2 O CASO DO OPERADOR DESCONTENTE Josilene
1 pág.

2 O CASO DO OPERADOR DESCONTENTE Josilene


DisciplinaPsicologia Organizacional e do Trabalho I235 materiais2.433 seguidores
Pré-visualização1 página
O CASO DO OPERADOR DESCONTENTE
	No departamento de manutenção de uma fábrica de produtos de alta tecnologia no Estado do Rio Grande do Sul o moral era surpreendentemente elevado. Os Funcionários trabalhavam com grande empenho, às vezes sob condições desagradáveis.
	Mário, um operador de torno CNC de 36 anos, casado, pai de dois filhos e funcionário da empresa há oito anos, começou como ajudante de manutenção, realizou vários cursos e hoje é um dos melhores operadores da empresa. Contudo, sem que nada permitisse prever isso, seu desempenho caiu sensivelmente por turno de trabalho.
	O supervisor Frederico, profissional experiente e um dos responsáveis pela contratação e pelo desenvolvimento de Mário, conhecia-o bem. Observou seu comportamento e chamou Mário para conversar, tentando descobrir o que estava acontecendo. Mário lhe disse: \u201cEstá tudo bem. Estou apenas um pouco desorientado. Pode ficar tranqüilo que logo resolvo esses problemas.\u201d Apesar dessa garantia, o desempenho de Mário continuava fraco.
	Preocupado, Frederico consultou o departamento de RH para obter informações. Uma consulta à ficha de Mário mostrou que ele havia solicitado transferência duas vezes para alguma outra área da empresa. Há duas semanas ele havia novamente pedido transferência, dessa vez para a ferramentaria, mas haviam lhe dito que ele não possuía as qualificações de escolaridade necessárias para ser promovido/transferido a uma função especializada.
Questões:
O que Frederico deve fazer como fator preventivo nesse caso?
Como Frederico deve abordar Mário?
Como esse tipo de problema pode se relacionar com a avaliação de desempenho?
O que o psicólogo organizacional poderia incrementar enquanto subsistemas de RH para auxiliar na resolução dos problemas apontados? Justifique suas respostas e estabeleça os passos necessários.