A Psicologia das Cores   Eva Heller
541 pág.

A Psicologia das Cores Eva Heller


DisciplinaProdução Audiovisual312 materiais5.315 seguidores
Pré-visualização50 páginas
da vida cristã.
Antigamente as jovens iam a bailes de debutantes para iniciar sua vida social.
Nas assim chamadas altas rodas esse costume é mantido até hoje \u2013 as debutantes
sempre trajam vestidos de noite brancos.
Um símbolo do início é o ovo branco. Existe um mito mundialmente
propagado, de que o mundo saiu de um ovo. O ovo, como símbolo do início, no
cristianismo é também símbolo da ressurreição: Cristo ressuscitou na Páscoa, e
por isso nessa data são oferecidos ovos. Em alguns países, no último dia do ano as
pessoas comem roscas ou panquecas, que trazem felicidade por serem alimentos
feitos só de ingredientes brancos \u2013 ovos, farinha e leite.
O leite, a primeira nutrição que o homem recebe, é branco. Na história da
criação do hinduísmo o mundo consistia de um mar de leite. E existe a regra do
jogo de xadrez: as brancas começam!
3. A cor do bem e da perfeição
O bem: branco 42%· azul 18% · ouro 15%
A verdade: branco 35% · azul 23% · ouro 21%
O ideal / a perfeição: branco 26% · ouro 19% · azul 17%
A honestidade: branco 33% · azul 22% · ouro 16%
Branco-azul-dourado são as cores da verdade, da honestidade, do bem. O
branco ao lado do dourado e do azul: um acorde mais ideal não se pode imaginar.
O branco puro toma do ouro o material esplendor; o versátil azul se torna, ao lado
do branco, a cor das virtudes espirituais.
Branco é a cor dos deuses: Zeus apareceu para Europa como um touro
branco, para Leda ele apareceu como um cisne branco. O Espírito Santo se
mostra como uma pomba branca. Cristo é o cordeiro branco. O unicórnio branco
é o animal símbolo da Virgem Maria. E os anjos na maioria das vezes são
pintados vestindo branco e com asas brancas. Os demônios, ao contrário, têm
asas pretas \u2013 em sua maioria são asas de morcego.
Os animais brancos, quando não são deuses eles mesmos, têm alguma
ligação com o divino. Na Índia, o gado branco é a corporificação da Luz. Na
China, as garças brancas e a Íbis são pássaros sagrados da imortalidade. Os
grandes pássaros brancos são enviados celestes, pássaros alvissareiros; daí surgiu
a lenda de que os recém-nascidos seriam trazidos pelas cegonhas.
A cor dos deuses se tornou a cor dos sacerdotes. O branco é, desde a
Antiguidade, a cor predominante das vestimentas sacerdotais.
Na Igreja Católica, o branco é a cor litúrgica dos mais eminentes festejos. No
Natal, na Páscoa, em todas as festas que são datas comemorativas para prestar
honrarias a Cristo, a Maria ou a quaisquer outros santos que não sejam mártires
(nos dias dos mártires a cor é o vermelho, cor do sangue), os clérigos católicos
vestem branco durante a missa. Às vezes, as batinas são tão ricamente bordadas
a ouro que o branco mal se vê.
Exceção feita a esses serviços brancos prestados a Deus e fora da igreja,
somente o Papa traja branco. Na Igreja Católica vale a regra de cores: quanto
mais alta a posição hierárquica, mais claras são as vestes. Um padre traja preto,
um bispo violeta, um cardeal vermelho, o Papa branco. Branco é a cor de sua
categoria.
O branco, como cor proeminente, é usado também por reis e rainhas nas
ocasiões mais importantes: na coroação, reis e rainhas trajam branco. A rainha
Elisabeth profere sempre seu discurso anual de abertura do parlamento vestida
de branco \u2192 Fig. 53.
Antigamente, a pele mais nobre era a do arminho, que é um animal marrom,
parecido com a doninha, cuja pelagem no inverno se torna branca, e somente a
ponta de sua cauda permanece preta. Somente os reis tinham permissão para
usar arminho. Quando o príncipe Charles, em 1969, foi coroado príncipe da
Gales, ele usou uma capa guarnecida de arminho \u2013 até mesmo a coroa
confeccionada para essa ocasião era ornamentada de arminho, com a
característica mancha preta.
Soberanos democraticamente eleitos também aplicam a simbologia dessa
cor: não é por acaso que a residência oficial do presidente americano é chamada
de \u201cCasa Branca\u201d.
