A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Farmacocinética (Absorção e Distribuição)

Pré-visualização | Página 1 de 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
Curso de MEDICINA
Disciplina: FARMACOLOGIA
FARMACOCINÉTICA
Profº. Dra. Rachel Melo
e-mail: rachelmeloribeiro@gmail.com
São Luís
2014
FARMACOCINÉTICA
CAMINHO
FARMACOCINÉTICA
ABSORÇÃO
DISTRIBUIÇÃO
BIOTRANSFORMAÇÃO
EXCREÇÃO
FARMACOCINÉTICA
absorção
excreção
forma livre
forma conjugada
Plasma
distribuição
Sítio-alvo
Reservatórios
Biotransformação
metabólitos
ABSORÇÃO
 Passagem do fármaco do seu local de administração até a corrente sanguínea
FARMACOCINÉTICA
5
ABSORÇÃO
FARMACOCINÉTICA
6
ABSORÇÃO
Movimentos transmembranas: o fármaco passa através das membranas de diferentes tecidos do organismo
 De acordo com a via de administração
FARMACOCINÉTICA
ORGANISMO
(diferentes tecidos)
7
ABSORÇÃO
 Mucosa Gastrointestinal
FARMACOCINÉTICA
8
ABSORÇÃO
 Pele
FARMACOCINÉTICA
9
ABSORÇÃO
 Pulmão
FARMACOCINÉTICA
10
ABSORÇÃO
 Como se não bastasse...
Parede capilar e Endotélio Vascular Sangue 
FARMACOCINÉTICA
11
Epitélio Gastrointestinal
FARMACOCINÉTICA
Droga ingerida SNC 
Sangue e Linfa
Barreira Hematoencefálica
Sistema Circulatório Cerebral
Membranas das Células Cerebrais
Atividade Farmacológica
12
 
FARMACOCINÉTICA
13
ABSORÇÃO – Membrana Plasmática
 
FARMACOCINÉTICA
14
ABSORÇÃO – membranas
 
FARMACOCINÉTICA
15
ABSORÇÃO – Mecanismos de Transporte
 
FARMACOCINÉTICA
 Difusão Simples
 Difusão Facilitada
 
Processos Passivos 
Processos Ativos
Transporte ativo
 Pinocitose
16
FARMACOCINÉTICA
Difusão Simples
 - Mais frequente
 - Mais concentrada Menos concentrada
 - A favor de um gradiente de concentração
 - Sem gasto de energia 
 
Processos Passivos 
lipídios
Fármacos Lipossolúveis
17
FARMACOCINÉTICA
Difusão Simples
 
 
Processos Passivos 
18
FARMACOCINÉTICA
Difusão Simples
 - Fármacos Lipossolúveis
 
 
Processos Passivos 
19
FARMACOCINÉTICA
Difusão Simples
 
 
Processos Passivos 
20
ABSORÇÃO – Mecanismos de Transporte
 
FARMACOCINÉTICA
Processos Passivos
 Difusão Facilitada
Substâncias hidrossolúveis
 A favor de um gradiente de 
 concentração
- Sem gasto de energia
 Participação direta da Membrana
- Ex. Transporte de Glicose
carreador
A favor do gradiente de concentração
21
ABSORÇÃO – Mecanismos de Transporte
 
FARMACOCINÉTICA
Processos Ativos
 Difusão Facilitada
22
ABSORÇÃO – Mecanismos de Transporte
 
FARMACOCINÉTICA
Processos Ativos
 Transporte ativo
 Fármaco move-se contra gradiente de concentração
 Macromoléculas hidrossolúveis
23
ABSORÇÃO – Mecanismos de Transporte
 
FARMACOCINÉTICA
Processos Ativos
 Pinocitose
 Membrana celular se invagina em torno do fármaco
 Engloba / invagina
 Formam-se vesículas que se destacam da membrana
 Liberam fármaco no meio intracelular
 Exige energia celular
 Não necessita de transportadores 
24
DISTRIBUIÇÃO
FARMACOCINÉTICA
 Passagem do fármaco da circulação sanguínea para os tecidos alvo
25
DISTRIBUIÇÃO
FARMACOCINÉTICA
 Após a absorção os fármacos podem ser:
 Armazenados nos tecidos
 Sítio Alvo
 Metabolizados
 Excretados diretamente
26
DISTRIBUIÇÃO
FARMACOCINÉTICA
 A distribuição dos fármacos aos tecidos do organismo não é uniforme
 Tecidos de Armazenamento
 Tecido adiposo (Ex. Tiopental)
 Ossos (Ex. Tetraciclinas)
 Fígado (Ex. Quinacrina)
Sangue
Tecidos específicos
Músculo
 Fígado
 Rins 
 Cérebro
27
DISTRIBUIÇÃO
Sítios Especiais – barreiras anatômicas
FARMACOCINÉTICA
Barreira Hematoencefálica
Barreira Placentária
??
28
DISTRIBUIÇÃO
FARMACOCINÉTICA
 Ligação às Proteínas Plasmáticas
ALBUMINA
Droga
Proteína
+
Droga
Proteína
Reserva
Livre/Disponível
RESPOSTA FARMACOLÓGICA
29
DISTRIBUIÇÃO
FARMACOCINÉTICA
 Ligação às Proteínas Plasmáticas – COMPETIÇÃO
Uma droga ligada à albumina pode ser deslocada por outra droga que possua maior afinidade pela albumina
Droga deslocada
Droga deslocadora
Efeito
+
Risco de hemorragia
=
30
DISTRIBUIÇÃO
FARMACOCINÉTICA
HIPOALBUMINEMIA
Fármaco ativo
Albumina
Fármaco inativo
Albumina normal 
Albumina reduzida 
Síndrome nefrótica
31
DISTRIBUIÇÃO
FARMACOCINÉTICA
 Volume Aparente de Distribuição (Vad)
 Relação entre a quantidade da droga no corpo inteiro e a existente no plasma;
 Volume no qual a droga teria que se dissolver a fim de atingir a mesma concentração em que se encontra no plasma.
 VAD = 
Dose
Concentração Plasmática
32
DISTRIBUIÇÃO
FARMACOCINÉTICA
 Fatores que alteram a distribuição das drogas
 Propriedades físico-químicas dos fármacos
 pH do meio
 Solubilidade da droga / coeficiente de partição óleo/água
 Peso molecular
 Ligação às proteínas plasmáticas
 Fluxo sanguíneo
33
Meia-vida Plasmática das Drogas (T1/2)
FARMACOCINÉTICA
 Tempo em que determinada concentração da droga leva para reduzir-se à metade
40mg
1 hora
20mg
Meia vida plasmática = 1 hora
1 hora
10mg
34
Meia-vida Plasmática das Drogas (T1/2)
FARMACOCINÉTICA
35

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.