logistica reversa   ABEPRO
16 pág.

logistica reversa ABEPRO


DisciplinaLogística18.292 materiais70.340 seguidores
Pré-visualização5 páginas
uma sucinta averiguação. 
Ao interpelar alguns clientes no ambiente da organização analisada, verificou-se que a 
maioria desconhece que o Posto Jardim Veneza tem alguns princípios sustentáveis e, ainda, 
não tinham conhecimento sobre o trabalho de logística reversa realizado. Foram divulgadas as 
premissas do fluxo reverso e da responsabilidade compartilhada referentes ao frasco de 
lubrificante vazio, nomeando o posto como uma central de recebimento de embalagens usadas 
 
XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO 
Perspectivas Globais para a Engenharia de Produção 
Fortaleza, CE, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2015. 
 
 
 
 
13 
de lubrificantes. Foi observado também que muitos consumidores contemplam negócios 
baseados na sustentabilidade e que estão dispostos a fidelizar empresas sustentáveis. 
 
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 
 
Após analisar os dados obtidos, verifica-se que o Posto Jardim Veneza Ltda, envolvido 
por uma gestão conservadora, adota medidas que colaboram para o cumprimento das leis 
ambientais, evitando sansões que interfiram no exercício de suas atividades. Contudo, os 
processos reversos são realizados quase que totalmente devido às obrigações fiscais. O 
proprietário da empresa mostrou desconhecer a teoria envolvida na logística reversa e teme 
dedicar esforços relacionados às questões sustentáveis por não acreditar que isso agregue 
valor ao cliente ou que o coloque em uma posição de vantagem competitiva em relação aos 
seus concorrentes. Isto posto, verifica-se a necessidade de a administração analisar os fatores 
envolvidos na logística reversa, bem como suas vantagens, e repassar os resultados à sua 
equipe, que também se mostrou desinformada no que tange às obrigatoriedades envolvidas. 
É notório que os custos valorosos dificultam a prática absoluta da logística reversa na 
empresa, tornando-a vulnerável à fiscalização em alguns momentos. Assim sendo, a 
elaboração deste estudo possibilitou a apresentação do Instituto Jogue Limpo ao gestor 
Regino Marcos Prado, que não conhecia o Programa até então. Foi uma proposta muito bem 
aceita e que já começou a ser colocada em prática. Após o preenchimento de uma ficha 
cadastral junto ao Programa, o Posto Jardim Veneza iniciará sua parceria com o Jogue Limpo, 
o que significa uma redução dos custos de logística reversa e, consequentemente, a garantia 
da disposição final de todas as embalagens de lubrificantes usadas geradas ou recebidas no 
posto. 
Recomenda-se também a criação de uma central de recebimento de frascos de 
lubrificantes vazios dentro do ambiente do posto, que inclui a disponibilização de um 
reservatório específico para que seus clientes possam depositar suas embalagens já utilizadas. 
A tática pode funcionar como um atrativo para consumidores sustentáveis, além de facilitar a 
separação dos resíduos no posto. 
Conjuntamente, propõe-se a prática do levantamento dos custos fixos e variáveis no 
momento da precificação de seus produtos. Desse modo, os custos desencadeados pela 
logística reversa de materiais contaminados diversos são amortizados e repassados ao 
 
XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO 
Perspectivas Globais para a Engenharia de Produção 
Fortaleza, CE, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2015. 
 
