Quadro Comparativo NCPC
181 pág.

Quadro Comparativo NCPC


DisciplinaDireito Processual Civil I39.700 materiais715.258 seguidores
Pré-visualização50 páginas
e 
à Advocacia Pública o disposto no § 1º do art. 246. 
Art. 238. Não dispondo a lei de outro modo, as intimações serão 
feitas às partes, aos seus representantes legais e aos advogados 
pelo correio ou, se presentes em cartório, diretamente pelo 
escrivão ou chefe de secretaria. 
Art. 274. Não dispondo a lei de outro modo, as intimações serão feitas 
às partes, aos seus representantes legais, aos advogados e aos demais 
sujeitos do processo pelo correio ou, se presentes em cartório, 
diretamente pelo escrivão ou chefe de secretaria. 
Parágrafo único. Presumem-se válidas as comunicações e 
intimações dirigidas ao endereço residencial ou profissional 
declinado na inicial, contestação ou embargos, cumprindo às 
partes atualizar o respectivo endereço sempre que houver 
modificação temporária ou definitiva. 
Parágrafo único. Presumem-se válidas as intimações dirigidas ao 
endereço constante dos autos, ainda que não recebidas pessoalmente 
pelo interessado, se a modificação temporária ou definitiva não tiver 
sido devidamente comunicada ao juízo, fluindo os prazos a partir da 
juntada aos autos do comprovante de entrega da correspondência no 
primitivo endereço. 
Art. 239. Far-se-á a intimação por meio de oficial de justiça 
quando frustrada a realização pelo correio. 
Art. 275. A intimação será feita por oficial de justiça quando frustrada a 
realização por meio eletrônico ou pelo correio. 
Parágrafo único. A certidão de intimação deve conter: § 1º A certidão de intimação deve conter: 
I \u2013 a indicação do lugar e a descrição da pessoa intimada, 
mencionando, quando possível, o número de sua carteira de 
identidade e o órgão que a expediu; 
I \u2013 a indicação do lugar e a descrição da pessoa intimada, mencionando, 
quando possível, o número de seu documento de identidade e o órgão 
que o expediu; 
II \u2013 a declaração de entrega da contrafé; II \u2013 a declaração de entrega da contrafé; 
Quadro comparativo elaborado pela grupo de pesquisa do Prof. José Miguel Garcia Medina. É permitida a 
distribuição ou reprodução, total ou parcial, do presente trabalho, desde que a título gratuito e citada a fonte, 
sendo vedada sua comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações 
colhidas nas versões dos projetos disponíveis no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 
13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões poderão ser enviadas 
para novocpc@medina.adv.br. 
 
