O paciente psiquiátrico   Van Den Berg
46 pág.

O paciente psiquiátrico Van Den Berg


DisciplinaPsicanálise18.708 materiais293.858 seguidores
Pré-visualização33 páginas
as 
paredes do seu peito. O paciente também se queixa 
de fraqueza nas pernas e de equilíbrio instável. 
 Ninguém ficará surpreso se o neurologista 
não encontrar deleito algum. O seu martelinho de 
reflexos não atinge o joelho que o paciente tem em 
mente. É dentro de outro contexto mais geral que as 
suas pernas falharam. Perdeu literalmente a 
capacidade de ficar de pé; no mesmo sentido, o seu 
equilíbrio está perturbado. Está para cair, e é possível 
que a queda também se torne visível quando as 
pernas do livro de anatomia também falharem. Mas 
isto não é necessário. A sua vida consiste em cair. 
Mesmo quando está recostado, está caindo. 
 A análise dos seus males físicos não termina 
aqui. O leitor pode adivinhar o que a canseira do 
paciente significa; pode imaginar sua dor de cabeça. 
O que importa aqui é apenas a forma de explicação. 
Todavia, não devemos nos esquecer do seguinte: 
Comparando os resultados da investigação feita na 
natureza do mundo do paciente com o que acaba de 
ser observado acerca do seu corpo, podemos 
estabelecer uma relação, senão uma similaridade. Diz 
o paciente que as casas são velhas e estragadas, e que 
estão prestes a desmoronar sobre ele. É o seu mundo 
que está desmoronando. Ele está dizendo exatamente 
a mesma coisa quando exclama que as suas pernas 
estão falhando e que está perdendo seu senso de 
equilíbrio! Mundo e corpo estão interligados; então a 
costumeira distinção entre mundo e corpo é 
provavelmente radical demais. 
 Já em 1935, Buytendijk e Plessner (1) 
pretenderam que o comportamento físico dos homens 
e dos animais não podiam ser compreendidos, 
enquanto não fosse respondida a pergunta: em que 
espécie de mundo o homem e o animal existem? Os 
autores então descrevem o comportamento físico 
como sendo uma resposta; comparam a um diálogo a 
relação entre corpo e mundo. Procurarei esclarecer 
este conceito com alguns exemplos. 
 Uma jovem tem uma tarde de folga. Resolve 
ir passear na cidade e espera atrair a atenção dos 
rapazes que encontrar. Veste o mais lindo vestido e 
aplica um pouco de maquilagem. Quando está pronta, 
examina o resultado no espelho, ou melhor, faz de 
conta que outras pessoas estão olhando pelos olhos 
dela, como se dissessem: “Olhem para a moça no 
espelho”. Se estas outras pessoas disserem: “Ela é 
mesmo bonitinha”, ela se levanta e, por alguns 
momentos, caminha pelo seu quarto. Então ela já 
está na cidade: de outra maneira ela não poderia 
andar assim, nem parecer tão “sexy”. Deixa então o 
quarto e diz “até logo” aos pais. Ao dizer “até logo”, 
comporta-se diferentemente: anda de outra maneira e 
não lança olhares provocantes. Não que os seus pais 
critiquem muito o seu comportamento; ela não está 
contendo-se ou corrigindo seus modos, está apenas 
comportando-se com naturalidade; a mudança do sou 
comportamento efetua-se sem nenhum esforço. 
Significa isto que, no momento de se despedir dos 
pais, ela está ainda situada no ambiente da sua 
infância e os seus modos se ajustam a esse ambiente. 
O seu corpo dá a reação adequada àquilo que a casa 
paterna está a gritar-lhe: “És uma criança”. Sai então 
da casa. Assim que está na cidade, ouve outras vozes; 
as ruas estão brilhando com uma luz que nunca viu 
em criança. Isto comprova que ela é adulta. A 
maneira com que a gente olha para ela está a dizer-
lhe que está vestida como mulher jovem e atraente e 
que seu corpo está maduro. De novo o corpo se ajusta 
à situação, meneando-se e recendendo sexualidade. 
 Por que o soldado deve colocar-se em 
posição perfilada quando se apresenta a um superior? 
(1) Porque as instruções que recebeu só têm um 
sentido e não dois, três ou mais sentidos parciais. Se 
o soldado estivesse descansando sobre uma só perna, 
poderiam dar-lhe “meia ordem”. Mas o seu mundo 
não é assim. Como soldado, não vive uma existência 
de “talvez sim” ou “talvez não”, mas leva vida 
categórica de “sim” ou “não”. Por que a atitude de 
prece é também tradicionalmente simétrica? Porque o 
mundo da pessoa que reza, embora diferente daquele 
 
1 F. J. J. BuytencSijk e H. Plessner. Acta Biotheoretica, A, I, 1935. 
1 F. J. J. Buytendljk, Algemens theorle der mcnselijke houding en beweglng, 
Utrecht, 1948. 
 
