Livro   I Congresso Ibero Americano ABOP   Rev04 (com marcadores)
368 pág.

Livro I Congresso Ibero Americano ABOP Rev04 (com marcadores)


DisciplinaOrientação Profissional652 materiais4.233 seguidores
Pré-visualização50 páginas
na avaliação 
(Fernandes, 2004; Kusek & Rist, 2005; Minayo, 2009). Do ponto de vista 
metodológico, buscou-se traduzir os resultados esperados e/ou alcançados - 
apontados pelas pessoas envolvidas com os programas de Aprendizagem \u2013 em 
variáveis quantitativas ou qualitativas diretamente relacionadas aos resulta-
dos que se deseja alcançar através da execução do programa (Cohen & Franco, 
2012; Kusek & Rist, 2005; Minayo, 2009; Tanaka & Melo, 2004).
À luz das características ou critérios que permitem apontar se um indi-
cador é adequado ou não, alguns pontos devem ser observados. Quanto à 
praticidade (Tanaka & Melo, 2004) deve-se garantir que não haja obstáculos 
para que a entidade executora estabeleça contato com os egressos do pro-
grama (via e-mail, redes sociais) ou com outras fontes de dados. O limite de 
tempo necessário para verificar se os resultados esperados foram alcançados 
é outro ponto a ser levado em conta. Quanto à clareza, tanto os indicadores 
quantitativos quanto qualitativos devem ser precisos e objetivos, caso con-
trário não será possível mensurá-los. Do ponto de vista econômico, o custo 
para obtenção de dados pode variar de acordo com o tipo de instrumento 
(questionário, entrevista), se é preciso treinamento para sua aplicação e qual 
a demanda de tempo para analisar os dados. 
Uma vez definidos os indicadores que oferecerão informações sobre o 
avanço em direção aos resultados esperados, há outras etapas no processo de 
avaliação, como identificar os dados básicos ou parâmetros relativos a cada 
indicador, determinar os objetivos de desempenho dos indicadores, e plane-
jar a coleta e a análise de dados (Kusek & Rist, 2005; Tanaka & Melo, 2004). 
Avaliação de programas sociais de trabalho | 15-28
27
Todo esse processo envolve tempo, dinheiro, recursos humanos e, principal-
mente, interesse em avaliar (Fernández-Ballesteros, 1996; Rebolloso et al., 
2008) e em utilizar os resultados da avaliação (Fernández-Ballesteros, 1996; 
Kusek & Rist, 2005; Stufflebeam & Shinkfield, 2007). As pessoas envolvidas 
na avaliação se manterão motivadas para fornecer, coletar e analisar dados 
somente se reconhecerem e confiarem na utilidade desse processo (Kusek & 
Rist, 2005), o que torna essa atividade complexa e desafiadora.
Considerações finais
Ao mesmo tempo em que esse trabalho defende a necessidade de avaliar 
os programas sociais de trabalho destinados aos jovens conforme os critérios 
de eficiência e eficácia reconhece que são muitas as limitações para que uma 
avaliação efetivamente aconteça. Apesar desses obstáculos destaca-se que, 
assim como os jovens depositam muitas expectativas no trabalho, é esperado 
que façam o mesmo ao participar de um programa governamental que pro-
mete qualificação profissional e ingresso no mercado de trabalho. Portanto, é 
dever do Estado e da sociedade levar a sério tais expectativas e criar estraté-
gias de ação eficientes e eficazes. Nesse sentido, esse trabalho busca chamar 
a atenção de gestores e profissionais para a relevância de avaliar programas 
sociais de trabalho destinados aos jovens à luz desses critérios.
A oferta de cursos de formação profissional certamente tem um custo 
elevado, Desta forma, avaliar a eficiência dos programas sociais de trabalho 
representa um desafio a mais para os gestores e profissionais responsáveis 
pela sua execução, a fim de minimizar custos e ao mesmo tempo manter a 
qualidade dos benefícios aos jovens. Da mesma forma, a avaliação da eficácia 
é indispensável, pois se sabe apenas que os programas são executados, mas 
pouco se conhece sobre o alcance dos seus objetivos.
Apesar de ser apenas o primeiro passo no processo de avaliação de re-
sultados, identificar indicadores de resultados é uma tarefa fundamental 
para demonstrar se os resultados desejados de fato são ou não alcançados. 
A partir daí os gestores podem tomar as decisões mais apropriadas sobre a 
execução de um programa, aplicar os recursos financeiros adequadamente e, 
principalmente, identificar se estão cumprindo com as promessas feitas às 
partes interessadas. \uf06e
REFERÊNCIAS
Aguilar, M. J. & Ander-Egg, E. (1994). Avaliação de serviços e programas sociais. Petrópolis, RJ, Vozes.
