Nocoes de Igualdade Racial e de Genero
123 pág.

Nocoes de Igualdade Racial e de Genero


DisciplinaDireitos Humanos14.009 materiais48.234 seguidores
Pré-visualização50 páginas
o Estatuto da Igualdade Racial, assinale a alternativa correta sobre o 
significado da sigla SINAPIR. 
(A) Serviço de Integração e Autopromoção Racial 
(B) Serviço Nacional de Apoio às Práticas de Integração Racial 
(C) Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial 
(D) Sistema Nacional de Promoção da Integração Racial 
(E) Sindicato Nacional de Participação Racial 
 
Respostas 
01. Resposta: C 
Lei nº 12.288/2010 
Art. 24. O direito à liberdade de consciência e de crença e ao livre exercício dos cultos religiosos de 
matriz africana compreende: 
I - a prática de cultos, a celebração de reuniões relacionadas à religiosidade e a fundação e 
manutenção, por iniciativa privada, de lugares reservados para tais fins; 
1379363 E-book gerado especialmente para JUBERLANIO SANTANA LEAL
 
. 43 
02. Resposta: C 
Lei nº 12.288/2010 
Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Igualdade Racial, destinado a garantir à população negra a 
efetivação da igualdade de oportunidades, a defesa dos direitos étnicos individuais, coletivos e difusos e 
o combate à discriminação e às demais formas de intolerância étnica. 
( ) 
III - desigualdade de gênero e raça: assimetria existente no âmbito da sociedade que acentua a 
distância social entre mulheres negras e os demais segmentos sociais; 
IV - população negra: o conjunto de pessoas que se autodeclaram pretas e pardas, conforme o quesito 
cor ou raça usado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ou que adotam 
autodefinição análoga; 
 
03. Resposta: D 
Lei nº 12.288/2010 
Art. 28. Para incentivar o desenvolvimento das atividades produtivas da população negra no campo, o 
poder público promoverá ações para viabilizar e ampliar o seu acesso ao financiamento agrícola. 
 
04. Resposta: C 
Lei nº 12.288/2010 
Art. 11. Nos estabelecimentos de ensino fundamental e de ensino médio, públicos e privados, é 
obrigatório o estudo da história geral da África e da história da população negra no Brasil, observado o 
disposto na Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. 
 
05. Resposta: D 
A alternativa correta é a \u201cD\u201d, pois coaduna-se com o que prevê o artigo 1º, parágrafo único, inciso I, do 
Estatuto da Igualdade Racial, nestes termos: discriminação racial ou étnico-racial é toda distinção, 
exclusão, restrição ou preferência baseada em raça, cor, descendência ou origem nacional ou étnica que 
tenha por objeto anular ou restringir o reconhecimento, gozo ou exercício, em igualdade de condições, de 
direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político, econômico, social, cultural ou em 
qualquer outro campo da vida pública ou privada. 
 
06. Resposta: A 
Segundo o que prevê o artigo 49 do Estatuto da Igualdade Racial a responsabilidade de elaboração 
do plano nacional de promoção da igualdade racial pertence ao Poder Executivo federal elaborará plano 
nacional de promoção da igualdade racial contendo as metas, princípios e diretrizes para a 
implementação da Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial. 
 
07. Resposta: D 
Consoante o disposto no artigo 3º do Estatuto, além das normas constitucionais relativas aos princípios 
fundamentais, aos direitos e garantias fundamentais e aos direitos sociais, econômicos e culturais, o 
Estatuto da Igualdade Racial adota como diretriz político-jurídica a inclusão das vítimas de desigualdade 
étnico-racial, a valorização da igualdade étnica e o fortalecimento da identidade nacional brasileira. 
 
08. Resposta: Errado. 
O estudo de história geral da África e da história da população negra no Brasil nos estabelecimentos 
de ensino fundamental e de ensino médio, públicos e privados é obrigatório (art. 11). 
 
