Sistema nervoso central e periférico
6 pág.

Sistema nervoso central e periférico


DisciplinaNeuroanatomia e Neurofisiologia1.994 materiais11.617 seguidores
Pré-visualização1 página
Sistema nervoso central e periférico 
Texto Prof. Luca Mantovanelli 
 
Princípios gerais 
 A manutenção do equilíbrio dinâmico interno dos organismos é feita pela 
ação integradora e coordenada dos sistemas nervoso, endócrino e imune, que 
resulta em padrões de respostas comportamentais e fisiológicas adequadas às 
condições externas e internas dos indivíduos. O enfoque será a descrição dos 
princípios gerais do sistema nervoso com relação à sua organização estrutural e 
o funcionamento dos seus componentes motores. 
Organização do sistema nervoso 
Quais partes compõe o sistema nervoso? 
As unidades funcionais básicas do sistema nervoso são os neurônios, 
capazes de receber e transmitir informações por meio de sinapses químicas e 
elétricas. O sistema nervoso é composto por mais 100 bilhões de neurônios 
agrupados em estruturas especializadas, que podem ser classificadas em 
sistema nervoso central e sistema nervoso periférico. 
 
Figura 1. Estrutura e componentes do sistema nervoso. 
 
 
Figura 2. Divisão sistema nervoso 
O sistema nervoso central é o responsável pela recepção e integração de 
informações, da tomada de decisões e do envio de ordens. Já o sistema nervoso 
periférico transmite as informações provenientes dos órgãos sensoriais para o 
sistema nervosos central, e deste para os músculos e glândulas. O sistema 
nervos periférico é subdividido em somático e autônomo ou visceral. 
O sistema nervoso periférico é composto por nervos que se projetam da 
medula e inervam o resto do corpo. Além dos nervos originados na medula, 
existem ainda doze pares de nervos cranianos, que inervam principalmente a 
cabeça e tem origem no tronco encefálico. Enquanto os nervos espinhais são 
componentes do sistema nervoso periférico somático e autônomo, alguns nervos 
cranianos fazem parte destes sistemas periféricos e outros do sistema nervos 
central. 
 
Figura 3. Apenas uma breve recordação dos 12 pares de nervos cranianos. 
 Sistema nervoso periférico 
O sistema nervoso periférico é composto por fibras nervosas que 
transportam informações entre o sistema nervoso central e as outras partes do 
organismo. 
Desse modo, as fibras do sistema nervoso periférico podem ser 
classificadas em aferentes, captam e transmitem a informação provindas de 
estímulos sensoriais e vicerais ao sistema nervoso central, e eferentes, que 
transmitem as informações provenientes do sistema nervoso periférico, 
relacionadas com o controle das musculaturas esquelética, lisa e cardíaca, da 
secreção de glândulas e os órgãos viscerais. A porção eferente do sistema 
nervoso periférico é subdividida em somático, constituído por fibras de neurônios 
motores que inervam os músculos lisos e cardíacos, as glândulas e outros 
órgãos não motores. O sistema nervoso autônomo é ainda subdividido em 
sistema simpático e parassimpático. 
Sistema nervoso Autônomo 
O sistema nervoso autônomo ou visceral, possui uma via aferente, 
sempre relacionada as vísceras ou a musculatura lisa e cardíaca. O sistema 
nervoso autônomo é subdividido em simpático e parassimpático, ambos atual 
constantemente regulando o comportamento emocional e a homeostasia 
(equilíbrio fisiológico) 
 
Figura 4. Subdivisão do sistema nervoso autônomo. 
Sistema nervoso simpático 
Composto por neurônios adrenérgicos (secreção de adrenalina), o 
sistema nervoso simpático regula as funções mediante a sinais potencialmente 
perturbadores. O mecanismo de luta e fuga, é uma característica evolutiva do 
ser humano, o qual prepara o organismo para situações estressantes. Em ação 
integrada do sistema sensorial e o hipotálamo, esse mecanismo permite 
respostas rápidas à situações de perigo, atua no organismo de forma sistêmica 
provocando alterações fisiológicas: 
- Aumento da frequência cardíaca 
- Aumento da frequência respiratória 
- Vasodilatação periférica 
- Aumento da temperatura corporal 
- Aumento da glicemia 
- Sudorese 
 
 
Sistema nervoso parassimpático 
Composto por neurônios colinérgicos (secretam acetilcolina), regula 
funções involuntárias relacionadas com mecanismos de repouso e digestão. 
De forma contrária (antagônico) ao sistema símpatico, o sistema parassimpático 
atua integrando sinais sensoriais provocando reações sistêmicas alterando o 
comportamento fisiológico. 
- Diminui a frequencia cardiaca 
- Diminui frequencia respiratória 
- Diminui temperatura corporal 
- Mantém o metabolismo sob condições basais (normais) 
 
Sistema sensorial 
Os sistemas sensoriais compõe parte das vias aferentes do sistema 
nervoso periferico e podem ser classificados em três principais funções: sentir o 
ambiente externo, sentir o ambiente interno, e permeceber a movimentação e 
posicionamento do corpo. 
A percepção é feita por células especialiazadas, através de mecanismos 
que envolvem a abertura e o fechamento de canais iônicos e a ativação de 
receptores capazes de captar diferentes estímulos externos e internos. Os 
receptores destas células podem ser classificados funcionalmente como: 
exterorreceptores, interorreceptores e proprioceptores. Os receptores podem 
também ser classificados quanto ao tipo de energia que eles são capazes de 
integrar. Neste caso, podemos diferencia-los em: fotorreceptores, 
mecanorreceptores, quimioceptores, termorreceptores, nociceptores. Eles 
formam as sensações da: visão, audição, olfação, gustação, tato, equilibrio. 
Os receptores sensoriais são células sensíveis a uma forma de energia 
física. A energia física é convertida em potencial de ação para ser transmitida ao 
sistema nervoso central. Para que a mensagem seja interpretada, ocorrem duas 
etapas: Transdução do estímulo e condificação neural. 
Transdução do estímulo: Conversão do estímulo físico em 
despolarização ou polarização da membrana do neurônio sensitivo. 
Codificação neural: Sinal neural produzido pelo estímulo evoca uma 
descarga sequencial de potencial de ação, e este representa a informação.