Caso concretop5
2 pág.

Caso concretop5


DisciplinaDireito Penal I63.622 materiais1.033.275 seguidores
Pré-visualização1 página
Caso concreto.
 Leia a situação hipotética abaixo e responda, de forma objetiva e fundamentada, às questões formuladas:
 No dia 10 de janeiro do corrente ano, por volta das 03h20min, na Avenida Nossa Senhora Aparecida, n. 10, Vila Aparecida, em Alvorada/RS, o denunciado portava arma de fogo de uso permitido, consistente em uma pistola, marca Taurus, calibre 380, numeração suprimida, municiada com 11 (onze) munições de mesmo calibre, sem autorização e em desacordo com determinação legal ou regulamentar. Na ocasião, o acusado dispensou no chão arma de fogo, após perceber a presença de viatura da Brigada Militar, os quais efetuavam patrulhamento de rotina na região. Posteriormente, foi localizada a arma de fogo acima referida sendo apreendida e submetida à perícia preliminar de exame de eficácia, a qual constatou estar a mesma em condições normais de uso e funcionamento. 
Dos fatos, o agente restou denunciado pela conduta prevista no art. 16, parágrafo único, inciso IV, da Lei nº 10.826/03 - Posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito ( Estatuto do Desarmamento).
 Com base nos estudos realizados sobre a classificação dos delitos, indaga-se:
Qual a distinção entre crimes de dano e perigo? Responda de forma objetiva e fundamentada.
 O crime de dano é aquele que se consuma com a efetiva lesão do bem jurídico. E o crime de perigo é quando um bem jurídico e exposto a alguma possibilidade de dano.
No caso concreto, qual a correta classificação do delito previsto no art.16, da Lei n.10826/2003?
O crime de porte ilegal de armas é um crime abstrato, não exige demonstração de ofensividade real para a sua consumação, sendo irrelevante para a sua configuração encontra-se a arma minudada ou não (HC1035 39/ RS, DJ e 17/05/ 2012). O fato e típico.
 
 Questão objetiva.
 Segundo a qualificação doutrinária dos crimes, assinale a alternativa incorreta:
 a) Ocorre delito putativo por erro de proibição quando o agente supõe estar infringindo uma norma penal que na realidade não existe. Já no delito putativo por erro de tipo o agente se equivoca quanto a existência das elementares do tipo. Um exemplo do primeiro poderia ser o da mulher que supondo estar grávida (quando não está na verdade) ingere substância abortiva;
 b) Crime próprio é o que somente pode ser cometido por determinada categoria de pessoas, pois pressupõe no agente uma particular condição ou qualidade. Um exemplo pode ser o crime de aborto provocado pela gestante Já o crime de mão própria é aquele que somente pode ser cometido pelo sujeito em pessoa, como o falso testemunho; 
c) Para o crime habitual é necessária reiteração da mesma conduta reprovável, de forma a constituir um estilo ou hábito de vida, como o crime de curandeirismo. O crime continuado difere do habitual, porque naquele cada ação praticada constitui-se isoladamente em crime; já no crime habitual, cada conduta tomada isoladamente não se constitui em delito;
 d) Crime instantâneo é o que se perfaz num só momento, como o homicídio. O crime permanente é aquele cujo momento consumativo se protrai no tempo, como o sequestro. Já no crime instantâneo de efeitos permanentes, o crime se consuma em um dado momento, mas os efeitos da conduta perduram no tempo, como o homicídio;
 e)Crime de ação múltipla é aquele que contempla no tipo várias modalidades de ação para sua prática, como o induzimento, instigação ou auxílio ao suicídio. Já no crime de forma livre, a descrição típica não encerra qualquer forma de ação específica para sua prática, como o homicídio.