 
 
 
14 
consumidor final, garantindo que a empresa não tenha prejuízo devido ao processo e não 
deixe de descartar adequadamente todo o refugo. 
Todavia, é primordial aliar alguns fundamentos do marketing a essa prática, com o 
propósito de mostrar ao cliente as vantagens de se realizar a logística reversa e evidenciar a 
preocupação sustentável por parte da instituição, visto que atualmente pode ser considerado 
um fator de vantagem competitiva. Da mesma forma, um trabalho mercadológico alusivo à 
unidade de troca de óleo na medida certa deve ser implementado para revelar todos os mitos e 
verdades dos mecanismos envolvidos, buscando uma migração de consumidores de 
lubrificantes em frascos para usuários da mecânica na Medida Certa. 
Verifica-se a necessidade de a própria empresa desenvolver sua consciência 
sustentável, tendo em vista o surgimento de uma nova sociedade baseada nesse preceito. É 
imprescindível se adequar não somente às questões legislativas, mas também considerar os 
impactos ambientais e a cultura dos consumidores. 
Por fim, conclui-se que este trabalho foi válido para assimilar os conceitos envolvidos 
na logística reversa, seus processos e vantagens. Permitiu o entendimento sobre as legislações 
envolvidas em postos de combustíveis e a expressão \u201cresponsabilidade compartilhada\u201d, 
característica do processo reverso do setor. Especificamente, foi possível analisar o processo 
de descarte das embalagens de lubrificantes usadas, dos filtros de ar e de combustível já 
utilizados, do OLUC e de outros resíduos considerados contaminados. Dessa maneira, o 
estudo contribuiu para evidenciar a relevância da logística reversa na revenda de 
combustíveis. 
 
REFERÊNCIAS 
AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO. ANP. Disponível em: <http://www.anp.gov.br/>. 
Acesso em: 14 jan. 2015. 
 
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10.004: resíduos sólidos \u2013 
classificação. Rio de Janeiro, 2004. 77 p. 
 
BRASIL. Agência Nacional do Petróleo. Portaria n. 116, de 5 de julho de 2000. Regulamenta 
o exercício da atividade de revenda varejista de combustível automotivo. Diário Oficial da 
União, Brasília, 6 jul. 2000a. Disponível em: 
<http://licenciamento.cetesb.sp.gov.br/Servicos/licenciamento/postos/legislacao/Portaria_AN
P_116_2000.pdf>. Acesso em: 13 jan. 2015. 
 
 
XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO 
Perspectivas Globais para a Engenharia de Produção 
Fortaleza, CE, Brasil, 13 a 16 de outubro de 2015. 
 
 
 
 
15 
BRASIL. Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio 
Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. 
Diário Oficial da União, Brasília, 2 set. 1981. Disponível em: 
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.htm>. Acesso em: 13 jan. 2015. 
 
BRASIL. Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010a. Institui a Política Nacional de Resíduos 
Sólidos, altera a Lei n. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, e dá outras providências. Diário 
Oficial da União, Brasília, 3 ago. 2010. Disponível em: 
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 13 
jan. 2015. 
 
BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Logística reversa. [s.d.]. Disponível em: 
<http://www.mma.gov.br/cidades-sustentaveis/residuos-solidos/log%C3%ADstica-
reversa#embalagensdeoleoslubrificantes>. Acesso em: 15 out. 2014. 
 
CASTIGLIONI, J. A. M. Logística operacional: guia prático. 2. ed. São Paulo: Érica, 2009. 
 
COSTA, D. V. da; TEODÓSIO, A. dos S. de S. Desenvolvimento sustentável, consumo e 
cidadania: um estudo sobre a (des) articulação da comunicação de organizações da sociedade 
civil, do estado e das empresas. UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE, 2011. 
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ram/v12n3/a06v12n3.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2015. 
 
FISCHER, F. Logística reversa: todos de acordo? Revista Tecnologística, [s.l.], ano 18, n. 
210, p. 42-48, maio 2013. Disponível em: 
<http://issuu.com/publicare/docs/210_maio_2013/47>. Acesso em: 13 jan. 2015. 
 
LEITE, Paulo Roberto. Logística reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: 
Prentice Hall, 2003. 
 
LWART LUBRIFICANTES. Re-refino de OLUC: logística reversa. 2014. Disponível em: 
<http://www.lwarcel.com.br/site/content/lubrificantes/rerrefino_logistica_reversa.asp>. 
Acesso em: 20 dez. 2014. 
 
MINAS GERAIS. Ministério Público. Formulário de fiscalização n.