Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
79 pág.
Apostila Geotecnia experimental

Pré-visualização | Página 10 de 21

da umidade do solo em campo e 
em laboratório: 
a) Estufa a 105 – 110 ºC (laboratório); 
b) Speedy (geralmente utilizado em campo); 
c) Fogareiro a Álcool (geralmente utilizado em campo); 
d) Estufa a 60 ºC (laboratório, no caso da suspeita de existência de matéria orgânica); 
e) Densímetro nuclear (utilizado em campo); 
f) Balança com infravermelho (laboratório); 
g) Frigideira (utilizado em campo); 
h) Microondas (para alguns solos que possuem óxidos, como ferro e alumínio, não é indicado); 
Norma: NBR 6457/1986 (Anexo – Determinação do teor de umidade de solos). 
Objetivo: Determinação das massas de água e de sólidos existentes em um mesmo volume de solo, 
necessárias para o cálculo do teor de umidade. 
Aparelhagem: balanças, estufa, cápsulas, pinças, etc. 
Execução do Ensaio: 
a) Tomar uma quantidade de material, conforme mostrado na Tabela 3.1, destorroá-lo, colocá-lo, no 
estado fofo, em cápsulas metálicas e tampá-la. Pesar o conjunto, com resolução correspondente, e 
anotar M1; 
Tabela 3.1 - Quantidade de material em função da dimensão dos grãos maiores 
Balança a ser utilizada Dimensão dos grãos 
maiores contidos na 
amostra, determinada 
visualmente (mm) 
Quantidade de material 
(em massa seca) a tomar 
(g) 
Capacidade 
nominal (g) 
Resolução (g) 
< 2 30 200 0,01 
2 a 20 30 a 300 1500 0,1 
20 a 76 300 a 3000 5000 0,5 
 
b) Remover a tampa e colocar a cápsula em estufa, à temperatura de 105 ºC a 110 ºC, onde deve 
permanecer até apresentar constância do material, podendo intervalos maiores ser necessários 
dependendo do tipo e quantidade de solo ou se o mesmo estiver muito úmido; 
Rideci Farias. Haroldo Paranhos. 
Engenheiro Civil e Geotécnico, D. Sc. Engenheiro Civil e Geotécnico, M. Sc. 
CREA/ PA 9736 – D. CREA/DF 9649 – D. 
Geotecnia Experimental - 1º semestre 2012 30 
Observação 3.1: Solos orgânicos, turfosos ou contendo gipsita devem ser secados em estufa, à 
temperatura de 60 ºC a 65 ºC, requerendo intervalos maiores de secagem; 
A norma manda, que após a secagem, a cápsula seja transferida para um dessecador até a constância 
da massa, entretanto iremos desprezar essa etapa. Coloca-se a tampa da cápsula e pesa-se, e anota 
como M2; 
Efetuar no mínimo, três determinações do teor umidade por amostra; 
 
Cálculos: 
Determinar o teor de umidade, utilizando-se a expressão: 
 
100
32
21
x
MM
MMh
−
−
= 
Onde: 
h = teor de umidade, em % 
M1 = massa do solo úmido mais a massa do recipiente, em g; 
M2 = massa do solo seco mais a massa do recipiente, em g; 
M3 = massa do recipiente (cápsula metálica com tampa), em g. 
Resultados: 
Exprimir o resultado com aproximação de 0,1 %; 
Indicar a temperatura de secagem do material, se esta for diferente de 105 ºC a 110 ºC. 
 
