MATERIA DIREITO TRIBUTARIO UNIARA ANO TODO
152 pág.

MATERIA DIREITO TRIBUTARIO UNIARA ANO TODO


DisciplinaDireito Tributário I23.051 materiais270.770 seguidores
Pré-visualização35 páginas
financiamento geral do Estado.
Contribuição retributiva é para taxas.
Em relação aos impostos pagos estes vão custear um bolo orçamentário.
Lei orçamentária é a que vai regulamentar a destinação dos impostos. 
Os impostos incidem sob a revelação de riqueza dos contribuintes e não como as taxas que é o retorno pelos serviços prestados. 
Exemplo auferir renda Imposto de renda. Para pessoas físicas (salário bruto) para pessoas jurídicas (faturamento bruto da empresa).
Incide sob a receita bruta e depois se faz a declaração de ajuste anual \u2013 no caso da pessoa física \u2013 e faz o cotejo com as despesas dedutíveis pela legislação. 
Os impostos estão ligados a idéia de justiça retributiva ligado ao orçamento e fomentar as políticas públicas e distribuição de renda (o que seria o correto, tributar as camadas mais altas da população e distribuir com equidade).
Arrecadação: direito tributário.
Gastos: direito financeiro.
Quais são as bases econômicas para cálculo estão na CF. Não tem ampla liberdade no tange a implantação de novos tributos porque a maioria deles já está na CF, através da distribuição de competência.
As normas de competência distribuem a competência e, estas previram alguns artigos especificando os impostos: arts. 153; 155 e 156 (impostos da União, dos Estados e do Município). 
Exemplo: a base econômica do ICMS é o preço de venda do produto; a base de cálculo do IPTU é o valor venal do imóvel.
Correlação entre fato gerador e base de cálculo.
Os fatos geradores são situações relacionadas ao contribuinte e não ao Estado. Quem vai adquirir imóvel urbano ou rural é o contribuinte. Quem dá o fato gerador é o contribuinte.
O fato gerador das taxas tem haver com uma atividade estatal, seja pelo poder de polícia, seja para colocar à disposição um serviço público específico.
Art. 16 do CTN: situação independente de qualquer atividade estatal específica relativa ao contribuinte.
Os impostos não podem ser dimensionados na atividade estatal, mas sim a tais riquezas dos contribuintes.
Montante devido deverá ter como referência tais riquezas. Ex: tributação da propriedade, a referência é o valor venal do imóvel; da circulação de mercadorias, a referência é o valor da operação, via de regra, o valor das mercadorias. 
Impostos destinam-se ao financiamento geral (orçamento) do Estado e não a situações específicas pagas em retribuição.
O produto da arrecadação dos impostos não pode ser previamente afetado (destinado) a determinado órgão, fundo ou despesa. 
Isso se chama princípio da não afetação. Isso, segundo Ricardo Lobo Torres \u2013 art. 167, IV, CF.
Exceções são: serviços de saúde, educação e administração tributária (aparelhar ministérios que programam a arrecadação de impostos). 
A destinação dos impostos é feita pela lei orçamentária anual e não pela própria lei instituidora do tributo. 
Arts. 158 e 159: fundo de participação dos estados e municípios uma parte dos impostos federais são repassados numa proporção pequena para quem fomentou estes valores. 
TAXAS
As taxas se prestam a retribuir o Estado por determinados serviços prestados.
Seriam 2 situações:
- a situação de taxa pelo exercício do poder de polícia (atividade intrínseca do Estado fiscalizar condições de higiene dos restaurantes). Então taxas são cobradas por estes serviços: vigilância sanitária, ambiental, barulho.
Justiça de cunho retributivo/ comutativa: o cidadão paga aquilo que ele recebe. 
Taxas: exercício de poder de polícia; prestação de atividades estatais diretamente ao contribuinte; inspiradas na justiça comutativa.
Art. 145, II, da CF: poder de polícia e utilização efetiva ou potencial de serviço específico e divisível, prestado ao contribuinte ou posto a sua disposição. 
Reproduz um artigo 77 do CTN, de modo que este artigo consagra as duas situações e bases econômicas sob as quais incidem as taxas.