CPC/1973 CPC/2015 
III \u2013 a nota de ciente ou certidão de que o interessado não a 
apôs no mandado. 
III \u2013 a nota de ciente ou a certidão de que o interessado não a apôs no 
mandado. 
 § 2º Caso necessário, a intimação poderá ser efetuada com hora certa 
ou por edital. 
Art. 240. Salvo disposição em contrário, os prazos para as 
partes, para a Fazenda Pública e para o Ministério Público 
contar-se-ão da intimação. 
Art. 230. O prazo para a parte, o procurador, a Advocacia Pública, a 
Defensoria Pública e o Ministério Público será contado da citação, da 
intimação ou da notificação. 
Parágrafo único. As intimações consideram-se realizadas no 
primeiro dia útil seguinte, se tiverem ocorrido em dia em que 
não tenha havido expediente forense. 
[V. arts. 216 e 224, § 2.º, relacionados] 
Art. 241. Começa a correr o prazo: Art. 231. Salvo disposição em sentido diverso, considera-se dia do 
começo do prazo: 
I \u2013 quando a citação ou intimação for pelo correio, da data de 
juntada aos autos do aviso de recebimento; 
I \u2013 a data de juntada aos autos do aviso de recebimento, quando a 
citação ou a intimação for pelo correio; 
II \u2013 quando a citação ou intimação for por oficial de justiça, da 
data de juntada aos autos do mandado cumprido; 
II \u2013 a data de juntada aos autos do mandado cumprido, quando a citação 
ou a intimação for por oficial de justiça; 
 III \u2013 a data de ocorrência da citação ou da intimação, quando ela se der 
por ato do escrivão ou do chefe de secretaria; 
III \u2013 quando houver vários réus, da data de juntada aos autos 
do último aviso de recebimento ou mandado citatório 
cumprido; 
§ 1º Quando houver mais de um réu, o dia do começo do prazo para 
contestar corresponderá à última das datas a que se referem os incisos 
I a VI do caput. 
IV \u2013 quando o ato se realizar em cumprimento de carta de 
ordem, precatória ou rogatória, da data de sua juntada aos 
autos devidamente cumprida; 
VI \u2013 a data de juntada do comunicado de que trata o art. 232 ou, não 
havendo esse, a data de juntada da carta aos autos de origem 
devidamente cumprida, 
V \u2013 quando a citação for por edital, finda a dilação assinada pelo 
juiz. 
IV \u2013 o dia útil seguinte ao fim da dilação assinada pelo juiz, quando a 
citação ou a intimação for por edital; 
 V \u2013 o dia útil seguinte à consulta ao teor da citação ou da intimação ou 
ao término do prazo para que a consulta se dê, quando a citação ou a 
intimação for eletrônica; 
 VII \u2013 a data de publicação, quando a intimação se der pelo Diário da 
Justiça impresso ou eletrônico; 
 VIII \u2013 o dia da carga, quando a intimação se der por meio da retirada dos 
autos, em carga, do cartório ou da secretaria. 
 § 2º Havendo mais de um intimado, o prazo para cada um é contado 
individualmente. 
 § 3º Quando o ato tiver de ser praticado diretamente pela parte ou por 
quem, de qualquer forma, participe do processo, sem a intermediação 
de representante judicial, o dia do começo do prazo para cumprimento 
da determinação judicial corresponderá à data em que se der a 
comunicação. 
 § 4º Aplica-se o disposto no inciso II do caput à citação com hora certa. 
[V. art. 232, relacionado] 
Art. 242. O prazo para a interposição de recurso conta-se da 
data, em que os advogados são intimados da decisão, da 
sentença ou do acórdão. 
Art. 1.003. O prazo para interposição de recurso conta-se da data em 
que os advogados, a sociedade de advogados, a Advocacia Pública, a 
Defensoria Pública ou o Ministério Público são intimados da decisão. 
§ 1o Reputam-se intimados na audiência, quando nesta é 
publicada a decisão ou a sentença. 
§ 1º Os sujeitos previstos no caput considerar-se-ão intimados em 
audiência quando nesta for proferida a decisão. 
[V. art. 1.003, §§ 2.º e 3.º, relacionados] 
§ 2o Havendo antecipação da audiência, o juiz, de ofício ou a 
requerimento da parte, mandará intimar pessoalmente os 
advogados para ciência da nova designação 
 
CAPÍTULO V 
DAS NULIDADES 
 
Art. 243. Quando a lei prescrever determinada forma, sob pena 
de nulidade, a decretação desta não pode ser requerida pela 
parte que Ihe deu causa. 
Art. 276. Quando a lei prescrever determinada forma sob pena de 
nulidade, a decretação desta não pode ser requerida pela parte que lhe 
deu causa. 
Art. 244. Quando a lei prescrever determinada forma, sem 
cominação de nulidade, o juiz considerará válido o ato se, 
realizado de outro modo, Ihe alcançar a finalidade. 
Art. 277. Quando a lei prescrever determinada forma, o juiz considerará 
válido o ato se, realizado de outro modo, lhe alcançar a finalidade. 
Art. 245. A nulidade dos atos deve ser alegada na primeira 
oportunidade em que couber à parte falar nos autos, sob pena 
de preclusão. 
Art. 278. A nulidade dos atos deve ser alegada na primeira oportunidade 
em que couber à parte falar nos autos, sob pena de preclusão. 
Parágrafo único. Não se aplica esta disposição às nulidades que 
o juiz deva decretar de ofício, nem prevalece a preclusão, 
provando a parte legítimo impedimento. 
Parágrafo único. Não se aplica o disposto no caput às nulidades que o 
juiz deva decretar de ofício, nem prevalece a preclusão provando a parte 
legítimo impedimento. 
Quadro comparativo elaborado pela grupo de pesquisa do Prof. José Miguel Garcia Medina. É permitida a 
distribuição ou reprodução, total ou parcial, do presente