Controle de Qualidade de Embalagem de Chá em sachê da Cymbopogon citratus
3 pág.

Controle de Qualidade de Embalagem de Chá em sachê da Cymbopogon citratus


DisciplinaFarmacognosia2.936 materiais27.582 seguidores
Pré-visualização1 página
Controle de Qualidade de Embalagem de Chá em sachê da Cymbopogon citratus, Stapf (Capim-cidreira)
	
INTRODUÇÃO
Segundo a definição proposta pela legislação sanitária federal que fixa a identidade e as características mínimas de qualidade dos chás é a Resolução RDC Anvisa nº 277, de 22 de setembro de 2005, da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que estabelece o Regulamento Técnico para Café, Cevada, Chá, Erva-Mate e Produtos Solúveis. No item 2.2 do citado Regulamento, o chá é definido como: \u201co produto constituído de uma ou mais partes de espécie(s) vegetal(is) inteira(s), fragmentada(s) ou moída(s), com ou sem fermentação, tostada(s) ou não, constantes de Regulamento Técnico de Espécies Vegetais para o Preparo de Chás. O produto pode ser adicionado de aroma e ou especiaria para conferir aroma e ou sabor\u201d. \u201cO produto deve ser designado de "Chá", seguido do nome comum da espécie vegetal utilizada, podendo ser acrescido do processo de obtenção e ou característica específica. Podem ser utilizadas denominações consagradas pelo uso\u201d, segundo o item 3.2 dessa Resolução. Dentro da 277 existe ainda a definição de chá solúvel que estabelece: \u201cOs produtos solúveis são aqueles resultantes da desidratação do extrato aquoso de espécie(s) vegetal(is) prevista(s) neste Regulamento e em Regulamento Técnico específico, obtidos por métodos físicos, utilizando água como único agente extrator. Estes podem ser adicionados de aroma\u201d. Segundo a mesma no item 3.6.2, este produto pode ser designado da seguinte forma: \u201cChá\u201d seguido do nome comum da espécie vegetal utilizada ou do nome consagrado pelo uso, mais a expressão \u201cSolúvel\u201d, podendo constar expressões relativas ao processo de obtenção. O chá é uma bebida preparada a partir de partes de espécies vegetais como folhas, ramos, flores, frutos, raízes ou casca. É importante frisar que não são todas as espécies vegetais, nem qualquer parte da planta, que podem ser utilizadas para o preparo de chás. As espécies vegetais e as partes do vegetal permitidas para o preparo de chás estão estabelecidas na Resolução RDC Anvisa nº 267, de 22 de setembro de 2005 que aprova o "Regulamento Técnico de Espécies Vegetais para o Preparo de Chás. Vale salientar que a RDC da Anvisa nº 27, de 06 de agosto de 2010, dispõe sobre as categorias de alimentos e embalagens isentos e com obrigatoriedade de registro na Anvisa/ Ministério da Saúde. No Anexo I, deste Regulamento estão dispostas as categorias de alimentos dispensadas de registro. O chá e o chá solúvel estão enquadrados na categoria de CAFÉ, CEVADA, CHÁ, ERVA-MATE E PRODUTOS SOLÚVEIS, portanto estão dispensados da obrigatoriedade de registro na Anvisa.
ENSAIO REALIZADO
De acordo com a legislação os rótulos dos chás devem conter algumas informações para o consumidor, tais como:
Denominação de venda do alimento;
Lista de ingredientes;
Conteúdos líquidos;
Identificação da origem;
Nome ou razão social e endereço do importador, no caso de alimentos importados;
Identificação do lote;
Prazo de validade; e
Instruções sobre o preparo e uso do alimento, quando necessário.
RESULTADOS
As duas marcas foram analisadas de acordo a legislação vigente e nesse sentido foram achados os seguintes resultados..
	
	Leão
	Lin Tea
	Denominação de venda do alimento
	X
	X
	Lista de ingredientes
	X
	X
	Conteúdos líquidos
	X
	-
	Identificação da origem
	
	
	Nome ou razão social e endereço 
	X
	X
	Identificação do lote
	X
	X
	Prazo de validade
	X
	X
	Instruções sobre o preparo e uso 
	X
	X
	Informações nutricionais 
	X
	-
Tabela 1. Comparação de duas Marcas de Chás quanto às informações do rótulo
DISCUSSÃO
Nas análises de controle de qualidade de embalagens dentro da RDC 259/2005 e da RDC 277/2005, versam que não são necessárias informações nutricionais mais algumas marcas apresentaram esses dados. Além disso, todos os critérios acerca da rotulagem de medicamentos estão descritos na RDC nº 333/2003. Os chás podem adotar uma denominação comercial (marca) ou nome popular ou, ainda, sinônimo usual da literatura técnica. Na falta de um nome popular ou sinônimo, poderá ser adotada uma parte da nomenclatura botânica associada ao nome da empresa. Após o nome comercial, deve constar a nomenclatura botânica (gênero e espécie). Todas estas características estavam de acordo em nossa amostra. Além disso, os rótulos devem conter o nome do responsável técnico juntamente com o número de inscrição e sigla do Conselho Regional de Farmácia, o que não foi observado na nossa amostra, verificou-se também a data de fabricação e peso dos sachês, ao qual ambas as marcas se enquadraram nos requisitos predispostos das RDC. 
REFERÊNCIAS
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 277,Vde 22 de setembro de 2005. Regulamento Técnicopara Café, Cevada, Chá, Erva-Mate Produtos Solúveis. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 ago.2005.
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 267, de 22 de setembro de 2005. Regulamento Técnico de Espécies Vegetais para o Preparo de Chás. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 ago.2005.
BRASIL. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 27, de 06 de agosto de 2010. Dispõe sobre as categorias de alimentos e embalagens isentos e com obrigatoriedade de registro sanitário. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 09 ago.2010.
BRASIL. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 333, de 19 de novembro de 2003. Dispõe sobre rotulagem de medicamentos. e outras providências. Diário Oficial de União, Brasília, DF, 19 nov. 2003. 
BRASIL. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 259, De 20 de Setembro de 2002. Aprova o regulamento técnico sobre rotulagem de alimentos embalados. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 Set. 2002.