos abaixo nada mais são que as varias formas de manifestação da dislexia.
 
Disgrafia: Falta de equilíbrio do tônus do braço e punho tornando a escrita cursiva mal desenhada ou incompleta. Erros ortográficos são comuns como