apelação semana 11
5 pág.

apelação semana 11


DisciplinaPratica1.280 materiais590 seguidores
Pré-visualização1 página
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1 VARA CRIMINAL DA COMARCA _
Processo nº
 Bredi Noronha, já qualificado nos autos do processo em epígrafe, por seu advogado regularmente constituído, vem respeitosamente a presença de V. exa e no prazo legal, interpor
APELAÇÃO
 Com fundamento no Art. 593, I, CPP e nos termos das razoes que seguem anexas
Requer dessa forma, seja a presente apelação conhecida, processada e encaminhada a superior instancia com as referidas razoes.
Pede Deferimento
Local, data
Ass
Oab
RAZÕES DA APELAÇÃO
EGRÉGIO TRIBUNAL
COLENDA CÂMARA CRIMINAL
Processo nº
 Data Venia, não merece prosperar a sentença ora impugnada, consoante as fartas razoes a seguir apresentadas.
BREVE RELATÓRIO
 O apelante foi denunciado e processado pela prática de roubo qualificado em decorrência do emprego de arma de fogo. Ainda durante a fase do inquérito policial, BRAD NORONHA foi reconhecido pela vítima. Tal reconhecimento se deu quando a referida vítima olhou através de pequeno orifício da porta de uma sala onde se encontrava apenas o réu. Já em sede de instrução criminal, nem vítima, nem testemunhas, afirmaram ter escutado qualquer disparo de arma de fogo, mas foram uníssonas no sentido de assegurar que o assaltante portava uma. Não houve perícia, pois os policiais que prenderam o réu em flagrante não lograram êxito em apreender a arma. Tais policiais afirmaram em juízo que, após escutarem gritos de ?pega ladrão!?, viram o réu correndo e foram ao se encalço. Afirmaram que, durante a perseguição, os passantes apontavam para o réu, bem como este jogou um objeto no córrego que passava próxima ao local dos fatos, que acreditavam ser a arma de fogo utilizada. O réu, em seu interrogatório, exerceu o direito ao silêncio. Ao cabo da instrução criminal, o apelante foi condenado a dez anos e seis meses de reclusão, por roubo com emprego de arma de fogo, tendo sido fixado o regime inicial fechado para cumprimento da pena. O magistrado, para fins de condenação e fixação da pena, levou em conta os depoimentos testemunhais colhidos em juízo e o reconhecimento da vítima em sede policial, bem como o fato de o réu ser reincidente e portador de maus antecedentes, circunstâncias provadas no curso do processo.
DOS FUNDAMENTOS
Preliminar- Nulidade de prova
 No caso concreto, deve ser argüida a nulidade do reconhecimento realizado em sede policial.
 Afirma-se nesse sentido, vez que, não foram observadas as normas do art. 226, CPP. Além disso, tal reconhecimento não foi renovado em juízo sob o crivo do contraditório.
 Cuida-se de prova ilícita que deverá ser desentranhada do processo, conforme determina art. 157 do cpp.
 Não poderia o magistrado, portanto, ter fundamentado sua decisão combase em tal prova, notadamente sem ser renovada. Art. 155, CPP
DO MÉRITO
B1) Absolvição de provas
 O réu deve ser absolvido por insuficiência de prova, nos termos do art. 386, VIII do CPP. 
 A prova de acusação que foram os depoimentos dos policiais são frágeis para embasar uma condenação. Afirmam apenas que viram o acusado correndo, ou seja, não presenciaram e portanto, nada poderiam falar sobre o roubo, fato objeto da presente Ação Penal.
 Tais declarações não são robustas o suficientes para quebrar a presunção de inocência. 
B2) DESCLASSIFICAÇÃO DO ROUBO MAJORADO
 Deve ser afastada a majorante de emprego de arma de fogo, diante da absoluta ausência de prova que comprove o potencial lesivo da arma. Esta não foi apreendida e consequentemente não periciada.
 A prova testemunhal também não favorece nesse sentido,ou seja, apesar de serem uníssonas no sentido de que portava arma de fogo, foram igualmente uníssonas no sentido de que não houve disparo. Assim, de qualquer elemento de prova apto a quebrar a presunção de inocência, não é possível a aplicação da majorante.
DO PEDIDO
Ante tais razoes, espera respeitosamente , seja a presente conhecida e provida para
A absolvição do apelante na forma do art. 386, VII, cpp
Caso assim não entenda V. Exa. Seja declarado nulo o reconhecimento pessoal, desentrenhando a prova dos autos
Alternatvamente, em caso de eventual condenação, seja desclassificada a infração penal para roubo simples, afastando a majorante com emprego de arma de fogo, com fixação da pena no mínimo legal e a fixação de regime menos rigoroso de cumprimento de pena.
Pede Deferimento
Local, data
Adv
OAB