Livro   I Congresso Ibero Americano ABOP   Rev04 (com marcadores)
368 pág.

Livro I Congresso Ibero Americano ABOP Rev04 (com marcadores)


DisciplinaOrientação Profissional651 materiais4.227 seguidores
Pré-visualização50 páginas
& 
Sociedade, 22(3).
Leal, M. S. (2013). Autoeficácia percebida em desenvolvimento de carreira e interesses profissionais em estudantes do Ensino Médio Regular e 
Técnico. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
Lent, R., Brown, S. D., & Hackett, G. (1994). Towards a unifying social cognitive theory of career and academic interests, choice and performance. 
Journal Vocational Behavior, 45,79-122. 
Lopes, A. R. (2010). Projectos vocacionais, crenças de auto-eficácia e expectativas parentais em estudantes do 7º ano de escolaridade em situação 
de sucesso/insucesso escolar (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.
Pelissoni, A. M. S. (2007). Auto-eficácia na transição para o trabalho e comportamento de exploração de carreira em licenciados. Dissertação de 
Mestrado, Faculdade de Educação, Universidade estadual de Campinas, Campinas. 
Teixeira, M. O., Barreira, C., Faria, I., Baptista, J., & Pimentel, A. L. (2011). Inventário de Auto-Eficácia para o Desenvolvimento de Carreira (CD-
SEI) (Career Development Self-efficacy Inventory) [CD-ROM]. Atas do Congresso Iberoamericano de Avaliação/Evaluación Psicológica, 8; 
Conferência Internacional Avaliação Psicológica: Formas e Contextos, 15.
Vieira, D.; & Coimbra, J. (2004). Fatores facilitadores para a transição para o trabalho: A perspectiva de finalistas do ensino superior. In M.C. 
Taveira, H. Coelho, H. Oliveira, & J. Leonardo (Orgs.). Desenvolvimento vocacional ao longo da vida: Fundamentos, princípios e orientações 
(pp.343-352). Coimbra: Almedina. 
Yuen, M., Gysbers, N., Chan, R. M. D., Lau, P. S. Y., Leung, T. K. M., Hui, E. K. P., Shea, P. M. K. (2005). Developing a career development self-efficacy 
instrument for Chinese adolescents in Hong Kong. International Journal for Educational and Vocational Guidance, 5, 57-73. http://dx.doi.
org/10.1007/s10775-005-2126-3
Yuen, M., Gysbers, N. C., Hui, E. K. P., Leug, T. K. M., Lau, P. S. Y., Chan, R. M. C., Ke, S. Y. (2004). Career development self-efficacy inventory: Users\u2019 
manual. Hong Kong, China: The University of Hong Kong.
PODE O OTIMISMO
INFLUENCIAR O DESENVOLVIMENTO
VOCACIONAL DOS ESTUDANTES?
INVESTIGANDO ESTUDANTES DO ENSINO
MÉDIO EM UMA ESCOLA PÚBLICA
DE HUMAITÁ \u2013 AMAZONAS
PO
DE
 O
 O
TIM
IS
MO
 IF
PARTE 1
INVESTIGAÇÕES E ENSAIOS TEÓRICOS
37-45 3
Karen Cibely da Silva Morais1, Josimar Maciel Cordeiro2, Fabiana Soares Fernandes3, 
Greicy Oliveira Nascimento4, Lenilda Molina Guerreiro Reis5
1 Graduanda do Curso de Licenciatura em Pedagogia na Universidade Federal do Amazonas. Aluna do Programa de Iniciação Científica-
PIBIC. cibelynog@hotmail.com
2 Graduando do Curso de Licenciatura em Letras na Universidade Federal do Amazonas. Aluno do Programa de Iniciação Científica-
PIBIC. josimarmaciel177@gmail.com
3 Doutora em Psicologia. Docente da Universidade Federal do Amazonas. fabianafernandes2801@gmail.com 
4 Graduanda do Curso de Licenciatura em Pedagogia na Universidade Federal do Amazonas. Aluna do Programa de Iniciação Científica-PIBIC. 
greicyoliveiran@hotmail.com
5 Pedagoga pela Universidade Federal do Amazonas. lenildamolina@gmail.com
Este trabalho vai discorrer sobre o Desenvolvimento Vocacional na 
Adolescência e possíveis fatores que podem influenciar nesse processo, tal 
como o otimismo. Para tal compreensão, faremos uma breve introdução so-
bre as variáveis que estão destacadas nesse estudo.