 
20
do soldado, possui uma direção, uma orientação 
incondicional, sem desvios nem atalhos. Quem reza, 
está rezando, isto é, está afastando momentaneamente 
de si todos os “talvezes” que o rodeiam; ou melhor, 
está tentando fazê-lo. Por que é assimétrica a atitude 
de um adolescente? Porque em seu mundo, nada é 
permanente; tudo é duvidoso e nada há que se pareça 
com uma direção. 
 Disse que o corpo se ajusta, mas isto não é 
bem correto. Porque o que se ajusta está em segundo 
plano, está “reagindo” (agindo sozinho). Na relação 
de corpo e mundo, nenhum dos dois está em segundo 
plano, pois o corpo (1) se forma em concordância 
com o mundo em que deve executar a sua tarefa. 
Reveste-se de uma forma ou figura: figura de 
trabalho, de luta ou de amor. — Mas também se pode 
dizer que o mundo muda de acordo com o corpo que 
nele se move. Os objetos assumem formas diferentes, 
quer sejam formas de trabalho, de luta ou de amor. 
Pois não diferem as coisas para o ferrabrás e para o 
conciliador? Os objetos são diferentes para eles. 
Assim, pois, o corpo pré-reflexivo e o mundo pré-
reflexivo estão unidos como num diálogo. Ambos 
devem ser compreendidos dentro do seu contexto 
próprio. 
 Desse contexto, vejamos agora alguns 
exemplos psiquiátricos. Em primeiro lugar, o 
paciente catatônico, que quase não se move. Quando 
os sintomas da doença estão completamente 
realizados, o paciente não fala uma palavra e se 
mantém de pé, no mesmo lugar, completamente sem 
movimento. Não responde a perguntas. A sua 
expressão é fixa e sombria. Dá impressão de estar 
cheio de pensamentos mas, ao mesmo tempo, a gente 
desconfia que ele está pensando em nada 
absolutamente. É um enigma. Somente depois de 
bastante tempo é que se torna evidente que algo está 
penetrando na sua mente, e ele dá mostras de estar 
apreciando uma saudação, mesmo quando não a 
retribui, A sua imobilidade provoca inchação das 
pernas. É levado então para a cama, para prevenir 
perturbações circulatórias. Mas, imperturbável, volta 
daí a pouco ao lugar preferido. Ai fica durante 
semanas, meses e anos em completo repouso. De 
onde vem sua imobilidade? Não há defeitos físicos. 
O paciente vive num outro mundo. O mundo da 
pessoa sã caracteriza-se pela utilidade, direção e 
propósito. Para qualquer um de nós, o bonde elétrico, 
estacionado num ponto de parada, significa um meio 
de transporte, que vai de um ponto para outro, 
mesmo se o ponto de partida e o ponto de chegada 
nos forem desconhecidos. O bonde tem propósito, di-
reção e utilidade. É assim que o vemos. As flores na 
sala de estar são ornamentos do aposento, vão se 
abrir completamente ou vão começar a murchar; 
nossa visão mede o espaço de tempo em que 
 
1 V. E. von Gcbsattel, StichtiEes Verhalten im Gebief sexueller 
Verirrungen, Monatschrift fiir Psychlatrie und Neurologle, 1932. 
 
permanecerão frescas. Tudo tem tempo, seja futuro 
ou passado. Até mesmo o bloco de rocha, 
aparentemente eterno, é terciário ou diluvio ou se 
originou na Criação. Realmente, nada está 
desprovido de tempo. Tudo tem duração. Se 
tirássemos dos objetos a sua duração, eles 
pareceriam diferentes. — É neste sentido que as 
coisas são diferentes para o paciente catatônico. Seu 
tempo é diferente. Vive num outro tempo. Se lhe 
perguntarmos em que ano estamos, talvez mencione 
o ano em que a sua psicose começou; não envelheceu 
desde então, o seu tempo parou. Para ele, não há 
botões a se transformarem em flores, nem há bonde 
elétrico que vai e vem. Utilidade e propósito são