Livro   I Congresso Ibero Americano ABOP   Rev04 (com marcadores)
368 pág.

Livro I Congresso Ibero Americano ABOP Rev04 (com marcadores)


DisciplinaOrientação Profissional651 materiais4.229 seguidores
Pré-visualização50 páginas
e 64% em Logística é atuar profissio-
nalmente na área de formação técnica. Cerca de 78% dos alunos do curso de 
RH e 25% do curso de Informática indicam pretender cursar o Ensino Superior 
após a conclusão do nível técnico. Sparta e Gomes (2005) constataram que o 
vestibular foi a escolha dominante após o término do Ensino Médio, principal-
mente entre alunos das escolas particulares. Entre os jovens da escola pública, 
houve indicações principalmente de realização de curso pré-vestibular, curso 
profissionalizante e ingresso no mercado de trabalho. Nesse sentido, a forma-
ção técnica pode ser entendida como uma alternativa intermediária entre a 
conclusão do Ensino Médio e a Educação Superior, pois permite uma inserção 
no mercado de forma mais qualificada (Madeira, 2006). 
Considerações finais
Considerando os dados coletados na amostra de alunos dos cursos técni-
cos de Informática, Logística e RH, constatou-se que existem variações no ní-
vel de maturidade para escolha profissional em função do curso, sendo que os 
alunos do curso de Informática apresentaram níveis abaixo da média quanto 
à maturidade total. Em relação ao sexo, não foram observadas diferenças 
significativas na maturidade total. Nesse sentido, é possível destacar uma 
relação entre altos índices de evasão e menor maturidade para a escolha pro-
fissional, como observado no curso de Informática. Apesar disso, os cursos 
com maiores índices de maturidade por fator foram os cursos de Logística 
e Recursos Humanos com maioria feminina, corroborando os achados de 
Neiva (2003) que verificou uma tendência de terem as moças mais maturida-
de para escolher do que rapazes. Outro resultado que chama a atenção foi a 
identificada tendência de evolução da maturidade para a escolha profissional 
de acordo com o aumento da idade dos participantes.
A escolha pela formação técnica na modalidade concomitante ocorre ain-
da antes da conclusão do Ensino Médio, ou seja, acontece mais precocemen-
te, sendo necessário que existam iniciativas para permitir o desenvolvimento 
da maturidade para escolha profissional. Assim, considera-se que projetos 
de orientação profissional cujo objetivo é auxiliar jovens candidatos às vagas 
dos programas de incentivo desenvolvidos pelo governo federal, no desen-
volvimento da maturidade para a escolha profissional, favorecem para que 
esta seja realizada de maneira refletida e contextualizada.
Apesar dos dados obtidos por meio da pesquisa não serem generalizáveis 
em função do tamanho reduzido da amostra, recomenda-se que mais estu-
dos sejam realizados com o intuito de investigar a maturidade para escolha 
profissional com alunos do ensino técnico e que se dediquem à temática da 
Maturidade para escolha profissional | 47-55
55
\u201cmaturidade para a escolha profissional\u201d ou outros elementos relacionados 
à escolha profissional neste nível de formação. Assim, seria possível compa-
rar os resultados encontrados na presente pesquisa com o de outras popula-
ções principalmente ao se considerar que ainda são recentes os estudos com 
foco nos estudantes de cursos do nível técnico e profissional que buscam in-
vestigar a escolha profissional, rendimento escolar, a evasão ou a transição 
para o mercado de trabalho (Basso, 2014). Além disso, as particularidades 
dessa população em relação a outros grupos de estudantes do ensino médio 
indicam a possibilidade de normatizações específicas de testes psicológicos 
para esta população. Os dados aqui encontrados podem ser úteis de modo 
a se obter indicativos para possíveis intervenções junto aos estudantes do 
ensino técnico. \uf06e
REFERÊNCIAS
Almeida, M. E. G. G., & Pinho, L. V. (2003). Adolescência, família e escolhas: implicações na orientação profissional. Psicologia Clínica, 15, 173-184. 
Alves, G. (2007). Dimensões da Reestruturação Produtiva: ensaios da sociologia do trabalho. 2ª Ed. Londrina: Praxis.
Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, p. 281.
Basso, C. (2014). Aspectos pessoais e contextuais favoráveis à permanência de estudantes em cursos técnicos do Pronatec. Tese de Doutorado. 
Centro de Filosofia e Ciências Humanas \u2013 UFSC. Florianópolis: UFSC, 196f.