Entendemos a adolescência como uma etapa em que o indivíduo passa 
por mudanças corporais e psicológicas, as quais são imprescindíveis ao de-
senvolvimento humano. É uma etapa de transição em que já não se é mais 
criança, porém ainda não se têm status de adulto. Trata-se de um conceito 
cultural por se relacionar com processos sociais. É também um processo psi-
cossocial que dura por um pouco mais de 10 anos e se caracteriza pela transi-
ção entre a infância e a idade adulta. Já a puberdade é um conceito biológico, 
por se referir às mudanças físicas pelas quais o jovem passa. 
No que diz respeito às escolhas profissionais, estas são influenciadas por 
uma série de fatores, entre eles, a educação escolar, a família, aspectos sociais, 
Trabalho apresentado no I Congresso Ibero-Americano de Orientação de Carreira da ABOP / XII Simpósio Brasileiro de
Orientação Vocacional & Ocupacional, realizado de 16 a 19 de setembro de 2015 em Bento Gonçalves-RS, Brasil
Karen Cibely da Silva Morais, Josimar Maciel Cordeiro, Fabiana Soares Fernandes, Greicy Oliveira Nascimento, Lenilda Molina Guerreiro Reis
38
psicológicos, pessoais, econômicos e culturais, que irão construir um modelo 
de vida a ser seguido. Embora não sejam atualmente entendidas como um 
momento pontual nessa fase do desenvolvimento humano \u2013 a adolescência 
\u2013, é nesse momento que as escolhas precisam ser declaradas e assumidas 
pelos jovens diante da sociedade, pelo fato de este ser o momento que está 
mais próximo da tomada de decisões, principalmente, com relação à carreira 
profissional (Fernandes, 2014; Coimbra, 1997/98; Gonçalves, 2008). Dentre 
os aspectos psicológicos, destacamos nesse trabalho o otimismo, usualmente 
definido como um comportamento ou sentimento (Scheier & Carver, 1985 
citado por Hutz 2014; Ottati, 2014) que influencia positivamente várias áre-
as da vida como a saúde mental e física (Carver et al. 2010 citado por Pais-
Ribeiro, 2012). O otimismo, como condutor de aspectos positivos, poderá 
influenciar na escolha profissional, uma vez que leva o indivíduo à expectati-
va de que tudo vai dar certo. 
O objetivo do trabalho foi investigar em que etapa do Desenvolvimento 
Vocacional se encontram os jovens estudantes do ensino médio em uma 
escola pública do município de Humaitá-AM, bem como possíveis aspectos 
que podem estar influenciando esse processo. A fim de atender esse objetivo 
geral, buscou-se: (a) caracterizar em que etapa do desenvolvimento vocacio-
nal-DV se encontram os jovens finalistas do Ensino Médio; (b) analisar se o 
otimismo influencia no DV.
O trabalho está dividido em quatro partes. Num primeiro momento fare-
mos uma revisão da literatura, buscando apreender o que tem sido investigado 
sobre a temática em questão. Na sequência apresentaremos a metodologia 
utilizada, bem como todos os procedimentos adotados ao longo da realização 
deste trabalho. No terceiro momento apresentam-se os resultados encontra-
dos e a discussão dos mesmos e por fim apresentamos as considerações finais.
O que é o Desenvolvimento Vocacional
De acordo com Super (1984), citado por Fernandes, Gonçalves e 
Oliveira, (2014, p.233) \u201co desenvolvimento vocacional tende a ser uma 
série de pequenas, porém importantes decisões\u201d. A partir disto, entende-
mos que a decisão, no que se trata de vocação, não é resultado apenas de 
um simples e comum conhecimento adquirido sobre algumas profissões e 
cursos que o sistema de formação poderá oferecer; é também consequência 
das relações que o sujeito constrói com o mundo em que vive envolvendo-
-se de forma emotiva, cognitiva e comportamental. Ou seja, implica em 
um processo construtivo no ciclo vital, no qual diversos aspectos micro e 
macrossociais estão envolvidos, podendo o indivíduo sofrer influência tan-
to da família, dos amigos, da escola quanto da sociedade em geral. Essas 
escolhas tentem a ter maior \u201cpressão\u201d na fase da adolescência, quando 
o jovem é pressionado tanto pela escola, pelo fato de estar concluindo o 
Ensino Médio, quanto pela família que espera ansiosamente pelos resul-
tados dos vestibulares, e também pela sociedade, que de forma simbólica 
exige um posicionamento de todo e qualquer ser social que nela permane-
ça (Fernandes, 2014). \u201cEssa decisão vai interferir no estilo de vida que o 
Pode o otimismo influenciar o desenvolvimento vocacional? | 37-45
39
jovem passará a ter, podendo ou não proporcionar-lhe