ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE ELEVADAS TEMPERATURAS EM REVESTIMENTO DE ARGAMASSA
2 pág.

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE ELEVADAS TEMPERATURAS EM REVESTIMENTO DE ARGAMASSA


DisciplinaArgamassa Armada5 materiais54 seguidores
Pré-visualização1 página
UNIVERSIDADE PARANAENSE \u2014 UNIPAR
RECONHECIDA PELA PORTARIA \u2013 MEC N.º 1580, 09/11/93 - D.O.U. 10/11/93
MANTENEDORA: ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE ENSINO E CULTURA \u2013 APEC
UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE GUAÍRA
ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE ELEVADAS TEMPERATURAS EM REVESTIMENTO DE ARGAMASSA. 
Discentes: Gabriel Stinghen, Jefferson Kraemer, Diogo Nandi.
Docente: Vanda Zago Lupepsa.
Docente: Unipar \u2013 Universidade Paranaense \u2013 Polo de Guaíra/PR. 
Introdução: Perante aos problemas causadores de danos nas estruturas, os incêndios se sobressaem pelo grande poder de destruição. Os mesmos podem estar relacionados à falta de manutenção ou a degradação de edifícios: Nos últimos anos os cientistas estão desempenhando variados trabalhos nessa área, mas até agora poucas soluções estão sendo encontradas.
Objetivo: Estudar um método de combate a danos causados à argamassa quando exposta a alta temperatura.
Desenvolvimento: A utilização de uma argamassa sobre um substrato muda totalmente seu comportamento, principalmente sob a ação de altas temperaturas, tendo, por exemplo, as formações de tensões diferenciadas entre o revestimento e o substrato que apresenta um coeficiente de dilatação menor que ao da argamassa. Assim sendo, precisamos inteirar-se das características e distinguir o comportamento do revestimento frente às altas temperaturas. Quanto aos efeitos térmicos, cada material apresenta uma transmutação dimensional quando há uma variação de temperatura. Devido ao revestimento da argamassa ser de pasta de aglomerante e agregado miúdo, e ambos apresentarem coeficientes de dilatação térmicos diferentes, a variação dimensional por dilatação ou contração demonstra alterações físicas, com uma variação de temperatura iremos perceber o aumento da porosidade, diminuição da densidade, a desidratação, maiores vazios, e com um aumento progressivo da temperatura, brechas de dilatação térmicas se abrem e se propagam facilmente, ocasionando tensões causadoras de deformação e o aparecimento de fissuras.
Conclusão: Constata-se que conhecendo os coeficientes de dilatação dos materiais, será possível estabelecer dosagens de argamassas onde o coeficiente da mesma esteja o mais compatível possível ao do substrato a ser revestido, a fim de evitar grandes diferenças de comportamento decorrentes da dilatação pelo aumento da temperatura, contribuindo na prevenção de possíveis problemas.
Referências:
ESQUIVEL, JUAN. Avaliação da influência do choque térmico na aderência dos revestimentos de argamassa. São Paulo, Brasil \u2013 2009. 262 p.
SCHAEFER, MAURÍCIO. Análise da influência de elevadas temperaturas em revestimento de argamassa. São Leopoldo, Brasil \u2013 2015. 137 p.
TAVEIRA, MÁRCIA. Patologia em revestimento cerâmico de fachada. Estado de Minas Gerais, Brasil \u2013 2008. 81 p.