NBR 6118   atualizada projeto de estruturas de concreto   procedimento
225 pág.

NBR 6118 atualizada projeto de estruturas de concreto procedimento


DisciplinaConcreto I6.755 materiais54.936 seguidores
Pré-visualização50 páginas
desnecessariamente danificada durante a execução do ensaio. 
Deve-se fazer a distinção entre o ensaio de aceitação e o ensaio de resistência: 
a) 
s icada até valores entre o valor característico e o valor de projeto 
b) o ensaio de resistência tem por objetivo mostrar que a estrutura ou o elemento estrutural tem pelo menos 
a resistência adotada para o projeto. Quando se seja uma avaliação somente de um elemento, é 
suficiente levar o carregamento até o valor de projeto para o ELU. Obviamente, como já salientado, 
deve-se tomar cuidado para não danificar a estrutura desnecessariamente. 
25.1 Aceitação do projeto 
Cabe ao contratante proceder ao re
particular aquelas prescritas na seção 5. 
Recebimento do concreto e do aço 
creto e o aço devem ser recebidos, desde que atendidas todas as exigências das ABNT NBR 12655, 
T NBR 7480, ABNT NBR 7481, ABNT NBR 7482 e ABNT NBR 7483. 
 Existência de não-conformidades em obras executadas 
 ser adotadas as seguintes ações corretivas: 
a) revisão do projeto para determinar se a ra, no todo ou em parte, pode ser con idera
considerando os valores obtidos nos ensaios; 
b) no caso negativo, devem ser extraídos e ensaiados testemu
se houver também deficiência de resistência do concreto cujos resultados devem ser avaliados de 
acordo com a ABNT NBR 12655, procedendo-se a seguir a nova verificação da estrutura visando sua 
aceitação, podendo ser utilizado o disposto em 12.4.1; 
c) não sendo finalmente eliminada a nã
pode também ser recomendada a pr
25.3.2 Ensaio de prova de carga da estrutura 
um mo
o ensaio de aceitação visa confirmar que o desempenho global da estrutura está em conformidade com 
as prescriçõe do projeto. A carga é apl
para o ELU. Podem ser estabelecidos requisitos para os deslocamentos, o grau de não linearidade e as 
deformações residuais, após o ensaio; 
de
ABNT NBR 6118:2003 
188 © ABNT 2004 \u2500 Todos os direitos reservados
 
25.3
onstatada a não-conformidade final de parte ou do todo da estrutura, deve ser escolhida uma das seguintes 
alternativas: 
a) determinar as restrições de uso da estrutura; 
b) providenciar o projeto de reforço; 
c) decidir pela demolição parcial ou total. 
25.4 Manual de utilização, inspeção e manutenção 
Dependendo do porte da construção e da agressividade do meio e de posse das informações dos projetos, 
dos materiais e produtos utilizados e da execução da obra, deve ser produzido por profissional habilitado, 
devidamente contratado pelo contratante, um manual de utilização, inspeção e manutenção. Esse manual 
deve especificar de forma clara e sucinta, os requisitos básicos para a utilização e a manutenção preventiva, 
necessárias para garantir a vida útil prevista para a estrutura, conforme indicado na ABNT NBR 5674. 
.3 Não-conformidade final 
C
ABNT NBR 6118:2003 
© ABNT 2004 \u2500 Todos os direitos reservados 189
 
Efeito do tempo no concreto estrutural 
to 
\u3b5c (
cc
calculado pela mesma expressão para 
1
\u3b5cc 
\u3d5 =
Anexo A 
(informativo) 
 
A.1 Generalidades 
As p crições deste anexo têm caráter informativo que podem, na falta de dados melhores, ser usados no 
proje de estruturas com concretos do grupo I da ABNT NBR 8953 cobertos por esta Norma. Outros valores 
res
podem ser usados, desde que comprovados experimentalmente, por meio de ensaios realizados de acordo 
com Normas Brasileiras específicas, levando em conta variações nas características e propriedades dos 
componentes do concreto, ou ainda desde que respaldados por normas internacionais ou literatura técnica. 
A.2 Deformações do concreto 
A.2.1 Introdução 
Quando não há impedimento à livre deformação do concreto, e a ele é aplicada, no tempo t0, uma tensão 
constante no intervalo t \u2013 t0, sua deformação total, no tempo t, vale: 
t) = \u3b5c (t0) + \u3b5cc (t) + \u3b5cs (t) 
onde: 
\u3b5c (t0) = \u3c3c (t0) / Eci (t0) é a deformação imediata, por ocasião do carregamento, com Eci (t0) calculado, 
1/2para j = t0, pela expressão: Eci(t0) = 5 600 fckj ; 
\u3b5 (t) = [\u3c3c (t0) / Eci28] \u3d5 (t, t0) é a deformação por fluência, no intervalo de tempo (t, t0), com Eci28 
j = 28 dias; 
\u3b5cs (t) é a deformação por retração, no intervalo de tempo (t, t0). 
A.2.2 Fluência do concreto 
A.2.2. Generalidades 
A deformação por fluência do concreto (\u3b5cc) compõe-se de duas partes, uma rápida e outra lenta. A 
deformação rápida (\u3b5cca) é irreversível e ocorre durante as primeiras 24 h após a aplicação da carga que a 
originou. A deformação lenta é por sua vez composta por duas outras parcelas: a deformação lenta 
irreversível (\u3b5ccf) e a deformação lenta reversível (\u3b5ccd). 
= \u3b5 cca + \u3b5ccf + \u3b5ccd 
\u3b5c,tot = \u3b5c + \u3b5cc = \u3b5c (1 + \u3d5) 
 \u3d5a + \u3d5f + \u3d5d
onde: 
\u3d5a é o coeficiente de deformação rápida; 
ABNT NBR 6118:2003 
190 © ABNT 2004 \u2500 Todos os direitos reservados
 
