Livro   I Congresso Ibero Americano ABOP   Rev04 (com marcadores)
368 pág.

Livro I Congresso Ibero Americano ABOP Rev04 (com marcadores)


DisciplinaOrientação Profissional651 materiais4.226 seguidores
Pré-visualização50 páginas
maturidade para a 
escolha. Melo-Silva, Oliveira e Coelho (2002) consideram que a maturidade 
para a escolha profissional ocorre quando o jovem se torna maduro para to-
mar decisões referentes ao mundo profissional, sendo esta uma das tarefas 
do desenvolvimento vocacional que busca equilibrar- se entre ganhos e perdas 
como consequências das decisões ocupacionais presentes na maturidade. Ao 
encontro destas considerações, Neiva (1998, 2014) menciona ser necessária 
a aquisição de determinados conhecimentos e de determinadas atitudes para 
que o jovem atinja maturidade para a decisão profissional. Segundo esses 
pressupostos teóricos, a maturidade para a escolha profissional compreende 
duas dimensões: as Atitudes e os Conhecimentos. A dimensão das atitudes 
compreende os elementos Determinação e Responsabilidade para a escolha 
profissional, bem como a Independência na definição da escolha; já a dimen-
são dos Conhecimentos envolve o Autoconhecimento e o Conhecimento da 
Realidade educativa e socioprofissional, (Neiva, 2003; Neiva, 2014), sendo 
que ambas as dimensões e subdimensões são importantes elementos relacio-
nados à maturidade para a escolha profissional.
Considerando todas essas informações, os incentivos governamentais à qua-
lificação e a necessidade de contínua formação profissional, questiona-se: qual o 
nível de maturidade para a escolha profissional de alunos ingressantes em cursos 
técnicos PRONATEC concomitantes nos anos finais do Ensino Médio? 
Maturidade para escolha profissional | 47-55
49
Método
Trata-se de um estudo de natureza quali-quantitativa constituída de 
amostra composta por 64 alunos ingressantes de cursos técnicos PRONATEC 
concomitantes, de uma instituição de ensino de um município da região da 
Grande Florianópolis. A amostra foi composta por alunos de ambos os sexos 
e com faixa etária que compreende de 15 a 19 anos de idade, sendo que 25 
alunos cursavam o Técnico em Logística, 23 o curso Técnico em RH e 16 o 
curso Técnico em Informática.
O instrumento utilizado para coleta de dados foi a Escala de Maturidade 
para a Escolha Profissional \u2013 EMEP, composta de 5 subescalas: Determinação, 
Responsabilidade, Independência, Autoconhecimento e Conhecimento da 
Realidade Educativa e Socioprofissional (Neiva, 2014). Este instrumento 
é uma escala de tipo Likert com cinco modalidades de resposta, composta 
de 45 afirmações que indicam atitudes com relação à escolha profissional. A 
aplicação da escala foi realizada pelos pesquisadores mediante autorização 
da instituição de ensino e se deu de forma coletiva em sala de aula, confor-
me instruções do manual. O tempo médio de aplicação foi de 30 minutos, 
incluindo as explicações acerca dos objetivos da pesquisa, seu caráter volun-
tário e as instruções para preenchimento da escala. Os estudantes também 
responderam a um questionário constituído de duas perguntas abertas so-
bre motivos para escolha pelo curso de nível técnico e expectativas de futuro 
profissional.
Após a coleta de dados, os protocolos da EMEP foram avaliados de acordo 
com as orientações contidas no manual da escala (Neiva, 2014), obtendo-se 
o nível de maturidade por subescala (a saber, os níveis previstos pela EMEP 
são: muito inferior, inferior, médio inferior, médio, médio superior, supe-
rior e muito superior), para cada participante. Com essas informações, foi 
possível identificar quantos alunos (por curso técnico) atingiram determina-
do nível de maturidade para escolha profissional para cada subdimensão da 
EMEP. Estes dados foram analisados com estatísticas descritivas, proceden-
do-se com a comparação do nível de maturidade em porcentagem, em função 
das variáveis: curso escolhido, sexo e idade. As respostas dadas às perguntas 
do segundo questionário foram analisadas e classificadas em categorias de-
finidas a posteriori, de acordo com a metodologia de análise de conteúdo 
proposta por Bardin (2010). Foram elaboradas tabelas para apresentação dos 
resultados encontrados.