Brasil (2005). Decreto N° 5598, de 1° de dezembro de 2005. Regulamenta a contratação de aprendizes e dá outras providências. Disponível em 
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5598.htm. Acesso em 4 de janeiro de 2011.
Brenner, A. K., Lânes, P. & Carrano, P. C. R (2005). A arena das políticas públicas de juventude no Brasil. Revista de Estudios sobre Juventud, 9(22), 
194-211. 
Cohen, E. & Franco, R. (2012) Avaliação de projetos sociais (10ª edição). Petrópolis, RJ: Vozes Editora.
Conselho Nacional de Juventude (2006). Política Nacional de Juventude: Diretrizes e perspectivas. São Paulo: Conselho Nacional de Juventude; Fundação 
Friedrich Ebert. Disponível em http://www.juventude.gov.br/conjuve/documentos/copy2_of_documentos. Acesso em 21 de outubro de 2008.
Conselho Nacional de Juventude (2011). Reflexões sobre a política nacional de juventude 2003-2011. Disponível em http://www.juventude.gov.
br/conjuve/documentos/reflexoes-sobre-a-politica-nacional-de-juventude-2003-2011. Acesso em 25 de novembro de 2011.
Conselho Nacional de Saúde (1996). Resolução nº 196 de 10 de outubro de 1996. Disponível em http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/1996/
Reso196.doc. Acesso em 12 de outubro de 2010.
Ângela Carina Paradiso, Jorge Castellá Sarriera
28
Corrochano, M. C., Ferreira, M. I. C., M. V. & Souza, R. (2008). Jovens e trabalho no Brasil: Desigualdades e desafios para as políticas públicas. 
São Paulo: Ação Educativa, Instituto ibi. Disponível em http://www.bdae.org.br/dspace/bitstream/123456789/2301/1/Jovens_trabalho_
Brasil.pdf. Acesso em 03 de maio de 2011.
Costa, F. L. & Castanhar, J. C. (2003). Avaliação de programas públicos: Desafios conceituais e metodológicos. RAP Rio de Janeiro, 37(5), 969-92.
Deluiz, N. & Veloso, B. (2013). O arco ocupacional saúde nas políticas de educação profissional. Trabalho, Educação e Saúde, 11(2), 355-374.
Fernández-Ballesteros, R. (1996). Cuestiones conceptuales básicas en evaluación de programas. In R. Fernández-Ballesteros (Org.), Evaluación de 
programas: Una guía práctica en ámbitos sociales, educativos y de salud (pp.21-47). Madrid: Editorial Síntesis. 
Freitas, M. F. Q. & Oliveira, L. M. P. (2012). Juventude e educação profissionalizante: Dimensões psicossociais do Programa Jovem Aprendiz. 
Pesquisa em Psicologia, 6(2), 111-120. doi:10.5327/Z1982-12472012000200004.
Friedrich, M., Benite, C. R. M., & Benite, A. M. C. (2012). O Programa Nacional de Inclusão de Jovens \u2013 ProJovem: Uma análise entre a proposta 
oficial e a experiência vivida em Goiânia. Ensaio: Avaliação de Políticas Públicas em Educação, 20(74), 185-206.
Gonzalez, R. (2009). Políticas de emprego para jovens: Entrar no mercado de trabalho é a saída? In J. A. de Castro, L. M. C. de Aquino & C. C. de 
Andrade (Orgs.), Juventude e políticas sociais no Brasil (pp. 109-128). Brasil: Ipea. Disponível em http://www.ipea.gov.br/sites/000/2/livros/
Livro_JuventudePoliticas.pdf. Acesso em 4 de junho de 2012.
Kusek, J. Z. & Rist, R. C. (2005). Diez pasos hacia un sistema de seguimiento y evaluación basado em resultados. Bogotá: Banco Mundial: Mayol Ediciones.
Mattos, E. & Chaves, A. M. (2006). As representações sociais do trabalho entre adolescentes aprendizes \u2013 um estudo piloto. Revista Brasileira de 
Crescimento e Desenvolvimento Humano, 16(3), 66-75.
Mattos, E. & Chaves, A. M. (2010). Trabalho e escola: É possível conciliar? A perspectiva de jovens aprendizes baianos. Psicologia Ciência & 
Profissão, 30(3), 540-555.
Ministério do Trabalho e Emprego (2005). National action plan for the employment of young people. Disponível em http://www.ilo.org/public/
english/employment/strat/yen/download/bnap.pdf.