Tratamento de Efluentes Volume  3
88 pág.

Tratamento de Efluentes Volume 3


DisciplinaTratamento de Água e Efluentes28 materiais564 seguidores
Pré-visualização20 páginas
OBTENÇÃO, JUNTO AO INEA, DOS TERMOS DE ENCERRAMENTO (TE) 31/12/2016 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
488 dias 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Requisição de TE ao INEA 31/08/2016 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
366 dias 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Análise e aceitação da requisição pelo INEA 30/11/2016 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 427 dias 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Emissão e Publicação dos TE 31/12/2016 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 366 dias 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) 
Volume 6: Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos e Aspectos Ambientais e Sociais \u2013 Tomo III 
Agosto, 2013 \u2013 Rev.00 
76 /88 
4. DIRETRIZES PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES DE 
 MATERIAIS RECICLÁVEIS QUANDO DO ENCERRAMENTO E 
 REMEDIAÇÃO DE VAZADOUROS DE LIXO 
4.1. PLANO SOCIAL COM ALTERNATIVAS PARA INSERÇÃO SOCIAL E ECONÔMICA DOS 
CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO VAZADOURO 
Para efetivar as melhorias, profissionais e econômicas, no trabalho dessa 
categoria é preciso estabelecer algumas condições estruturantes. As Políticas de 
Proteção Social são imprescindíveis para garantir a estabilidade social do 
trabalhador e, com isso, ter condições de exigir uma rotina de trabalho. A 
transição da catação informal para a coleta seletiva implica em mudanças 
radicais, no modo de captação dos materiais. Inevitavelmente, gera-se uma 
queda substancial no volume de material, quando comparado ao que o catador 
comercializa para garantir sua sobrevivência. 
Com efeito, é comum encontrar nos programas municipais de coleta seletiva, que 
não possuem uma política de proteção, uma forte instabilidade de frequência e 
ritmo de trabalho. Ao garantir estas políticas de proteção, que consistem em 
condições básicas de trabalho (como transporte para o trabalho, alimentação, 
banheiro, água, previdência social, rendimento mínimo, promoção da saúde e 
segurança), viabiliza-se uma rotina operacional do grupo. Portanto, estas políticas 
têm mais efeito progressista que assistencialista. 
Há que se considerar a necessidade premente de formulação de um modelo de 
atenção à saúde e segurança do trabalhador, voltado para os catadores de 
materiais recicláveis. 
Através deste modelo de atenção à saúde do Catador de Materiais Recicláveis, 
há que se traçar um perfil epidemiológico dessa população de trabalhadores que 
terá como um dos benefícios a sua inclusão na Política Nacional de Segurança e 
Saúde do Trabalhador, permitindo não só a notificação dos acidentes de trabalho 
e doenças ocupacionais, mas trazendo a possibilidade dos mesmos usufruírem 
dos benefícios previdenciários, como direito a aposentadoria e indenizações e 
pagamentos de dias parados, caso seja afastado do trabalho temporariamente ou 
permanentemente. 
Segundo o que preconiza a Lei Federal 12.305/10, em seu artigo 26, o titular dos 
serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos é o 
responsável pela organização e prestação direta ou indireta destes serviços (...). 
Neste aspecto, há que se considerar que a coleta realizada pelos catadores em 
área urbana, bem como a destinação final dada por estes trabalhadores aos 
recicláveis retirados de vazadouros municipais caracterizam prestação de serviço 
público, uma vez que a coleta, triagem e destinação final de materiais recicláveis 
 
Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) 
Volume 6: Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos e Aspectos Ambientais e Sociais \u2013 Tomo III 
Agosto, 2013 \u2013 Rev.00 
77 /88 
são parte integrante da gestão integrada de resíduos sólidos, sendo a coleta 
seletiva um de seus fluxos. 
Portanto, deve-se observar a necessidade de formalização das relações de 
trabalho entre o poder público e as organizações de catadores de materiais 
recicláveis legalmente constituídas, no que tange ao beneficiamento primário dos 
materiais recicláveis oriundos dos programas municipais de coleta seletiva. Isto 
ocorre a partir do momento em que o município realiza a coleta seletiva e destina 
os materiais coletados a uma cooperativa de catadores de materiais recicláveis, 
realizando, desta forma, a destinação de um dos fluxos dos resíduos gerados no 
território. 
Com vistas ao desenvolvimento de políticas públicas, para inclusão 
socioprodutiva dos catadores em situação de vulnerabilidade social, deve ser 
apresentado um plano de incorporação dos catadores (com prazos e metas) em 
atividades ligadas a reciclagem (cooperativas) inseridas nos Planos Municipais de 
Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, abordando de forma demonstrativa os 
investimentos físicos, econômicos, de equipamentos, de capacitação e 
desenvolvimento social e institucional de maneira a garantir instrumentos legais, 
jurídicos e econômicos que estabeleçam o vinculo entre os Catadores e o futuro 
serviço municipal de coleta seletiva. 
Dentre as ações que deverão ser adotadas para a eliminação dos lixões, 
destacam as seguintes: 
4.1.1. Medidas a serem Adotadas quando do Encerramento de Lixões 
 
\uf076 Condicionar o cadastro prévio e elaboração do plano social para Catadores de 
materiais Recicláveis que trabalham no vazadouro ao cronograma de 
encerramento dos lixões; 
\uf076 Elaboração de arcabouço legal para instituição do Pagamento por Serviços 
Ambientais Urbanos; 
\uf076 Prever investimentos financeiros para fomento aos Programas Municipais de 
Coleta Seletiva, com inclusão social dos Catadores locais; 
\uf076 Prever incentivos fiscais para Municípios com Programas de Coleta Seletiva 
que incluam socialmente os Catadores de Materiais Recicláveis; 
\uf076 Propor condicionar os investimentos estaduais na área de saneamento para 
Municípios que disponham de políticas públicas voltadas para inclusão 
socioprodutiva dos catadores de materiais recicláveis; 
\uf076 Elaboração de Inventário das Áreas Degradadas; 
\uf076 Propor potencializar a utilização do ICMS \u2013 Ecológico; 
\uf076 Propor solução para a gestão de resíduos da construção civil e demolições 
(RCD), segundo as normas e critérios técnicos existentes; 
 
Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) 
Volume 6: Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos e Aspectos Ambientais e Sociais \u2013 Tomo III 
Agosto, 2013 \u2013 Rev.00 
78 /88 
\uf076 Propor solução para a gestão de resíduos dos serviços de saúde (RSS), 
segundo as normas e critérios técnicos existentes; 
\uf076 Propor o incremento dos efetivos estaduais e municipais de vigilância do meio 
ambiente, 
\uf076 Propor desenvolvimento de campanhas cidadãs de sensibilização; 
\uf076 Propor incrementar medidas de inclusão social e emancipação econômica dos 
catadores;