Resultados e Discussão
Da amostra total de alunos pesquisados, a média de idade é de 16 anos 
e a maioria (77%) são do sexo feminino. No curso de Informática, as idades 
variam entre 15 e 18 anos e 50% são do sexo masculino e 50% do sexo femi-
nino; em Logística 72% feminino e 28% masculino, com faixa etária entre 16 
e 19 anos e em Recursos Humanos, 96% do sexo feminino e 4% masculino 
sendo participantes de 15 a 18 anos.
Camila Felipe Tonn, Hellen Cristine Geremia, Lucas Schweitzer
50
Nível de
Maturidade
CURSO
Informática Logística Recursos Humanos
Muito Inferior 0% 0% 0%
Inferior 38% 8% 4%
Médio Inferior 13% 12% 22%
Médio 31% 60% 48%
Médio Superior 6% 12% 9%
Superior 6% 4% 17%
Muito Superior 6% 4% 0%
Total 100% 100% 100%
TABELA 1
Comparação do nível de maturidade total dos participantes da pesquisa, de acordo com o curso que frequentam
A partir dos dados apresentados na tabela 1, é possível observar que boa 
parte dos jovens que frequentam o curso de Informática apresentam níveis 
inferiores de maturidade total para escolha profissional. Entre os estudantes 
do curso de Logística e RH, prevalecem os níveis médios de maturidade. Ao 
estratificar os dados coletados de acordo com a idade dos participantes, per-
cebe-se que entre os jovens matriculados no curso de Informática, aqueles 
com idades entre 15 e 17 anos apresentam níveis inferiores de maturidade 
total para escolha, sendo que a maioria dos alunos com 18 anos passam a 
apresentar níveis médios. No curso de Logística, os alunos com 16, 17 e 18 
anos apresentam nível médio de maturidade total, subindo para níveis su-
periores entre a maioria dos jovens com 19 anos. Em relação aos alunos do 
curso de RH, a maioria daqueles que possuem 15, 16 e 18 anos apresentaram 
nível médio de maturidade total para escolha. Nesse sentido, Neiva (2014) 
salienta que a maturidade aumenta em função do nível escolar, o que, no 
caso da presente pesquisa, também pode ser observado em relação a idade 
dos participantes. Apesar disso, entre os alunos do curso de RH, aqueles com 
17 anos apresentam níveis inferiores de maturidade para escolha, enquanto 
nas outras faixas etárias prevalece o nível médio. 
No que tange à análise da maturidade total dos participantes de acordo 
com o sexo, é possível perceber que não existem discrepâncias: cerca de meta-
de dos participantes dos dois sexos apresentaram indicativos de nível médio 
de maturidade, aproximadamente um terço dos estudantes apresentaram 
níveis inferiores e cerca de 20% níveis superiores, independente do sexo.
Com base nos dados presentes na tabela 2, verifica-se que os jovens que 
frequentam o curso de Informática apresentam menores níveis de maturida-
de para a escolha nos fatores Determinação e Conhecimento da Realidade. 
Sendo assim, ainda que esses jovens possuam pouco conhecimento em re-
lação à realidade profissional e educacional e estarem pouco decididos, de-
monstram preocupação e agem para efetivação da escolha.
A área de atuação em Tecnologia da Informação (TI) vem crescendo 
consideravelmente no mundo e especialmente no Brasil, onde apresentou 
Maturidade para escolha profissional | 47-55
51
TABELA 2
Distribuição do nível de maturidade dos jovens que frequentam o curso de técnico em Informática, pelo percentual total de 
indicações dos mesmos
um aumento de 15,4% em 2013 e 9,2% em 2014 (Beer, 2014). Essa expan-
são rápida gerou a necessidade crescente de profissionais para atuação na 
área de TI em maior volume e mais especializados (Mangia, 2013). Por isso, 
as possibilidades de formação na área também vem crescendo. De acordo 
com o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (2011) existem nove tipos de 
cursos para formação em nível técnico no Eixo Tecnológico de Informação 
e Comunicação, sendo que o curso de Informática está entre os dez cursos 
com maior número de matrículas