Federici, SIlvia Caliba e a bruxa pdf
515 pág.

Federici, SIlvia Caliba e a bruxa pdf

Disciplina:Feminismo231 materiais400 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Calibã e a Bruxa:
mulheres, corpo e acumulação primitiva

Silvia Federici

2004

tradução do coletivo Sycorax
http://coletivosycorax.org/indice/

Sumário

Nota de edição e tradução brasileira.........................1

Prefácio.....................................................................5

Introdução.................................................................13

Capítulo I...................................................................32

O mundo inteiro precisa de uma sacudida

Os movimentos sociais e a crise política na Europa medieval

Introdução
A servidão como relação de classe
A luta pelo comum
Liberdade e divisão social
Os movimentos milenaristas e heréticos
A politização da sexualidade
As mulheres e a heresia
Lutas urbanas
A peste negra e a crise do trabalho
A política sexual, o surgimento do Estado e a contrarrevolução

Capítulo II..................................................................108

A acumulação de trabalho e a degradação das mulheres 

Construindo a “diferença” na “transição para o capitalismo”

Introdução
A acumulação capitalista e a acumulação de trabalho
A privatização da terra na Europa, produção de escassez e separação entre
produção e reprodução
A Revolução dos Preços e a pauperização da classe trabalhadora europeia

A intervenção estatal na reprodução do trabalho: a assistência aos pobres
e a criminalização dos trabalhadores
Diminuição da população, crise econômica e disciplinamento das mulheres
A desvalorização do trabalho feminino
As   mulheres   como   novos   bens   comuns   e   como   substituto   das   terras
perdidas
O patriarcado do salário
A   domesticação   das   mulheres   e   a   redefinição   da   feminilidade   e   da
masculinidade: as mulheres como os selvagens da Europa
A colonização, a globalização e as mulheres
Sexo, raça e classe nas colônias
O capitalismo e a divisão sexual do trabalho

Capítulo III.................................................................236

O grande Calibã

A luta contra o corpo rebelde

Capítulo IV................................................................293

A grande caça às bruxas na Europa

Introdução
As épocas de queima de bruxas e a iniciativa estatal
Crenças diabólicas e mudanças no modo de produção
Caça às bruxas e sublevação de classes
A caça às bruxas, a caça de mulheres e a acumulação do trabalho
A caça às bruxas e a supremacia masculina: a domesticação das mulheres
A caça às bruxas e a racionalização capitalista da sexualidade
A caça às bruxas e o Novo Mundo
A bruxa, a curandeira e o nascimento da ciência moderna

Capítulo V.................................................................396

Colonização e cristianização

Calibã e as bruxas no Novo Mundo

Introdução
O nascimento dos canibais
Exploração, resistência e demonização
Mulheres e bruxas na América
As bruxas europeias e os “índios”

A caça de bruxas na América

Bibliografia ...............................................................439

Nota de edição e 

tradução brasileira

Antes   de   mais   nada,   agradecemos   a   generosidade   e
confiança   de   Silvia   Federici,   que   respondeu   afetiva   e
afirmativamente   à   nossa   consulta   sobre   a   possibilidade   de
editar o livro no Brasil. O diálogo com a editora Traficantes de
Sueños que, através de Beatriz García, nos facilitou o contato
com a autora, também foi fundamental.

A  tradução  para  o  português  de  Calibã   e  a  bruxa  foi
realizada   a   partir   do   original   escrito   em   inglês   por   Silvia
Federici   em   2004,   tomando   como   referência   adicional   a
tradução   para   o   espanhol   realizada   por  Veronica  Hendel   e
Leopoldo   Sebastian   Touza   para   a   editora   Traficantes   de
Sueños.

Na medida do possível, foram oferecidas referências das
obras   citadas   por   Silvia   Federici   em   sua   versão   na   língua
portuguesa.   Quando   encontramos   as   obras   citadas   em
português, indicamos ao final de cada referência bibliográfica.
As   traduções   das   citações   foram   nossas,   exceto   quando
pudemos nos referir a citações já reconhecidas, creditadas nas
notas de tradução.

