Nocoes de Igualdade Racial e de Genero
123 pág.

Nocoes de Igualdade Racial e de Genero


DisciplinaDireitos Humanos14.007 materiais48.215 seguidores
Pré-visualização50 páginas
ao público. 
(B) Impedir o acesso às entradas sociais em edifícios públicos ou residenciais e elevadores ou escada 
de acesso aos mesmos. 
(C) Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou 
procedência nacional. 
(D) Ofender ou ameaçar alguém, por palavra, gesto, ou qualquer outro meio simbólico, de causar-lhe 
mal injusto e grave, em virtude de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. 
(E) Não respondida. 
 
10. (MPE/BA - Analista de Sistemas - FESMIP-BA) Considerando os termos da Lei nº 7.716/89, é 
correto afirmar que, em razão do quanto disposto em seu artigo primeiro, serão punidos crimes resultantes 
de discriminação ou preconceito: 
(A) de raça, cor, religião ou orientação sexual. 
(B) de raça, etnia, religião ou orientação político-partidária. 
(C) de raça, etnia, religião ou procedência nacional. 
(D) de cor, procedência nacional, orientação político-partidária ou orientação sexual. 
(E) de cor, etnia, procedência nacional ou orientação sexual. 
 
Respostas 
 
01. Resposta: A 
Nos termos do art. 3º, da Lei nº 7.716/89, é crime resultante de preconceito de raça ou cor: \u201cImpedir 
ou obstar o acesso de alguém, devidamente habilitado, a qualquer cargo da Administração Direta ou 
Indireta, bem como das concessionárias de serviços públicos\u201d. 
 
02. Resposta: D 
Consoante o que dispõe o art. 8º, da Lei nº 7.716/89, constitui crime impedir o acesso ou recusar 
atendimento em restaurantes, bares, confeitarias, ou locais semelhantes abertos ao público, sendo a pena 
prevista de reclusão de um a três anos. 
 
03. Resposta: E 
Conforme o que prevê o art. 16, da Lei nº 7.716/89: \u201cConstitui efeito da condenação a perda do cargo 
ou função pública, para o servidor público, e a suspensão do funcionamento do estabelecimento particular 
por prazo não superior a três meses\u201d. 
 
1379363 E-book gerado especialmente para JUBERLANIO SANTANA LEAL
 
. 50 
04. Resposta: C. 
De acordo com a redação do art. 20, §1º, da Lei nº 7.716/1989, constitui crime fabricar, comercializar, 
distribuir ou veicular símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz 
suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo. As demais alternativas estão incorretas, pois 
para que o crime ocorra se faz necessário a finalidade de divulgação do nazismo. 
 
05. Resposta: B. 
Para responder essa questão o candidato deve ter conhecimento sobre a diferença entre o crime de 
racismo e de injúria racial. 
O crime de racismo está previsto na lei n. 7.716/89 e implica na conduta discriminatória dirigida a 
determinado grupo ou coletividade. 
Já o delito de injúria racial está previsto no Código Penal, no capítulo dos crimes contra a honra, e 
consistem em ofender a dignidade ou decoro de uma pessoa utilizando elementos de raça, cor, etnia, cor, 
etnia, religião, origem ou condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência. 
 
06. Resposta: C 
A conduta na alternativa \u201cC\u201d da questão não configura crime previsto na Lei nº 7.716/1989, podendo 
esta ser enquadrada no que prevê o artigo 147 do CP (crime de ameaça). Todas as demais condutas 
narradas encontram-se tipificadas na norma. 
 
07. Resposta: D 
Prevê o artigo 20, §1º, da Lei nº 7.716/89 o seguinte tipo penal: fabricar, comercializar, distribuir, 
veicular; (objeto material) símbolo, emblema, ornamento, distintivo ou propaganda que use a cruz suástica 
ou gamada; (especial fim de agir) para fins de divulgação do nazismo. 
Para o doutrinador José Paulo Baltazar Junior, a proibição se limita à utilização da cruz suástica ou 
gamada, mas não à divulgação do ideário nazista ou de outros símbolos, como a imagem de Hitler ou a 
águia nazista. 
 