09. Resposta: B. 
Art. 49. O Poder Executivo federal elaborará plano nacional de promoção da igualdade racial contendo 
as metas, princípios e diretrizes para a implementação da Política Nacional de Promoção da Igualdade 
Racial (PNPIR). 
§ 1º A elaboração, implementação, coordenação, avaliação e acompanhamento da PNPIR, bem como 
a organização, articulação e coordenação do Sinapir, serão efetivados pelo órgão responsável pela 
política de promoção da igualdade étnica em âmbito nacional. 
§ 2º É o Poder Executivo federal autorizado a instituir fórum intergovernamental de promoção da 
igualdade étnica, a ser coordenado pelo órgão responsável pelas políticas de promoção da igualdade 
étnica, com o objetivo de implementar estratégias que visem à incorporação da política nacional de 
promoção da igualdade étnica nas ações governamentais de Estados e Municípios. 
1379363 E-book gerado especialmente para JUBERLANIO SANTANA LEAL
 
. 44 
§ 3º As diretrizes das políticas nacional e regional de promoção da igualdade étnica serão elaboradas 
por órgão colegiado que assegure a participação da sociedade civil. 
 
10. Resposta: C. 
Art. 47. É instituído o Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir) como forma de 
organização e de articulação voltadas à implementação do conjunto de políticas e serviços destinados a 
superar as desigualdades étnicas existentes no País, prestados pelo poder público federal. 
 
 
 
Lei federal nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989 (Define os crimes resultantes de preconceito de 
raça ou de cor) 
 
A Lei nº 7.716 de 5 de janeiro de 1989, entrou em vigor na data de sua publicação, vindo a dar nova 
redação a antiga Lei Afonso Arinos (Lei nº 1.390, de 03 de julho de 1951), a qual incluiu entre as 
contravenções penais a prática de atos resultantes de preconceitos de raça ou de cor. 
Quando a Constituição Federal em 1988 foi promulgada seu art. 5º, inciso XLII, determinava que \u201ca 
prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da 
lei\u201d, sendo referido inciso um mandado expresso de criminalização, o qual teve sua eficácia com a 
promulgação da Lei nº 7.716/89. 
A Lei nº 7.716/89 determina em seu título a punição de crimes resultantes de preconceito de raça ou 
de cor, categorias estas que foram ampliadas no ano de 1.997, quando o legislador então acrescentou 
ao art. 1º da referida lei os termos etnia, religião e procedência nacional, passando referido art. a vigorar 
da seguinte forma: 
\u201cArt. 1º Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de 
raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional\u201d. (Redação dada pela Lei nº 9.459, de 15/05/97). 
A lei 9.459 de 15 maio de 1.997 além de criar novas categorias para a \u201clei de racismo\u201d, também 
acresceu ao artigo 140 do Código Penal, o parágrafo terceiro, criando com isso a figura da injúria 
qualificada, nestes termos: 
 
Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro: 
(...) 
§ 3º - Se a injúria consiste na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou origem. 
Pena - reclusão de um a três anos e multa. 
 
O parágrafo terceiro do art. 140 do Código Penal ainda sofreu nova alteração no ano de 2.003, com a 
Lei nº 10.741, quando então foram incluídas duas novas categorias, pessoa idosa ou portadora de 
deficiência, passando a vigorar da seguinte forma: 
 
§ 3º Se a injúria consiste na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem ou 
a condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência. 
 
Importante fazer menção ao referido parágrafo e suas alterações, pois em muito ainda se confunde o 
crime de racismo com a injúria qualificada do art. 140, parágrafo terceiro, do Código Penal. No crime 
previsto na Lei nº 7.716/89 a ofensa é dirigida a toda uma raça, a qual é caracterizada por um fato 
pejorativo, por sua vez, na injúria qualificada do parágrafo terceiro do Código Penal, a ofensa é 
direcionada a honra subjetiva do indivíduo, ofensa esta que é agregada à raça, cor, etnia, religião ou 
origem. 
 
Neste contexto, vamos acompanhar os dispositivos