Quanto   às   ilustrações,   foram   reproduzidas   da   edição
original.

O   livro   foi   editado   também  no  México,   Argentina   e
recentemente no Equador e na França. Essas outras publicações
revelam a importância da sua repercussão e estão vinculadas a

1

editoras   e   projetos   que   insistem   na   necessidade   de   ter
ferramentas  para o ciclo de  lutas  em curso,   formando assim
uma espécie de círculo conspiratório, que sem dúvida abre uma
série de novas possibilidades.

Aqui, pretendemos não somente justificar e comentar a
tradução, mas  também apresentar  outras  formas de mediar  e
implicar  a  publicação,   tanto  no movimento  feminista  quanto
nas discussões realizadas pelas esquerdas. Esta obra se projeta,
assim, com bastante pertinência após as ondas de levantes em
todo   o  mundo.   Vem   em   um   interessante  momento   para   o
movimento   feminista   na   América   Latina,   no   qual   a
contribuição   dos   afrodescendentes   e   indígenas   recolocou
conceitos   e   afirmou   posicionamentos   que   provocaram
mudanças no movimento feminista, além de suscitar uma certa
inquietude   sobre   as   bases   e   fontes   do   conhecimento   no
Ocidente.

Para   o  coletivo   sycorax,   a   importância   de   realizar   a
edição   deste   livro   reside   na   possibilidade   de   difundir
amplamente a obra no Brasil, e também contribui para ampliar
a compreensão das consequências do processo de acumulação
primitiva do capital nas Américas, da falta de reconhecimento
de direitos de alguns grupos oprimidos e na perda de direitos
comuns, arduamente conquistados, a técnicas de controle social
e   extermínio,   como   é   o   caso   da   caça   às   bruxas.   Assim,
convidamos diferentes coletivos para debater o tema da atual
caça às bruxas no Brasil, as estratégias que são relançadas pelo
capitalismo a cada grande crise e também as possibilidades de
resistência.  Para   além de  pensar   o   tema  apenas  no   caso  da
atuação da Inquisição no Brasil e da caça às bruxas no período
colonial,   entendemos   que   esse   fenômeno   está   presente   nas
mulheres vítimas da violência do Estado, o que se explicita no
encarceramento  massivo   de  mulheres   negras,   na   laqueadura
forçada de mulheres negras no Sistema Único de Saúde (SUS)

2

brasileiro,   nos   corpos   das   vítimas   de   violência   policial   nas
periferias do Brasil, entre tantos paralelos essenciais.

A   publicação   em   português   é   uma   iniciativa
independente e coletiva, ligada ainda a diversas iniciativas de
ampliar a  circulação e compreensão de produções feministas
críticas   e   interseccionais   a   partir   da   proposição   de   debates.
Nesse   sentido,   a   gestação  do  projeto   em  meio   à   equipe  da
Revista Geni e os caminhos específicos que o coletivo Sycórax
trilha contam com a oportunidade única de inaugurar a ala das
traduções   de   livros   completos   com   essa   obra   de   fôlego   de
Silvia Federici.

Encerramos   recomendando   a   leitura  de  Revolução   em
punto   cero.   Trabajo   doméstico,   reproducción   y   luchas
feministas  [Revolução   no   ponto   zero.   Trabalho   doméstico,
reprodução   e   lutas   feministas],   uma   compilação   de   textos
escritos por Federici que nos ofereceu mais um entendimento
da forma de narrar e articular as fontes históricas e referências
que fundamentam a argumentação da autora.

Acrescentamos   algumas   notas,   e   as   identificamos   da
seguinte maneira: [N.T.E.] e [N.E.E] para, respectivamente,
nota de tradução do espanhol e nota de edição em espanhol, e
[N.T.P.]   para   nota   da   tradução   em   português.   Notas   sem