Livro   I Congresso Ibero Americano ABOP   Rev04 (com marcadores)
368 pág.

Livro I Congresso Ibero Americano ABOP Rev04 (com marcadores)


DisciplinaOrientação Profissional651 materiais4.227 seguidores
Pré-visualização50 páginas
realizada precisam ser aponta-
das: primeiramente destaca-se que os 1.264 TCEs identificados correspondem à 
quantidade de documentos de registros de estágios arquivados pela Coordenação 
de Estágios do Curso de Psicologia, podendo não corresponder à mesma quan-
tidade de vivências de estágio diferentes. Por questões curriculares e outros mo-
tivos, é comum que ocorra um registro semestral do estágio, ou seja, que um 
estágio com duração de um ano por vezes seja registrado em dois TCEs diferen-
tes, um para cada semestre. Em virtude do grande volume de TCEs encontrado e 
do modo de organização desses documentos, tornou-se inviável identificar com 
precisão quais se referiam (ou não) a uma mesma experiência. 
Além disso, ao longo do processo de coleta de dados percebeu-se haver 
defasagem nos registros de estágios por meio dos Termos; principalmente 
no caso de estágios não obrigatórios, a quantidade de registros encontrada é 
inferior à real incidência de estágios, fato confirmado por professores super-
visores e também estagiários, ex estagiários ou seus colegas. Essa defasagem 
pode decorrer de diversos fatores, como a falta de informação e/ou interesse 
dos estagiários em efetuarem o registro no SIARE e a consequente elaboração 
dos TCEs; as dificuldades burocráticas de \u201cfiscalização\u201d da elaboração desses 
documentos; a não entrega dos TCEs devidamente assinados à Coordenação 
de Estágios; os problemas de arquivamento desses documentos e, ainda, a falta 
de informação e/ou cobrança das unidades concedentes junto aos estagiários 
pela apresentação do TCEs. Essa discrepância entre os estágios realizados e os 
registros parece ser maior naqueles desenvolvidos no próprio contexto univer-
sitário, uma vez que nas organizações externas a necessidade de formalização 
tende a ser maior, devido a questões administrativas, legais e financeiras.
Tais constatações permitem problematizar a importância do registro do 
estágio, seja para a formalização do vínculo e garantia dos direitos preconiza-
dos pela Lei 11.788 (Brasil, 2008), seja pelo controle, por parte da Coordenação 
de Estágio e dos professores supervisores sobre as atividades desenvolvidas 
pelos alunos. Além disso, merece ser destacado também o próprio reconheci-
mento da experiência, uma vez que os Termos de Compromisso de Estágio se 
configuram como documentos legais e comprovam sua realização. É possível 
afirmar, portanto, que a incidência de estágios na área de POT é maior do que 
apontam os dados coletados, o que, sem dúvida, deve se repetir nas outras 
áreas de atuação da Psicologia.
Karla de Oliveira Cruz, Edite Krawulski
122
Apesar dessas limitações dos dados disponíveis, os resultados encontra-
dos permitem afirmar que a Lei de Estágios tem sido cumprida no que se 
refere à carga horária semanal, à proteção aos diretos dos estudantes e à ga-
rantia das condições necessárias ao seu desenvolvimento (supervisão local, 
orientação acadêmica, aprovação das atividades a serem desenvolvidas, etc). 
Evidentemente, os registros por si só não se constituem como representa-
ções fidedignas da realidade vivenciada pelos estagiários, o que aponta para 
a importância do acompanhamento por parte dos professores supervisores e 
da própria Coordenação de Estágios junto aos estudantes, além de destacar 
um campo rico de investigação científica.
Quanto aos locais de estágios, destacou-se a maior frequência de opor-
tunidades oferecidas no próprio ambiente acadêmico, apresentando-se a 
necessidade de exploração daquelas externas à UFSC. A experimentação pos-
sibilitada pelos estágios oferece ao estudante a oportunidade de se projetar 
no futuro e de tecer novas expectativas, interesses e objetivos para sua vida 
profissional após a formação, com base na sua própria vivência ao estagiar. 
