Comunicação Apostila
18 pág.

Comunicação Apostila


DisciplinaAnálise de Sistemas1.362 materiais9.503 seguidores
Pré-visualização5 páginas
exemplo. E as palavras, que podem variar dependendo inclusive da cultura local, 
como, por exemplo, mandioca, aipim e macaxeira, que significam a mesma coisa.
\u2022	 Variação	 diastrática	 \u2013 Esta variação é percebida entre diferentes grupos culturais 
ou sociais. Um exemplo dessa variação muito comum é a expressão \u201ca gente vai\u201d, que, 
olhando com os olhos da norma culta, é totalmente equivocada, mas, linguisticamente 
falando, não. Lembrando que esse tipo de variação é visto de forma preconceituosa, pois, 
em geral, são as pessoas de baixa escolaridade que a reproduzem.
\u2022	 	Variação	diafástica	 \u2013 Esta variação se percebe de acordo com o contexto em que 
se está inserido. Já comentamos que comunicar-se bem é adaptar a linguagem ao 
contexto. Se você se utilizar de um vocabulário rebuscado na conversa com uma criança, 
a probabilidade maior é que você não seja compreendido.
16 Laureate- International Universities
Comunicação
Marcos Bagno, em sua obra Preconceito linguístico (2002), discute a ruptura do cir-
cuito vicioso do preconceito linguístico, afirmando que a norma culta é reservada, por 
questões de ordem política, econômicas, sociais e culturais, a poucas pessoas no Bra-
sil. Cabe à escola incentivar o uso adequado da língua, valorizando as variações dos 
alunos desde o início de sua formação.
NÃO DEIXE DE LER...
Assim, se você participa do tão esperado congresso de medicina, não espere que as pessoas 
traduzam seus jargões para você. Se você se insere em um determinado contexto, deve obedecer 
à linguagem daquele contexto da mesma forma que obedecemos ao código de vestimenta da 
empresa que vamos visitar.
17
SínteseSíntese
Neste capítulo,
\u2022	 falamos sobre a importância de uma comunicação e a relevância de se compreender o 
processo comunicativo;
\u2022	 abordamos a oralidade e a escrita e conhecemos as características que as distanciam e 
aproximam e sua funcionalidade em diferentes contextos;
\u2022	 descrevemos a intenção comunicativa e os modos de garantir a interação entre os 
interlocutores; 
\u2022	 e, finalmente, passamos pela norma culta e as variações linguísticas. Também abordamos 
o preconceito linguístico e o uso da linguagem em distintos contextos. 
SínteseSíntese
18 Laureate- International Universities
ReferênciasReferências
BANDEIRA, M. Belo	Belo	e	outros	poemas. São Paulo: José Olympio, 2008.
FISKE, J. Introduction	to	communication	studies. 2. ed. Lisboa: Asa, 1995.
FREIXO, M. J. V.	Teorias	e	modelos	de	comunicação. Lisboa: Instituto Piaget, 2006. (Cole-
ção Epistemologia e Sociedade).
KOFMAN, F. Metamanagement: a nova consciência dos negócios. São Paulo: Antakarana, 
2002.
MARCONDES FILHO, C. Para	entender	a	comunicação: contatos antecipados com a nova 
teoria. São Paulo: Paulus, 2008.
MARCUSCHI, L. A. Da	fala	para	a	escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 
2010.
MASSON, P. Titanic: a história completa. São Paulo: Contexto, 2011.
MENDES, E.; JUNQUEIRA, L. A. C. Comunicação	 sem	medo. São Paulo: Editora Gente, 
1999.
MENEZES, E. D. B. Fundamentos	sociológicos	da	comunicação. In: SÁ, A. (Coord.). Fun-
damentos científicos da comunicação. Petrópolis: Vozes, 1973.
PEASE, A.; PEASE, B. Desvendando	os	segredos	da	linguagem	corporal. Rio de Janeiro: 
Sextante, 2005.
Pequenas Empresas Grandes Negócios (2014). Disponível em: http://revistapegn.globo.com/
Noticias/noticia/2014/01/5-passos-para-ter-uma-comunicacao-nao-verbal-eficiente.html. 
Acesso em: 10 jun. 2015.
RABAÇA, C. A.; BARBOSA, G. Dicionário	de	comunicação. Rio de Janeiro: Codecri, 1978.
SERAFINI, M. T. Como	escrever	textos. 5. ed. São Paulo: Globo, 1992.
STAMATEAS, Bernardo. Gente tóxica: como lidar com pessoas difíceis. São Paulo, Thomas Nel-
son Brasil, 2012.
TERCIOTTI, S. H.; MACARENCO, I. Comunicação	 empresarial	 na	 prática. São Paulo: 
Editora Saraiva, 2010.
TOFFLER, A. A	riqueza	revolucionária. São Paulo: Futura, 2007.
WITTGENSTEIN, L. Tractatus	logico-philosophicus. São Paulo: Companhia Editora Nacio-
nal, 1968.
WOLF, M. Teorias	da	comunicação. Lisboa: Editorial Presença, 2003.
Bibliográficas