Quadro Comparativo NCPC
181 pág.

Quadro Comparativo NCPC


DisciplinaDireito Processual Civil I39.868 materiais716.570 seguidores
Pré-visualização50 páginas
prova por 
escrito, emanado da parte contra a qual se pretende produzir a prova. 
I \u2013 houver começo de prova por escrito, reputando-se tal o 
documento emanado da parte contra quem se pretende utilizar 
o documento como prova; 
 
II \u2013 o credor não pode ou não podia, moral ou materialmente, 
obter a prova escrita da obrigação, em casos como o de 
parentesco, depósito necessário ou hospedagem em hotel. 
Art. 445. Também se admite a prova testemunhal quando o credor não 
pode ou não podia, moral ou materialmente, obter a prova escrita da 
obrigação, em casos como o de parentesco, de depósito necessário ou 
Quadro comparativo elaborado pela grupo de pesquisa do Prof. José Miguel Garcia Medina. É permitida a 
distribuição ou reprodução, total ou parcial, do presente trabalho, desde que a título gratuito e citada a fonte, 
sendo vedada sua comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações 
colhidas nas versões dos projetos disponíveis no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 
13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões poderão ser enviadas 
para novocpc@medina.adv.br. 
 
CPC/1973 CPC/2015 
de hospedagem em hotel ou em razão das práticas comerciais do local 
onde contraída a obrigação 
Art. 403. As normas estabelecidas nos dois artigos 
antecedentes aplicam-se ao pagamento e à remissão da dívida. 
 
Art. 404. É lícito à parte inocente provar com testemunhas: Art. 446. É lícito à parte provar com testemunhas: 
I \u2013 nos contratos simulados, a divergência entre a vontade real 
e a vontade declarada; 
I \u2013 nos contratos simulados, a divergência entre a vontade real e a 
vontade declarada; 
II \u2013 nos contratos em geral, os vícios do consentimento. II \u2013 nos contratos em geral, os vícios de consentimento. 
Art. 405. Podem depor como testemunhas todas as pessoas, 
exceto as incapazes, impedidas ou suspeitas. 
Art. 447. Podem depor como testemunhas todas as pessoas, exceto as 
incapazes, impedidas ou suspeitas. 
§ 1º São incapazes: § 1º São incapazes: 
I \u2013 o interdito por demência; I \u2013 o interdito por enfermidade ou deficiência mental; 
II \u2013 o que, acometido por enfermidade, ou debilidade mental, 
ao tempo em que ocorreram os fatos, não podia discerni-los; 
ou, ao tempo em que deve depor, não está habilitado a 
transmitir as percepções; 
II \u2013 o que, acometido por enfermidade ou retardamento mental, ao 
tempo em que ocorreram os fatos, não podia discerni-los, ou, ao tempo 
em que deve depor, não está habilitado a transmitir as percepções; 
III \u2013 o menor de 16 (dezesseis) anos; III \u2013 o que tiver menos de 16 (dezesseis) anos; 
IV \u2013 o cego e o surdo, quando a ciência do fato depender dos 
sentidos que Ihes faltam. 
IV \u2013 o cego e o surdo, quando a ciência do fato depender dos sentidos 
que lhes faltam. 
§ 2º São impedidos: § 2º São impedidos: 
I \u2013 o cônjuge, bem como o ascendente e o descendente em 
qualquer grau, ou colateral, até o terceiro grau, de alguma das 
partes, por 58consanguinidade58e ou afinidade, salvo se o 
exigir o interesse público, ou, tratando-se de causa relativa ao 
estado da pessoa, não se puder obter de outro modo a prova, 
que o juiz repute necessária ao julgamento do mérito; 
I \u2013 o cônjuge, o companheiro, o ascendente e o descendente em 
qualquer grau e o colateral, até o terceiro grau, de alguma das partes, 
por consanguinidade ou afinidade, salvo se o exigir o interesse público 
ou, tratando-se de causa relativa ao estado da pessoa, não se puder 
obter de outro modo a prova que o juiz repute necessária ao julgamento 
do mérito; 
II \u2013 o que é parte na causa; II \u2013 o que é parte na causa; 
III \u2013 o que intervém em nome de uma parte, como o tutor na 
causa do menor, o representante legal da pessoa jurídica, o juiz, 
o advogado e outros, que assistam ou tenham assistido as 
partes. 
III \u2013 o que intervém em nome de uma parte, como o tutor, o 
representante legal da pessoa jurídica, o juiz, o advogado e outros que 
assistam ou tenham assistido as partes. 
§ 3º São suspeitos: § 3º São suspeitos: 
I \u2013 o condenado por crime de falso testemunho, havendo 
transitado em julgado a sentença; 
 