 c
\u3d5f é o coeficiente de deformação lenta irreversível; 
\u3d5d é o coeficiente de deformação lenta reversível. 
A.2.2.2 Hipóteses 
Para o cálculo dos efeitos da fluência, do as tensões no concreto são as de serviço, admitem-se as quan
seguintes hipóteses: 
a) a deformação por fluência \u3b5cc varia linearmente com a tensão aplicada; 
b) para acréscimos de tensão aplicados em instantes distintos, os respectivos efeitos de fluência se 
superpõem; 
c) a formação rápida produz deformações constantes ao longo do tempo; os valores do coeficiente \u3d5de a são 
função da relação entre a resistência do concreto no momento da aplicação da carga e a sua resistência 
final; 
d) o oeficiente de deformação lenta reversível \u3d5d depende apenas da duração do carregamento; o seu 
valor final e o seu desenvolvimento ao longo do tempo são independentes da idade do concreto no 
momento da aplicação da carga; 
e) o coeficiente de deformação lenta irreversível \u3d5f depende de: 
\u23af umidade relativa do ambiente (U); 
\u23af consistência do concreto no lançamento; 
\u23af espessura fictícia da peça hfic (ver A.2.4); 
\u23af idade fictícia do concreto (ver A.2.4) no instante (t0) da aplicação da carga; 
\u23af idade fictícia do concreto no instante considerado (t); 
f) para o mesmo concreto, as curvas de deformação lenta irreversível em função do tempo, 
correspondentes a diferentes idades do concreto no momento do carregamento, são obtidas, umas em 
relação às outras, por deslocamento paralelo ao eixo das deformações, conforme a figura A.1. 
 
Figura A.1 - Variação de \u3b5 (t) ccf 
ABNT NBR 6118:2003 
© ABNT 2004 \u2500 Todos os direitos reservados 191
 
A.2.2.3 Valor da fluência 
No instante t a deformação devida à fluência é dada por: 
( )0cccfccdcca0cc t,t \u3b5\u3b5\u3b5)(t,t\u3b5 \u3d5=++= \u3c3
28cE
com Ec28 calculado, para j = 28 dias, pela expressão: Ec28 = Eci,28 = 5 600 fck1/2
O coeficiente de fluência \u3d5 (t,t0), válido também para a tração, é dado por: 
( ) ( )[ ] dtttt \u3b2\u3d5+\u3b2\u2212\u3b2\u3d5+\u3d5=\u3d5 \u221e\u221e d0fffa0 ),( 
onde: 
t é a idade fictícia do concreto no instante considerado, em dias; 
t é a idade fictícia do concreto ao ser feito o carregamento único, em dias; 0 
t é a idade fictícia do concreto ao ser feito o carregamento, em dias; 0i 
\u3d5a é o coeficiente de fluência rápida, determinado pela expressão: 
\u23a5\u23a2 \u2212=\u3d5 18,0 0ca \u23a4\u23a1 )(tf \u23a6\u23a3 \u221e )(c tf
onde: 
)(tf
 é a função do crescimento da resistência do concreto com a idade, definida em 12.3; )( 0c tf
c \u221e
\u3d5f\u221e = \u3d5 1c \u3d5 2c é o valor final do coeficiente de deformação lenta irreversível; 
\u3d51c é o coeficiente dependente da umidade relativa do ambiente U, em porcentagem, e da 
consistência do concreto dada pela tabela A.1; 
\u3d52c é o coeficiente dependente da espessura fictícia hfic da peça, definida em A.2.4. 
fic42 h+
fic
c2 20 h+=\u3d5 
onde: 
hfic é a espessura fictícia, em centímetros (A.2.4); 
\u3b2f(t) ou \u3b2f (t0) é o coeficiente relativo à deformação lenta irreversível, função da idade do concreto 
(ver figura A.2); 
\u3d5d\u221e é o valor final do coeficiente de