CAB Práticas integrativas fitoterapia
154 pág.

CAB Práticas integrativas fitoterapia


DisciplinaFitoterapia591 materiais2.206 seguidores
Pré-visualização40 páginas
em sistemas de medicinas 
milenares em todo o mundo, por exemplo, na medicina chinesa, tibetana ou indiana-ayurvédica.
A ayurveda (medicina tradicional indiana) é, talvez, mais antiga do que todas as tradições 
medicinais e do que a medicina tradicional chinesa. As civilizações da China e da Índia estavam 
florescendo e já possuíam inúmeros escritos sobre plantas medicinais, enquanto modestas 
culturas sofisticadas começavam a se desenvolver na Europa. O lendário imperador Shen Nung 
discutiu plantas medicinais em suas obras, as quais, pela medicina tradicional chinesa, foram 
sistematizadas e escritas entre 100 e 200 a.C. A referência mais completa sobre prescrição de 
ervas chinesas é a enciclopédia chinesa Modern Day, de matéria médica publicada em 1977. Essa 
obra lista quase 6.000 medicamentos, dos quais 4.800 são de origem vegetal. 
Como em outras culturas de cura, receitas tradicionais são usadas preferencialmente contra 
as doenças crônicas, enquanto as doenças graves ou agudas são curadas por medicamentos 
ocidentais. A difusão da medicina tradicional chinesa, na maioria dos continentes, sem dúvida 
contribuiu para a popularidade atual dos medicamentos fitoterápicos em todo o mundo. 
Exemplos de ervas medicinais chinesas famosas são Angelica polymorpha var. sinensis (Danggui, 
Dongquai), Artemisia annua (qing ha), Ephedra sinica (ma huang), Paeonia lactiflora (Bai shao 
yao), Panax ginseng (ren shen) e Rheum palmatum (da huang) (ALONSO, 1998; CARNEIRO, 2001). 
Na história do Brasil, há registros de que os primeiros médicos portugueses que vieram para cá, 
diante da escassez na colônia de remédios empregados na Europa, muito cedo foram obrigados 
a perceber a importância dos remédios de origem vegetal utilizados pelos povos indígenas. Os 
viajantes sempre se abasteciam deles antes de excursionarem por regiões pouco conhecidas. 
As grandes navegações trouxeram a descoberta de novos continentes, legando ao mundo 
moderno um grande arsenal terapêutico de origem vegetal até hoje indispensável à medicina. 
Dentro da biodiversidade brasileira, alguns exemplos importantes de plantas medicinais são: 
Ilex paraguariensis (mate), Myroxylon balsamum (bálsamo de Tolu), Paullinia cupana (guaraná), 
Psidium guajava (guava), Spilanthes acmella (jambu), Tabebuia sp. (lapacho), Uncaria tomentosa 
(unha-de-gato), Copaifera sp.(copaíba) (GURIB-FAKIM, 2006).
14
Ministério da Saúde | Secretaria de Atenção a Saúde | Departamento de Atenção Básica
A magnitude da biodiversidade brasileira \u2013 conjunto de todos os seres vivos com a sua 
variabilidade genética integral \u2013 não é conhecida com precisão tal à sua complexidade, estimando-
se mais de dois milhões de espécies distintas de plantas, animais e micro-organismos. Isso coloca 
o Brasil como detentor da maior diversidade biológica do mundo (WILSON, 1997). Apesar disso e 
de toda a diversidade de espécies existentes, o potencial de uso de plantas como fonte de novos 
medicamentos é ainda pouco explorado. Entre as 250 mil e 500 mil espécies de plantas estimadas 
no mundo, apenas pequena percentagem tem sido investigada fitoquimicamente, fato que 
ocorre também em relação às propriedades farmacológicas, nas quais, em muitos casos, existem 
apenas estudos preliminares. Em relação ao uso médico, estima-se que apenas 5 mil espécies 
foram estudadas (RATES, 2001). No Brasil, com cerca de 55 mil espécies de plantas, há relatos de 
investigação de apenas 0,4% da flora (GURIB-FAKIM, 2006). 
Estima-se que pelo menos 25% de todos os medicamentos modernos são derivados diretamente 
ou indiretamente de plantas medicinais, principalmente por meio da aplicação de tecnologias 
modernas ao conhecimento tradicional. 