II \u2013 o que, por seus costumes, não for digno de fé; 
III \u2013 o inimigo capital da parte, ou o seu amigo íntimo; I \u2013 o inimigo da parte ou o seu amigo íntimo; 
IV \u2013 o que tiver interesse no litígio. II \u2013 o que tiver interesse no litígio. 
§ 4º Sendo estritamente necessário, o juiz ouvirá testemunhas 
impedidas ou suspeitas; mas os seus depoimentos serão 
prestados independentemente de compromisso (art. 415) e o 
juiz Ihes atribuirá o valor que possam merecer. 
§ 4º Sendo necessário, pode o juiz admitir o depoimento das 
testemunhas menores, impedidas ou suspeitas. § 5º Os depoimentos 
referidos no § 4º serão prestados independentemente de compromisso, 
e o juiz lhes atribuirá o valor que possam merecer. 
Art. 406. A testemunha não é obrigada a depor de fatos: Art. 448. A testemunha não é obrigada a depor sobre fatos: 
I \u2013 que Ihe acarretem grave dano, bem como ao seu cônjuge e 
aos seus parentes consanguíneos ou afins, em linha reta, ou na 
colateral em segundo grau; 
I \u2013 que lhe acarretem grave dano, bem como ao seu cônjuge ou 
companheiro e aos seus parentes consanguíneos ou afins, em linha reta 
ou colateral, até o terceiro grau; 
II \u2013 a cujo respeito, por estado ou profissão, deva guardar sigilo. II \u2013 a cujo respeito, por estado ou profissão, deva guardar sigilo. 
Subseção II 
Da Produção da Prova Testemunhal 
Subseção II 
Da Produção da Prova Testemunhal 
Art. 407. Incumbe às partes, no prazo que o juiz fixará ao 
designar a data da audiência, depositar em cartório o rol de 
testemunhas, precisando-lhes o nome, profissão, residência e 
o local de trabalho; omitindo-se o juiz, o rol será apresentado 
até 10 (dez) dias antes da audiência. 
Art. 450. O rol de testemunhas conterá, sempre que possível, o nome, a 
profissão, o estado civil, a idade, o número de inscrição no Cadastro de 
Pessoas Físicas, o número de registro de identidade e o endereço 
completo da residência e do local de trabalho. 
Parágrafo único. É lícito a cada parte oferecer, no máximo, dez 
testemunhas; quando qualquer das partes oferecer mais de 
três testemunhas para a prova de cada fato, o juiz poderá 
dispensar as restantes. 
Art. 357. 
§ 6º O número de testemunhas arroladas não pode ser superior a 10 
(dez), sendo 3 (três), no máximo, para a prova de cada fato. 
 
Art. 408. Depois de apresentado o rol, de que trata o artigo 
antecedente, a parte só pode substituir a testemunha: 
Art. 451. Depois de apresentado o rol de que tratam os §§ 4º e 5º do art. 
357, a parte só pode substituir a testemunha: 
I \u2013 que falecer; I \u2013 que falecer; 
II \u2013 que, por enfermidade, não estiver em condições de depor; II \u2013 que, por enfermidade, não estiver em condições de depor; 
III \u2013 que, tendo mudado de residência, não for encontrada pelo 
oficial de justiça. 
III \u2013 que, tendo mudado de residência ou de local de trabalho, não for 
encontrada. 
Art. 409. Quando for arrolado como testemunha o juiz da 
causa, este: 
Art. 452. Quando for arrolado como testemunha, o juiz da causa: 
Quadro comparativo elaborado pela grupo de pesquisa do Prof. José Miguel Garcia Medina. É permitida a 
distribuição ou reprodução, total ou parcial, do presente trabalho, desde que a título gratuito e citada a fonte, 
sendo vedada sua comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações 
colhidas nas versões dos projetos disponíveis no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 
13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões poderão ser enviadas 
para novocpc@medina.adv.br. 
 
CPC/1973 CPC/2015 
I \u2013 declarar-se-á impedido, se tiver conhecimento de fatos, que 
possam influir na decisão; caso em que será defeso