Nesse sentido, o ideal seria que os alunos buscassem experimentar di-
ferentes contextos e oportunidades plurais \u2013 que poderiam se dar através 
dos próprios estágios ou até mesmo de outras atividades complementares, 
como as de extensão, iniciação científica, entre outras, para enriquecer sua 
formação e preparo para atuação profissional. Na área da POT em específico, 
cada campo de estágio ou organização é única e pode oferecer oportunidades 
e aprendizados singulares, que impactarão de diferentes maneiras essa for-
mação, bem como a construção de projetos futuros de carreira. \uf06e
REFERÊNCIAS
ABEP (2014). Histórico das DCN\u2019s. Recuperado em 26 de junho de 2014, de http://www.abepsi.org.br/site/historico-das-dcn%C2%B4s/
Bardagi, M. P. & Boff, R. de M. (2010). Autoconceito, auto-eficácia profissional e comportamento exploratório em universitários concluintes. 
Avaliação, 15(1), 41-56. 
Bardagi, M. P.; Lassance, M.C.P. & Paradiso, A.C. (2003). Trajetória acadêmica e Satisfação com a Escolha Profissional de Universitários em Meio 
de Curso. Revista Brasileira de Orientação Vocacional, 4(1-2), 153-166.
Bardagi, M.P.; Lassance, M.C.P.; Paradiso, A.C.; & Menezes, I.A. de (2006). Escolha profissional e inserção no mercado de trabalho: percepções de 
estudantes formandos. Psicologia Escolar e Educacional, 10(1), 69-82. 
Brasil, Lei nº 11.788 (2008, 25 de setembro). Dispõe sobre o estágio de estudantes e dá outras providências. Recuperado em 02 de junho de 2014, 
de http://www.unifesp.br-/campus/-san7/images/pdfs/Estagio-lei-11788.pdf
Brasil, Resolução nº 5 (2011, 15 de março). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia, estabelecendo 
normas para o projeto pedagógico complementar para a Formação de Professores de Psicologia. Recuperado em 2 de junho de 2014, de 
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=-com_content&id=12991:diretrizes-curriculares-cursos-de-graduacao
Brasil Júnior (2012). DNA Jr. Recuperado em 02 de junho de 2014, de http://www.brasiljunior.org.br/arquivos
Codo, W. (1985). O papel do psicólogo na organização industrial: notas sobre o \u201clobo mau\u201d em psicologia. In S.T.M. Lane & W. Codo (Orgs.). 
Psicologia social: o homem em movimento (3a ed., pp.195-202). São Paulo: Brasiliense.
Haupenthal, C. & Krawulski, E. (2013). Interfaces entre atuação em contexto empresarial júnior e satisfação com o curso frequentado. In V.F. 
Quiroga & M.R. Cattaneo, (Comps.), Transformaciones em las Organizaciones Del Trabajo: salud y ampliación de ciudadanía (tomo I, pp.197-
2004). Rosário: Editorial de La Universidad Nacional de Rosário.
Nuernberg, A. H., Schneider, D. R., Krawulski, E. & Cruz, R. M. (2009). Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Psicologia. Universidade 
Federal de Santa Catarina.
Peres, R. S., Carvalho, A. M. R. & Hashimoto, F. (2004). Empresa Júnior: integrando teorias e práticas em psicologia. Revista Psicologia Organizações 
e Trabalho, 4(2), 11-30.
Spector, P. E. (2005) Psicologia nas organizações (2a ed). São Paulo: Saraiva, Teixeira, M.A.P & Gomes, W.B.; (2004). Estou me formando... e 
agora?: Reflexões e perspectivas de jovens formandos universitários. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 5(1), 47-62. 
Vieira, D. A.; Caires, S. & Coimbra, J. L.(2011). Do ensino superior para o trabalho: contributo dos estágios para inserção profissional. Revista 
Brasileira de Orientação Profissional, 12(1), 29-36.
Zanelli, J. C. & Bastos, A.V.G. (2004). Inserção Profissional do Psicólogo em Organizações e no Trabalho. In J.C. Zanelli, J.E. Borges-Andrade & 
A.V.B. Bastos (Orgs.). Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil (pp.466-491). Porto Alegre: Artmed.
SIGNIFICADO DO
TRABALHO E GERAÇÃO Y:
UMA ANÁLISE DO BLOG
20 E POUCOS, 20 E TANTOS
SI
GN
IFI
CA
DO
 D
O 
TR
A
PARTE 1
INVESTIGAÇÕES E ENSAIOS TEÓRICOS
123-131 13
Livia Antonelli1, Samantha de Toledo Martins Boehs2
1 Graduada em Administração de Empresas com MBA em Gestão de Talentos e Comportamento Humano pela Universidade Federal do 
Paraná (UFPR). Atua na área de Recursos Humanos