No caso de certas classes de produtos farmacêuticos, como medicamentos antitumorais 
e antimicrobianos, essa percentagem pode ser maior que 60% (WHO, 2011). Já o mercado 
mundial de fitoterápicos movimenta hoje cerca de US$ 44 bilhões, segundo a consultoria Analize 
and Realize, que atende algumas das maiores indústrias farmacêuticas do mundo. Segundo 
a Associação Brasileira de Empresas do Setor Fitoterápico, não existem dados oficiais sobre o 
tamanho desse mercado brasileiro, e as estimativas variam entre US$ 350 milhões e US$ 550 
milhões. Apesar da rica biodiversidade, o Brasil tem hoje um fitoterápico baseado na flora 
brasileira, onde todas as fases de desenvolvimento ocorreram em território nacional e, dos 
fitoterápicos registrados na Anvisa, uma pequena parte é oriunda de espécies nativas, o que 
demonstra necessidade de investimentos em pesquisas com espécies da flora nacional (MIOTO, 
2010). Além disso, paradoxalmente ao potencial e oportunidades que oferece \u2013 como o parque 
científico e tecnológico para o desenvolvimento de fármacos \u2013, o País representa o décimo 
mercado farmacêutico mundial e importa cerca de 100% de matéria-prima utilizada na produção 
de fitoterápicos (ADAME; JACCOUD; COBRA, 2005).
A seleção de espécies vegetais para estudo farmacológico pode ser baseada no seu uso 
tradicional por sociedades tradicionais, no conteúdo químico e toxicidade, na seleção ao acaso 
ou pela combinação de vários critérios. Uma das estratégias mais comuns é o estudo da medicina 
tradicional e/ou popular em diferentes culturas, conhecida como etnofarmacologia. Estratégias 
de busca de medicamentos com base nessa linha de atuação têm sido aplicadas no tratamento 
de diferentes doenças, tais como o câncer (KINGHORN, 2003; BALUNAS; KINGHORN, 2005). A 
abordagem das plantas medicinais, a partir da adoção por sociedades autóctones de tradição 
oral, pode ser útil na elaboração de estudos farmacológicos, fitoquímicos e agronômicos sobre 
elas, evitando perdas econômicas e de tempo e demonstrando que é possível planejar a pesquisa 
a partir do conhecimento tradicional sobre plantas medicinais, consagrado pelo uso contínuo nas 
sociedades tradicionais (AMOROZO,1996 apud RODRIGUES et al., 2002). 
A alopatia moderna aponta geralmente para o desenvolvimento de uma única substância 
patenteável que irá tratar circunstâncias específicas. Na maioria das sociedades de hoje, os 
15
PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERAPIA NA SAÚDE DA FAMÍLIA
sistemas alopáticos e tradicionais da medicina ocorrem lado a lado, de maneira complementar. A 
medicina tradicional visa a frequentemente restaurar o equilíbrio usando plantas quimicamente 
complexas ou misturando diversas plantas diferentes a fim de maximizar um efeito sinergético 
ou melhorar a probabilidade de interação com um alvo molecular relevante. Esse tipo de 
tratamento é extremamente importante para os países em desenvolvimento, onde as plantas 
medicinais são amplamente utilizadas na Atenção Primária à Saúde (APS). Nesses países, elas 
são utilizadas na forma bruta (não processadas), como chás ou decocções, como fitoterápicos 
(extratos padronizados e formulados de plantas) e como alternativa popular aos produtos 
medicinais alopáticos (GURIB-FAKIM, 2006). 
A Organização Mundial da Saúde (OMS), considerando as plantas medicinais como importantes 
instrumentos da assistência farmacêutica, por meio de vários comunicados e resoluções, expressa 
sua posição a respeito da necessidade de valorizar a sua utilização no âmbito sanitário ao observar 
que 70% a 90% da população nos países em vias de desenvolvimento depende delas no que se 
refere à Atenção Primária à Saúde (WHO, 1993; 2011). Em alguns países industrializados, o uso de 
produtos da medicina tradicional é igualmente significante, como o Canadá, França, Alemanha e 
Itália, onde 70% a 90% de sua população tem usado esses recursos da medicina tradicional sobre 
a denominação de complementar, alternativa ou não convencional (WHO, 2011). 
De forma semelhante no Brasil, cerca de 82% da população brasileira utiliza produtos à base 
de plantas medicinais nos seus cuidados com a saúde, seja pelo conhecimento tradicional na 
medicina tradicional indígena, quilombola,