logistica reversa   ABEPRO
16 pág.

logistica reversa ABEPRO


DisciplinaLogística17.787 materiais69.634 seguidores
Pré-visualização5 páginas
que auxilia seus associados quanto às 
 
XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO 
Perspectivas Globais para a Engenharia de Produção 
Fortaleza, CE, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2015. 
 
 
 
 
9 
alterações de leis do setor, além de abordar outros assuntos pertinentes. Contudo, a gestão 
aponta que ainda existem algumas dificuldades. Muitas vezes, a empresa tem conhecimento 
das mudanças que irão ocorrer, mas faltam informações sobre como realizar tais 
modificações. Um exemplo disso foi quando a Receita Federal começou a exigir o envio do 
chamado Sped Fiscal, um relatório fiscal eletrônico que deve ser enviado no início de cada 
mês. No ano de sua implantação, nem mesmo os funcionários da Receita tinham 
conhecimento suficiente para sanar as dúvidas dos comerciantes. 
Outro problema mencionado pelo gestor compreende os altos custos geralmente 
envolvidos nos processos de regularização da empresa. É o caso da logística reversa de 
resíduos sólidos contaminados. Todos os custos obtidos para cumprir com as obrigações 
relacionadas à logística reversa são de responsabilidade do posto. Corresponde a resíduos 
sólidos contaminados gerados atualmente no Posto Jardim Veneza o OLUC e o chamado 
\u201cbarro\u201d, efluentes líquidos gerados nas atividades que devem ser tratados em uma caixa 
separadora de água e óleo, outra atribuição dos postos de combustíveis. 
Para realizar a correta destinação dos frascos de lubrificantes usados, dos filtros de ar e 
de combustível usados, das estopas e de papelão com resíduos de óleo, o posto optou por 
contratar uma empresa especializada em gestão ambiental, algo que é feito por grande parte 
dos postos. Dessa forma, fechou um contrato com a Udi Ambiental, que estipula o pagamento 
de R$ 300,00 para o recolhimento do material a cada dois meses. O acordo garante a coleta de 
250 kg de matéria, sendo que cada quilo adicional custaria, em média, R$ 0,94. É válido 
ressaltar que os resíduos permanecem armazenados no posto até que o serviço terceirizado 
seja realizado. 
Com a intenção de não extrapolar o limite contratado, a fim de reduzir custos, a 
empresa descarta parte dos remanescentes em lixo comum, mesmo tendo consciência de que 
poderá ser punida, caso haja alguma finalização. Foi possível perceber que os próprios 
frentistas desconhecem as obrigatoriedades e não se preocupam em separar os materiais 
contaminados. 
 
XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO 
Perspectivas Globais para a Engenharia de Produção 
Fortaleza, CE, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2015. 
 
 
 
 
10 
 
 
Figura 9: Resíduos sólidos contaminados gerados no Posto Jardim Veneza Ltda. 
Fonte: Elaboração da autora. 
 
A cadeia reversa da Udi Ambiental é semelhante à do Programa Jogue Limpo até a 
fase de armazenagem, já que não realiza a reciclagem de seus resíduos. Depois disso, o 
material é incinerado e destinado a aterros específicos providos de sistema de drenagem e 
tratamento de chorume. Por se tratar de um método poluente, não é o mais indicado, embora 
ainda seja o mais utilizado no país. 
No que diz respeito ao OLUC mantido em reservatório especial, como já informado, é 
vendido para a Lwart Lubrificantes, empresa com forte presença nacional e parceira da rede 
Ipiranga, responsável pela coleta, transporte e re-refino do óleo. Foi pactuado o pagamento de 
R$ 0,40 por litro de OLUC por parte do comprador. Por conseguinte, a logística reversa do 
OLUC não gera gastos para o posto, e sim consiste em uma receita não contabilizada. 
O \u201cbarro\u201d compõe mais um resíduo contaminado gerado no estabelecimento. A coleta 
especializada também é de responsabilidade da contratada Udi Ambiental \u2013 tal aspecto não 
será detalhado, pois não é o foco deste trabalho. 
Uma alternativa encontrada pela empresa para a redução do número de frascos de 
lubrificantes descartados foi a venda de lubrificantes na medida certa, por meio das franquias 
de lubrificação Jet Oil e Jet Oil Motos. Os lubrificantes na medida certa são adquiridos pelo 
posto em tambores de 200 litros, e a venda é feita por uma bomba semelhante à de 
abastecimento de combustíveis, que completa a quantidade exata que o veículo necessita. 
 
XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO 
Perspectivas Globais para a Engenharia de Produção 
Fortaleza, CE, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2015. 
 
 
 
 
11 
Sendo assim, um cliente que necessita utilizar em seu veículo apenas 2,3 litros de óleo, pode 
optar por colocar o lubrificante na medida certa, ao invés de comprar três frascos de um litro, 
o que significaria uma sobra de lubrificante. Além de economizar na compra do lubrificante, o 
cliente evita o descarte de três frascos do produto. Para alavancar as vendas do óleo a granel, a 
empresa oferece um brinde ao cliente que optar pela troca de óleo na medida certa. 
Apesar de tantos benefícios oferecidos na venda de lubrificante na medida certa, a 
maioria dos consumidores ainda prefere as tradicionais embalagens de 500 mililitros ou um 
litro, pois alegam desconfiar da qualidade do produto a granel, por estar armazenado em um 
tambor e por não possuir rótulo. Dessa forma, ainda existe uma barreira que alimenta a 
geração de grande quantidade de resíduos. 
Um problema encontrado na unidade Jet Oil é a falta de opção quanto ao descarte dos 
tambores de 200 litros vazios, que atualmente são armazenados no próprio posto. As empresas 
do setor que realizam a coleta de resíduos contaminados não oferecem o serviço de 
recolhimento dos tambores em questão, o que despertou o artifício de vendê-los. Embora seja 
uma extração esporádica, o posto consegue se desfazer de parte do que é considerado entulho. 
Geralmente, os tambores são adquiridos por profissionais da construção civil ou proprietários 
rurais. 
Por intermédio do administrador do posto, foi feito contato com o assessor comercial 
da Ipiranga Produtos de Petróleo, Rafael Nunes, com o intuito de elencar as possibilidades de 
a distribuidora assumir o compromisso de recolher os tambores vazios, já que podem ser 
reutilizados no envasamento de novos produtos. A justificativa por não realizar o serviço se 
relaciona ao alto custo logístico. 
 
 
XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO 
Perspectivas Globais para a Engenharia de Produção 
Fortaleza, CE, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2015. 
 
 
 
 
12 
 
Figura 10: Tambores de 200 litros, no ambiente do Posto Jardim Veneza, sem solução de descarte. 
Fonte: Elaboração da autora. 
 
Além da gestão de resíduos materiais, o Posto Jardim Veneza utiliza outros 
mecanismos sustentáveis que foram aplicados pela rede Ipiranga como parte do conceito 
Posto Ecoeficiente desenvolvido pela distribuidora. Destaca-se o uso de lâmpadas com sensor 
de presença e descargas econômicas nos banheiros, torneiras temporizadas, sistema de 
exaustão do calor proveniente dos refrigeradores da loja de conveniência e isolamento térmico 
nas paredes e no forro, que ocasiona uma menor utilização do ar condicionado e, 
consequentemente, um menor gasto energético. Apesar disso, o Jardim Veneza não se 
enquadra como um posto ecoeficiente pelo fato de não possuir um sistema de 
reaproveitamento de água. 
Foi questionado ao empresário o porquê da não inclusão da empresa na concepção 
Ecoeficiente da Ipiranga.. De acordo com ele, o sistema de reaproveitamento de água é muito 
valoroso, e ele tem dúvidas quanto ao possível retorno que a empresa obterá. Logo, surgiu o 
seguinte questionamento: Além do retorno econômico que as técnicas sustentáveis alcançam, 
elas podem ser um fator de sucesso na captação ou fidelização de clientes? Com o propósito 
de buscar esclarecimentos, foi realizada