Livro   I Congresso Ibero Americano ABOP   Rev04 (com marcadores)
368 pág.

Livro I Congresso Ibero Americano ABOP Rev04 (com marcadores)


DisciplinaOrientação Profissional651 materiais4.227 seguidores
Pré-visualização50 páginas
finais
Esses resultados corroboram outras pesquisas relacionadas ao tema, em 
que vários programas de intervenção em OP em grupo, cada qual com sua es-
pecificidade, demonstraram serem eficazes e importantes na ajuda do jovem 
em busca de uma escolha profissional, como já apontado por Abade (2005).
Contudo, o conceito de eficiência diverge quando se pensa em OP. 
Andrade, Meira e Vasconcelos (2002) afirmam que a OP seria mais que in-
formar sobre as possibilidades de escolha de uma carreira universitária, para 
a qual deve-se prestar o vestibular: seria a promoção de autoconhecimento e 
adaptação à vida. Melo-Silva (1999) fala da OP como um espaço de promoção 
de \u201cescolhas\u201d ocupacionais conscientes e autônomas, considerando aspectos 
internos e externos à pessoa. Logo, ressaltando-se que outros aspectos tam-
bém devem ser considerados. Recomenda-se, portanto, outras estratégias 
avaliativas, inclusive estudos de característica longitudinal. \uf06e
A eficiência da orientação profissional | 67-73
73
REFERÊNCIAS
Achtnich, M. (1991). O BBT \u2013 Teste de Fotos de Profissões: Método projetivo para a clarificação da inclinação profissional (J. Ferreira Filho, trad.). 
São Paulo: CETEPP.
Almeida, F. H., & Melo-Silva, L. L. (2006). Avaliação de um Serviço de Orientação Profissional: A Perspectiva de Ex-Usuários. Revista Brasileira de 
Orientação Profissional, 7(2), 81-102.
Almeida, E. G. G., & Pinho, L. V. (2008). Adolescência, família e escolhas: Implicações na orientação profissional. Psicologia Clínica, 20(2), 173-184
Alonso, W. C., & Melo-Silva, L. L. (2013). Avaliação de uma intervenção em Orientação Profissional na Perspectiva de Ex-Estagiários. Psicologia: 
Ciência e Profissão, 33(1), 84-99.
Andrade, J. M., Meira, G. R. J. M., & Vasconcelos, Z. B. (2002). O processo de orientação vocacional frente ao século XXI: perspectivas e desafios. 
Psicologia: Ciência e Profissão, 22(3), 46-53.
Erikson, E. H. (1994). Identity and the Life Cycle (Reissue). New York: W. W. Norton & Company
Figueiredo, W. (2005). Assistência à saúde dos homens: um desafio para os serviços de atenção primária. Ciência & Saúde Coletiva, 10(1), 105-109.
Gomes, R., Nascimento, E. F., & Araújo, F. C. (2007). Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações 
de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cadernos de Saúde Pública, 23(3), 565-574.
Jacquemin, A., Okino, E. T. K., Noce, M. A., Assoni, R. F., & Pasian, S. R. (2006). O BBT-Br Feminino. Teste de Fotos de Profissões: Adaptação 
brasileira, normas e estudos de caso. São Paulo, SP: Centro Editor de Testes e Pesquisas em Psicologia.
Melo-Silva, L. L. (1999). Estágio profissionalizante em orientação profissional: experiência de supervisão em um curso de psicologia. Revista da 
ABOP, 3(1), 119-135.
Melo-Silva, L. L. (2005). Orientação Profissional em uma Clínica-Escola de Psicologia. In L. L. Melo-Silva, M. A. Santos, & C. P. Simon (Orgs.). 
Formação em psicologia: serviços-escola em debate (pp. 171-196). São Paulo: Vetor.
Melo-Silva, L. L., Lassance, M. C. P., & Soares, D. H. P. (2004). A orientação profissional no contexto da educação e trabalho. Revista Brasileira de 
Orientação Profissional, 5(2), 31-52.
Moura, C. B., Sampaio, A. C. P., Gemelli, K. R., Rodrigues, L. D., & Menezes, M.V. (2005). Avaliação de um programa comportamental de 
orientação profissional para adolescentes. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 6(1), 25-40. 
Neiva, K. M. C. (1999). Manual: Escala de Maturidade para a Escolha Profissional (EMEP). São Paulo: Vetor.
Neiva, K. M. C. (2008). Critérios para a Escolha Profissional (2a ed). São Paulo: Vetor.
Pellerier, D., Noiseux, G., & Bujold, C. (1982). Desenvolvimento vocacional e crescimento pessoal: enfoque operatório (E. F. Alves, trad.). 
Petrópolis: Vozes.