Beer, M. (2014, 30 de dezembro). Crescendo fora da curva. Observatório da Imprensa. Recuperado em 17 julho 2015, de http://observatoriodaimprensa.
com.br/e-noticias/_ed831_crescendo_fora_da_curva/.
Bordão-Alves, D. P., & Melo-Silva, L. L. (2008). Maturidade ou imaturidade na escolha da carreira: uma abordagem psicodinâmica. Avaliação 
Psicológica, Porto Alegre, v. 7, n. 1, abr. 
Brasil, Ministério da Educação. (2014). PRONATEC: Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego. Recuperado em 10 de julho de 
2015, de http://pronatec.mec.gov.br/.
Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. (2011). Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação. Recuperado em 18 julho 2015, de http://pronatec.
mec.gov.br/cnct/et_informacao_comunicacao/et_informacao_comunicacao.php
Cunha, L. A. (2005). O ensino profissional da irradiação do industrialismo. 2 ed. São Paulo: UNESP.
INEP, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2014). Censo Escolar da Educação Básica 2013: resumo técnico. 
Brasília: INEP. 
Lucchiari, D. H. P. S. (1998). O que é escolha profissional. 3.ed. São Paulo: Brasiliense. 
Madeira, M. H. (2006). Ensino Profissional de Jovens Um Percurso Escolar Diferente para a (Re)Construção de Projectos de Vida. Rev. Lusófona 
de Educação, 7, 121-141. 
Mangia, U. B. (2013). Antecedentes à transição de carreira na área de tecnologia da informação. Dissertação de Mestrado, Fundação Getúlio 
Vargas, Rio de Janeiro. 
Melo-Silva, L. L.; Oliveira, J. C. de, & Coelho, R. de S. (2002). Avaliação da Orientação Profissional no desenvolvimento da maturidade na escolha 
da profissão. Rev. de Psicologia da Vetor Editora, São Paulo, v. 3, n. 2, dez. 
Neiva, K. M. C. (1995). Entendendo a orientação profissional. São Paulo: Paulus.
Neiva, K. M. C. (1998). Escala de Maturidade para a Escolha Profissional (EMEP): Estudo de validade e fidedignidade. Revista Unib, 6:43-61.
Neiva, K. M. C. (2003). A maturidade para a escolha profissional: uma comparação entre alunos do ensino médio. RBOP, 4(1-2), 97-103. 
Neiva, K. M. C. (2014). Escala de Maturidade para a Escolha Profissional \u2013 EMEP 2ª edição. Vetor Editora: São Paulo.
Observatório SOFTEX. (2012). Software e Serviços de TI: A indústria brasileira em perspectiva. 
Soares, D. H. P. (2002). A escolha profissional do jovem ao adulto. São Paulo: Summus.
Sparta, M., & Gomes, W. B. (2005). Importância atribuída ao ingresso na educação superior por alunos do ensino médio. RBOP, 6, 45-53.
DESENVOLVIMENTO
VOCACIONAL EM ESTUDANTES
DO ENSINO MÉDIO DE UMA
ESCOLA PÚBLICA DE HUMAITÁ
DE
SE
NV
OL
VI
ME
NT
O
PARTE 1
INVESTIGAÇÕES E ENSAIOS TEÓRICOS
57-65 5
Ueslana Azarak Moreira1, Karen Cibely da Silva Morais2, Greicy Oliveira Nascimento3, Fabiana Soares Fernandes4
1 Graduanda do Curso de Licenciatura em Pedagogia na Universidade Federal do Amazonas. Aluna do Programa de Iniciação Científica-
PIBIC. ueslanazarak@hotmail.com
2 Graduanda do Curso de Licenciatura em Pedagogia na Universidade Federal do Amazonas. Aluna do Programa de Iniciação Científica-
PIBIC. cibelynog@hotmail.com
3 Graduanda do Curso de Licenciatura em Pedagogia na Universidade Federal do Amazonas. Aluna do Programa de Iniciação Científica-
PIBIC. greicyoliveiran@hotmail.com
4 Doutora em Psicologia. Docente da Universidade Federal do Amazonas. fabianafernandes2801@gmail.com
Este trabalho discorrerá sobre o desenvolvimento vocacional na adolescência 
e possíveis fatores que podem influenciar nesse processo. Para tal compreen-
são, faremos uma breve introdução sobre as variáveis que estão destacadas 
nesse estudo.
Costumamos entender a adolescência como uma fase em que o indivíduo 
passa por mudanças corporais e psicológicas,