Também na moda tradicional para cavalheiros o branco é a cor suprema:
\u201cwhite tie\u201d (gravata branca) consta nos convites internacionais para grandes
bailes, nos convites franceses \u201ccravate blanche\u201d \u2013 pois efetivamente isso
significa a exigência de comparecer com gravata branca, algo muito diferente:
os cavalheiros devem se apresentar vestidos de fraque, e com fraque sempre se
usa gravata branca. Só um garçom usaria uma gravata preta com fraque. Um
convidado, ao contrário, só usa gravata preta quando traja smoking. \u201cWhite tie\u201d
impõe também às senhoras o traje obrigatório: vestido longo de noite. Na entrega
anual do Prêmio Nobel pode-se ver essa culminância dos trajes de festa.
Também o querido e inconvencional Günter Grass usou em 1999, quando lhe foi
outorgado o Prêmio Nobel de Literatura, um fraque com sobrecasaca e gravata
branca. As senhoras da família real sueca ouviram os discursos, como de
costume, em vestidos de baile típicos, com saia rodada.
O branco é uma cor absoluta. Quanto mais puro o branco, mais perfeito ele é.
Qualquer acréscimo só virá reduzir a perfeição.
4. A cor unívoca
A clareza: branco 36% · preto 25% · azul 13% · vermelho 10%
A exatidão: branco 20% · preto 17% · azul 16% · prata 8%
A clareza e a exatidão são os dois componentes mais fortes da verdade.
Branco ou preto, sim ou não, entre eles nada deve haver. De ambos esses
conceitos resulta o acorde branco-preto-azul.
Se bem que a verdade é mais diferenciada do que uma simples decisão entre
extremos. A aparência pode enganar: \u201cVacas pretas também dão leite branco\u201d,
costuma-se dizer com cuidado, ou: \u201cDe um ovo branco pode saltar um pintinho
preto.\u201d Quem quiser transformar o preto em branco tenta o impossível, quer
\u201calvejar um africano\u201d ou quer \u201cencontrar um corvo branco\u201d. O branco contra o
preto, essa é a batalha do bem contra o mal em muitas variantes. O dia contra a
noite; anjos contra demônios; de Branca de Neve \u2013 que traz o branco no nome \u2013
contra a bruxa má; nos filmes toscos de cowboy, os mocinhos usam chapéus
brancos e os bandidos, chapéus pretos.
Em inglês, branco significa também \u201cdecente\u201d. Uma \u201cmentira branca\u201d, a
white lie, é uma mentira cortês. Com branco, tudo se torna positivo.
5. O branco feminino
O sussurrante: branco 30%· rosa 15% · cinza 12% · azul 10% · prata 8%
Branco é o nome de cor mais comum internacionalmente, mas apenas e
exclusivamente como nome feminino: \u201cBranca\u201d \u2013 em italiano \u201cBianca\u201d, em
francês \u201cBlanche\u201d e \u201cBlanchette\u201d, do nome celta \u201cGenevieve\u201d veio \u201cJennifer\u201d,
do nome romano \u201cCandida\u201d veio \u201cCandy\u201d, e também o inglês \u201cFenella\u201d e o
irlandês \u201cFinola\u201d, traduzidos significam Branca. São especialmente apreciados os
nomes de flores brancas como nome de meninas, como Jasmim, Lili, Camila e
Margarida. Daisy é o nome americano da margarida. A mais famosa portadora
desse nome é Daisy Duck, a pata branca. Todos os nomes derivados de flores
estão reunidos na seguinte sessão \u2192 Branco 6.
O branco é feminino, é nobre, mas é fraco. Suas cores simbólicas contrárias
são o preto e o vermelho, as cores do poder e da força. Sua cor contrária
psicológica é sobretudo o marrom. Não existe nenhum acorde cromático em que
o marrom figure ao lado do branco, pois nada pode ser ao mesmo tempo puro e
sujo, nem leve e pesado. O branco é a cor do silencioso; o acorde branco-rosa-
cinza contém todas as cores de caráter reservado.
Na simbologia chinesa do Yin-Yang, o branco também pertence ao feminino,
ao Yin. Na Astrologia, o branco pertence à Lua, outro símbolo feminino. Mas
como o Sol é dourado, logicamente o prata combina melhor com a luz da Lua,
em função disso a maioria dos astrólogos substituem o branco pelo prata \u2192 Prata
8.
Pela divisão medieval dos quatro temperamentos, que são subdivididos
também em cores, temos:
Vermelho para o temperamento sanguíneo;
Amarelo para o colérico;
Preto para o melancólico;
Branco para o fleumático.
Branco é a cor dos tipos cujo caráter é tranquilo, passivo.
6. Prenomes e cores
O significado