Rideci Farias. Haroldo Paranhos. 
Engenheiro Civil e Geotécnico, D. Sc. Engenheiro Civil e Geotécnico, M. Sc. 
CREA/ PA 9736 – D. CREA/DF 9649 – D. 
Geotecnia Experimental - 1º semestre 2012 31 
Capsula N° 4 9 3 Capsula N° 5 11 7
tara (g) 12,05 11,74 11,70 tara (g) 11,92 11,71 11,72
tara + Ph (g) 22,09 21,58 21,34 tara + Ph (g) 29,50 32,57 31,32
tara + Ps (g) 20,10 19,66 19,45 tara + Ps (g) 26,11 28,50 27,54
Pa (g) 1,99 1,92 1,89 Pa (g) 3,39 4,07 3,78
Ps (g) 8,05 7,92 7,75 Ps (g) 14,19 16,79 15,82
Umidade (%) 24,72 24,24 24,39 Umidade (%) 23,89 24,24 23,89
w(%) 24,45 w (%): 24,01
Capsula N° 4 9 3 Capsula N° 5 11 7
tara (g) 12,05 11,74 11,70 tara (g) 11,92 11,71 11,72
tara + Ph (g) 22,09 21,58 21,34 tara + Ph (g) 29,50 32,57 31,32
tara + Ps (g) 20,10 19,66 19,45 tara + Ps (g) 26,11 28,50 27,54
Pa (g) 1,99 1,92 1,89 Pa (g) 3,39 4,07 3,78
Ps (g) 8,05 7,92 7,75 Ps (g) 14,19 16,79 15,82
Umidade (%) 24,72 24,24 24,39 Umidade (%) 23,89 24,24 23,89
w(%) 24,45 w (%): 24,01
Capsula N° 4 9 3 Capsula N° 5 11 7
tara (g) 12,05 11,74 11,70 tara (g) 11,92 11,71 11,72
tara + Ph (g) 22,09 21,58 21,34 tara + Ph (g) 29,50 32,57 31,32
tara + Ps (g) 20,10 19,66 19,45 tara + Ps (g) 26,11 28,50 27,54
Pa (g) 1,99 1,92 1,89 Pa (g) 3,39 4,07 3,78
Ps (g) 8,05 7,92 7,75 Ps (g) 14,19 16,79 15,82
Umidade (%) 24,72 24,24 24,39 Umidade (%) 23,89 24,24 23,89
w(%) 24,45 w (%): 24,01
Capsula N° 4 9 3 Capsula N° 5 11 7
tara (g) 12,05 11,74 11,70 tara (g) 11,92 11,71 11,72
tara + Ph (g) 22,09 21,58 21,34 tara + Ph (g) 29,50 32,57 31,32
tara + Ps (g) 20,10 19,66 19,45 tara + Ps (g) 26,11 28,50 27,54
Pa (g) 1,99 1,92 1,89 Pa (g) 3,39 4,07 3,78
Ps (g) 8,05 7,92 7,75 Ps (g) 14,19 16,79 15,82
Umidade (%) 24,72 24,24 24,39 Umidade (%) 23,89 24,24 23,89
w(%) 24,45 w (%): 24,01
SEPS AV. W5 SUL – EQ 708/907 – Brasília - DF – CEP: 70390-070 - Fone: 443-2769 – Fax: 443-2933
Umidade 
Amostra: Amostra:
Umidade 
Amostra:
Umidade Umidade 
Departamento de Engenharia Civil - Laboratório de Geotecnia
EXPERIMENTO 01 - ENSAIO PARA DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO
ABNT / NBR 6457 - Amostras de solo - Preparação para ensaio de compactação e ensaios de 
caracterização
Amostra: Amostra:
Umidade Umidade 
Amostra: Amostra:
Umidade Umidade 
Amostra:
 
 IESPlan 
FacPlan 
Instituto de Ensino Superior 
Planalto 
Faculdades Planalto 
 
Rideci Farias. Haroldo Paranhos. 
Engenheiro Civil e Geotécnico, D. Sc. Engenheiro Civil e Geotécnico, M. Sc. 
CREA/ PA 9736 – D. CREA/DF 9649 – D. 
Geotecnia Experimental - 1º semestre 2012 32 
4.0. AULA 04 
4.1. EXPERIMENTO 02: MASSA ESPECÍFICA APARENTE COM BALANÇA 
HIDROSTÁTICA 
Norma: NBR 10838 – Solo – Determinação da massa específica aparente de amostras 
indeformadas, com emprego da balança hidrostática. 
Objetivo: Determinar o peso específico aparente de amostras indeformadas de solo, com emprego 
da balança hidrostática, sendo aplicável somente a materiais que possam ser adequadamente 
talhados. A amostra deve vir convenientemente protegida para o laboratório, de modo a evitar 
variação de umidade ou que perturbações mecânicas afetem o seu volume. 
4.1.1. Determinação da massa específica do solo 
São listados a seguir os principais métodos utilizados em laboratório e em campo para determinação 
do peso específico do solo. 
4.1.1.1. Em laboratório 
a) Cravação de cilindro biselado em amostras indeformadas; 
b) Cilindro de compactação; 
c) Imersão em mercúrio (amostra indeformada, pequena); 
d) Balança hidrostática, solo parafinado. 
4.1.1.2. Em campo 
a) Cravação do cilindro de Hilf; 
b) Método do cone de areia; 
c) Método do balão de borracha; 
d) Sonda de nêutrons. 
Aparelhagem: estufa, balança, balde com água, fio de nylon, fogareiro, faca, espátula , pincel, 
parafina, fósforo, etc. 
Execução do ensaio: 
a) Talhar um corpo-de-prova, utilizando-se faca e espátula, até que se obtenha uma conformação 
aproximadamente esférica, com diâmetro
Página1...67891011121314...21