Silva, C. S. C., Ourique, L. R., Oliveira, M. Z., Reis, M. G. P., & Lassance, M. C. (2008). Ressignificação da experiência de Orientação Profissional. 
Revista Brasileira de Orientação Profissional, 9(1), 75-86.
Silva, L. M., Venturini, F. P., & Melo-Silva, L. L. (2005). Cartas que dizem muito: Pais e filhos na orientação profissional. In: Cristiane Paulin Simon; 
Lucy Leal Melo-Silva; Manoel Antônio dos Santos. (Org.). Formação em Psicologia: desafios da diversidade na pesquisa e na prática. São 
Paulo: Vetor Editora, p. 307-320.
Soares, D. H. P., Krawulski, E., Dias, M. S. L & D\u2019Avila, G. T. (2007). Orientação Profissional em contexto coletivo: uma experiência em pré-vestibular 
popular. Psicologia, Ciência e Profissão, 27(4), 746-759
Soares-Lucchiari, D. H. P. (1993). Pensando e vivendo a orientação profissional (2ªed.) São Paulo: Summus.
Whiston, S. C. & Buck, I. M. (2008). Evaluation Of Career Guidance Programs. In J. A. Athanasou, & R. V. Esbroeck (Eds.). International Handbook 
of Career Guidance. Springer Science+Business Media B. V.
PRÁTICAS DE
ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL
EM ESCOLAS BRASILEIRAS
PR
ÁT
IC
AS
 D
E O
RI
EN
PARTE 1
INVESTIGAÇÕES E ENSAIOS TEÓRICOS
75-81 7
Sílvia Teles1, Tatiana Lima2, Celeste Maurício3
1 Psicóloga (UFBA), Sócia-diretora da Socialize Consultoria e Treinamento, Mestre em Psicologia Social e do Trabalho (UFBA), tema de 
pesquisa em Identidade Profissional. Docência no Ensino Superior e Pós-Graduação. Realiza atividades profissionais voltadas para a 
aprendizagem do aluno, do professor e do trabalhador em parceria com escolas, editoras e empresas. Conduz atividades de orientação 
profissional individual e em grupos, em consultório e escolas. silviatelespsicologia@gmail.com
2 Administradora (UNIFACS \u2013 Salvador/BA), pós-graduada em Administração Estratégica (UFBA), Mestre em Administração Estratégica 
(UNIFACS, Salvador-BA). Graduanda em Psicologia pela Devry Brasil / Faculdade Ruy Barbosa. Condução de processos de mediacão de 
conflito e palestras em desenvolvimento de pessoas. Docência em cursos de Pós-graduação. Formação em Orientação Profissional, de 
Carreira e Aposentadoria pelo Instituto do Ser de Santa Catarina. sotarinanda@gmail.com
3 Psicóloga (Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública), especializada em Psicoterapia Breve/Focal (IDEP \u2013 Escola Bahiana de Medicina 
e Saúde Pública). Desenvolve em Arembepe, Camaçari-BA, o projeto "Sala de Leitura" facilitando, de forma lúdica, que crianças e 
jovens da localidade ampliem sua visão de homem e de mundo, de modo a construírem projetos de vida que incluam o processo de 
escolha profissional e a inserção no mundo do trabalho. celestemauricio.psi@gmail.com
A questão da orientação profissional tem ocupado importante lugar nas dis-
cussões contemporâneas, amparadas em três eventos: a globalização, o neoli-
beralismo e a reestruturação produtiva, provocadores de mudanças estruturais 
no mundo do trabalho. O contexto da pós-modernidade oferece aos jovens 
entrantes diversas e dinâmicas possibilidades de atuação profissional e as ins-
tituições de ensino têm à sua frente uma oportunidade ímpar de co-protago-
nismo nas escolhas de seus alunos, ocupando um lugar central neste processo.
O foco do estudo se voltou para as práticas de intervenção adotadas no 
Brasil, nas duas últimas décadas, identificando-se pontos em comum e dife-
renças, principalmente no que se refere aos formatos adotados. 
Educação para a carreira e conexões com o mundo contemporâneo
Diante de um cenário de constantes mudanças, torna-se essencial 
Trabalho apresentado no I Congresso Ibero-Americano de Orientação de Carreira da ABOP / XII Simpósio Brasileiro de
Orientação Vocacional & Ocupacional, realizado de 16 a 19 de setembro de 2015 em Bento Gonçalves-RS, Brasil
Sílvia Teles, Tatiana Lima, Celeste Maurício
76
compreender a formatação assumida pelas profissões, quando do preparo 
de jovens para inserção no mercado de trabalho. O dinamismo deste novo 
cenário requer dos profissionais que atuam no campo da