milho e soja
20 pág.

milho e soja


DisciplinaAdministração101.216 materiais759.358 seguidores
Pré-visualização4 páginas
rural e, ter conhecimento dos fatores externos e internos (preços dos produtos, disponibilidade e eficiência de mão de obra na região, existência de mercado para o produto e o clima). A partir de culturas como café, soja, cana-de-açúcar, houve a construção da economia. Com isso, as espécies agrícolas passaram a atender não apenas o mercado interno nacional, mas também mercado externo, o que fez com que impulsionasse ainda mais a economia do país.
PASSO 4 
A Tecnologia da Informação pode agregar valor ao mercado agrícola criando soluções inteligentes para gerar eficácia e melhoria dos processos internos, assertividade no controle da produção e agilidade na comercialização; além de evitar desperdício de recursos naturais, como por exemplo, o gerenciamento da irrigação no plantio, por meio de dispositivos que monitoram o volume de água.
Atualmente, com um mundo de transição, deixamos de ser uma sociedade puramente industrial para nos transformarmos na sociedade da informática e da informação, que tem sido apontada como a principal fonte de poder. Sendo assim, as empresas também estão passando por um período de mudanças e reestruturação; buscando sempre se informar para atender os anseios desta nova sociedade. Engana-se quem pensa que esta revolução limita-se apenas aos centros urbanos; o meio rural está cada dia mais inserido nesta nova realidade global. Prova disto, são os novos softwares desenvolvidos para a gestão do agronegócio.
Apesar da informatização estar chegando ao campo, pesquisas comprovam que a idade do produtor rural está aumentando, pois os filhos dos produtores já não demonstram mais interesse pelo agronegócio. Porém, ao contrário do que possa parecer, a informatização do meio rural não tem nada de complicada nem complexa. As novas tecnologias de informação tem se aperfeiçoado de maneira a garantir ao produtor rural cada vez mais facilidades para a lida diária.
A maneira mais eficaz de controlar as movimentações do campo é através de um software para o controle da agropecuária. É o que afirma Ramon Garcia de Freitas, 80 anos, que usa o software Procreare. Segundo ele, mesmo com menos de dois meses de uso, ele pôde perceber que a utilização do software é simplificada.
A modernização da gestão do agronegócio é imprescindível, uma vez que segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o campo está produzindo itens cada vez mais sofisticados e aumentando suas exportações em até 55% em alguns setores no ano de 2007. Torna-se, então, completamente inviável consolidar tamanhas mudanças no setor sem a implementação de um sistema eficiente e eficaz de gestão do agronegócio.
Também é inconcebível o controle do negócio por meio das antigas fichas de papel, além da dificuldade para manejar inúmeras pilhas e gavetas de arquivos, elas saem muito mais caras do que o controle feito por um software. Suponhamos um rebanho de 800 cabeças; calculando a cópia em um papel mais resistente por R$ 0,25, no final o gasto será de R$400,00; isto sem contar com a reposição das fichas. Já o pacote 1 com vídeo-curso da Procreare Software para Controle da Agropecuária, custa apenas R$392,00. Por possuir um sistema intuitivo o próprio produtor poderá gerir seu negócio sem precisar de um técnico, e ele terá em mãos em segundos toda a informação que precisa para o completo gerenciamento do negócio: Listagem, Filtros Avançados, Animais Vacinados, Animais a Parir, Análise de Pesagens, e muito mais.
 