A taxa tem caráter obrigatório. Ex: quem mora em um sítio não paga taxa de água e esgoto. Mas, quem mora em apartamento vertical não pode fazer esta opção. Essa taxa é obrigatória e não dá margem à opção.
Utilização efetiva ou potencial: mesmo assim paga-se o mínimo.
Serviço indivisível: exemplo da iluminação pública, não há como apropriar uma parcela do poste da rua só para minha casa (por isso, aí não é taxa).
Art. 145, II: inspirado no art. 77 do CTN. Cada ente federado tem competência para cobrar taxas pelo poder de polícia que exerça ou pelos serviços que preste no seu âmbito de competência administrativa. 
Art. 145 da União, Estados, DF e municípios.
Não podem ser cobradas taxas relativas a serviços públicos e gratuitos. Se a CF garante a gratuidade do serviço, exemplo, quando a CF diz em seu artigo 206, IV (gratuidade do ensino público em instituições oficiais. Súmula vinculante 12: não pode ser cobrada taxa de matrícula em universidades públicas).
Exercício efetivo do poder de polícia: efetividade da fiscalização. A cobrança pressupõe o efetivo exercício. É diferente dos serviços postos à disposição. Não há poder de polícia potencial. 
Art. 78: razões do poder de polícia: segurança, higiene e a tranqüilidade, respeito à propriedade. 
AULA 15 \u2013 22/03/2016
TAXAS DE SERVIÇOS
CTN \u2013 art. 79
O fato gerador é a utilização efetiva ou potencial de um serviço público e divisível. 
Significa que poderia ser algo que ele pode potencialmente utilizar ou não. Exemplo da taxa mínima de água.
Diferença entre voluntário e compulsório. Diferença entre taxas (obrigatórias) e os preços públicos ou tarifas podem ser aderidos ou não.
Exemplo da conta de telefone (tarifa). 
Compulsória: obrigatória
Serviço específico: a que titulo se trata esse serviço.
Divisível: quando puder ser auferido o tanto utilizado por um ou outro usuário.
O montante cobrado a título da taxa não pode variar senão em função do custo da atividade estatal. Art. 145, § 2º, CF/ CTN, art. 77 para evitar a cobrança de impostos disfarçados de taxas. 
O STF também já avalizou desta forma.
Isso faz com que haja uma proporção com aquilo que se paga e o custo da atividade. Se não houvesse essa equivalência, seria travestir a taxa de imposto. 
Produto da taxa visa a custear a atividade estatal. A destinação está vinculada a esta finalidade, o que significa que são tributos que tem uma finalidade específica. Cunho sinalagmático ou comutativo. 
São tributos com finalidade específica. A destinação já pode estar explicitamente determinada na própria lei que instituiu a taxa, aos contrários dos impostos que seguem o princípio da não afetação. O que não pode é criar uma taxa para custear tal coisa e utilizar para outra coisa (serviço).
Não se pode admitir a destinação para outras finalidades ou benefícios de terceiros.
Nas taxas há a dupla vinculação. O fato gerador é vinculado a uma atividade estatal e o produto da arrecadação é vinculado à atividade que justificou a instituição do tributo. 
Fato gerador vinculado: atividade estatal prestada é que vai ensejar a cobrança da taxa.
Produto da arrecadação também é vinculado a custear aquela finalidade. 
Por isso, a dupla vinculação.
CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA 
As contribuições de melhoria se dão em decorrência da realização de obra pública que provoque valorização imobiliária no local. Para o STF esse termo \u201cmelhoria\u201d do artigo 145, III, significa valorização imobiliária. Melhorias das quais decorram a valorização. Se houve um decréscimo não poderia ser cobrado. 
Pode haver ação por ressarcimento se comprovada desvalorização. 
Vai beneficiar especificamente aqueles imóveis daquela região. Não seria justo que se fossem custeados através dos impostos obras que beneficiariam apenas um bairro. Ex: duplicação de avenidas, aeroporto (de início pode se pensar que é de melhoria, mas em outro momento, poderia ser um decréscimo).
O fato gerador da contribuição de melhoria é misto, pois ele decorre da realização da obra pública e do enriquecimento do contribuinte. 
Esse enriquecimento pode ser considerado via valorização imobiliária. 
Em função dessa obra vai gerar um enriquecimento