PASSO 5
Com as informações financeiras tem-se a projetação de uma Demonstração do Resultado (por saca) para cada cultura (soja e milho), considerando para isto além dos custos de insumos e das máquinas, o custo estimado de R$ 65,00 por saca, para a soja, e R$ 26,00 por saca, para o milho, referente a mão de obra direta. 
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO POR SACA
SOJA 
Preço da Soja em 25/08/2017 \u2013 R$ 59,00 (100%)
Custo com insumos por hectare por saca \u2013 R$ 22,70 (38,47%)
Custo mão de obra direta por saca \u2013 R$ 12,60 (21,35%)
Custo operações com máquinas \u2013 R$ 1,70 (2,88%)
Total custos \u2013 R$ 37,00 (62,7%)
Total líquido \u2013 R$ 22,00 (37,3%)
MILHO 
Preço do milho em 25/08/2017 \u2013 R$ 22,00 (100%)
Custo com insumos por hectare por saca \u2013 R$ 10,26 (46,6%)
Custo mão de obra direta por saca \u2013 R$ 6,30 (28,6%)
Custo operações com máquinas \u2013 R$ 0,60 (2,70%)
Total custos \u2013 R$ 17,16 (78%)
DEMONSTRATIVO DE RESULTADO
	CONTAS 
	SOJA
	MILHO
	(=) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA
	59,00
	22,00
	 Custo das Mercadorias
	22,70
	10,26
	 Custo dos Serviços
	14,30
	6,90
	(=) RESULTADO OPERACIONAL BRUTO
	37,00
	17,16
	(=) Resultado Líquido do Exercício
	22,00
	4,84
DEMONSTRATIVO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO
ÁREA TOTAL \u2013 4.500 (hectares)
SOJA \u2013 R$ 59,00/saca dia 25/08/2017 
55 sacas/hectare
247.500 sacas (área total)
R$ 14.602.500 (total bruto)
MILHO \u2013 R$ 22,00/saca dia 25/08/2017
110 sacas/hectare
495.000 sacas (área total)
R$ 10.890.000,00 (total bruto)
DEMONSTRATIVO DE RESULTADO
Safra / 2017
	CONTAS 
	SOJA
	MILHO
	RECEITA OPERACIONAL BRUTA
	14.602.500,00
	10.890.000,00
	(-) DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA
	
	
	 Impostos e Contribuições Incidentes sobre Vendas
	1.460.250,00
	1.089.000,00
	(=) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA
	
13.142.250,00
	9.801.000,00
	 Custo das Mercadorias
	5.618.250,00
	5.078.700,00
	 Custo dos Serviços
	3.539.250,00
	3.415.500,00
	(=) RESULTADO OPERACIONAL BRUTO
	3.984.750,00
	1.306.800,00
	(-) DESPESAS OPERACIONAIS
	
	
	 Despesas Comerciais
	231.000,00
	231.000,00
	 Despesas Administrativas
	456.000,00
	456.000,00
	(-) DESPESAS FINANCEIRAS LÍQUIDAS
	
	
	(-) Despesas Financeiras
	387.000,00
	387.000,00
	(=) Resultado Líquido do Exercício
	2.910.750,00
	232.800,00
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Uma conclusão especialmente importante foi a conscientização de que um projeto de ensino de administração rural não pode ter seu campo de ação restrito apenas ao seu cliente-proprietário, ou seja, o executivo rural. É necessário, também, atuar junto àqueles que tenham possibilidades de alterar os fatores externos, e até mesmo algumas variáveis psicossociais. Desta forma, programas de treinamento, tidos como orientados exclusivamente para o executivo rural, deveriam também incluir técnicos governamentais, professores, estudantes, pequenos proprietários etc. 
O perfil ideal do administrador rural é aqui definido como um conjunto de técnicas, conhecimentos e funções essenciais para o bom desempenho do gerente de uma empresa de produção agropecuária. Os itens do perfil foram classificados em termos de disciplina ou áreas de estudo, podendo compor um currículo escolar. Tentou-se assim definir núcleos qualitativamente significativos, que servissem como parâmetros na formulação e na avaliação do currículo básico, composto por programas posteriormente elaborados por consultores especializados.
A análise dos dados coletados demonstrou a necessidade de uma visão sistêmica do problema da administração rural. Se, de um lado, há a unidade de produção agropecuária, vista como sistema sócio técnico de referência e no qual o empresário pode intervir diretamente (os fatores internos), de outro existe o ambiente socioeconômico e político, no qual a unidade de produção atua, com o qual interage e do qual depende (os fatores externos). Ao nível dos fatores externos o administrador rural tem poucas possibilidades de atuação direta. No entanto, a compreensão do ambiente onde atua é de grande importância para o sucesso de sua empresa. 
Em face desta concepção de administração da empresa rural é que se incluiu no perfil ideal do administrador rural não só disciplinas funcionais, tais como administração da produção, comercialização, planejamento e outras, mas também áreas de estudos tais como direito, sociologia e psicologia organizacional, na tentativa de fornecer uma visão mais completa da realidade onde atuarão. Convém notar que todas as segmentações referidas são, evidentemente, elementos