08. Resposta: E 
Art. 3º Impedir ou obstar o acesso de alguém, devidamente habilitado, a qualquer cargo da 
Administração Direta ou Indireta, bem como das concessionárias de serviços públicos. 
Parágrafo único. Incorre na mesma pena quem, por motivo de discriminação de raça, cor, etnia, 
religião ou procedência nacional, obstar a promoção funcional. 
 
09. Resposta: D 
Dentre os delitos tipificados na Lei nº 7.716/1989 não está previsto o mencionado na alternativa \u201cD\u201d. A 
conduta de ofender alguém em virtude de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional, poderia ser 
em tese, caracterizada como injuria qualificada, nos termos do § 3º. do art. 140 do Código Penal, desde 
que o agente delituoso tivesse praticado, com dolo, ofensa a honra pessoal da vítima mediante ofensa a 
dignidade ou decoro desta. E a conduta de ameaçar alguém por palavra, gesto ou qualquer outro meio 
simbólico de causar-lhe mal injusto e grave, configura-se como crime de ameaça, nos termos do art. 147 
do Código Penal, independentemente de características específicas do sujeito passivo material. 
 
10. Resposta: C 
Determina o artigo 1º da Lei do Racismo que serão punidos, os crimes resultantes de discriminação 
ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. 
 
 
 
Na década de 60 racismo semelhante ao da era nazista ressurgiu contra negros e judeus, que sofriam 
perseguições, fazendo com que a ONU adotasse em 21 de dezembro de 1965 a Convenção Internacional 
sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial. 
O Brasil ratificou a Convenção no dia 27 de março de 1968. 
A Convenção impõe ao Estado-parte o reconhecimento, em âmbito nacional, da discriminação como 
pratica condenável e a obrigação de adotar meio para eliminá-la em todas as suas formas, garantindo, 
Decreto federal n° 65.810, de 08 de dezembro de 1969 (Convenção internacional 
sobre a eliminação de todas as formas de discriminação racial). 
 
1379363 E-book gerado especialmente para JUBERLANIO SANTANA LEAL
 
. 51 
por este meio, o princípio da igualdade perante a lei, sem distinção de raça, cor ou de origem nacional ou 
ética. 
Impõe ao Estado-parte o reconhecimento da discriminação como prática condenável e a obrigação de 
adotar meios de eliminá-la, garantindo assim a igualdade. 
 
O que é discriminação? 
 
A discriminação é uma forma de maltratar o outro, fazendo-se distinções baseadas nas diferenças, 
sejam elas de cor, sexo, religião, sexualidade e até mesmo discriminações cruéis contra crianças, que 
acontecem com frequência nas escolas, relativas à aparência (com óculos, com aparelho dental, mais 
gordinhas, muito magrinhas, etc.). 
É possível presumir que todos já tenham sido vítimas de algum tipo de discriminação, sendo afetados 
de formas e níveis diferentes. Assim sendo, ter plena consciência sobre o assunto é o que permite lidar 
melhor com a questão. 
A discriminação tem suas raízes firmadas na falsa sensação de superioridade que se pode ter em 
relação à quaisquer outras pessoas, sendo a discriminação propriamente dita, a manifestação desta 
superioridade que se imagina ter. 
As mais graves formas de discriminação são o racismo e a discriminação racial, bem como as atitudes 
que se relacionam com a xenofobia e à intolerância. 
Infelizmente, os seres humanos tem buscado, ao longo da História, formas de classificar as pessoas. 
Uma das classificações mais usadas, foi criada artificialmente, e divide a humanidade em raças, criando 
um entendimento errôneo da existência de raças superiores e raças inferiores. O exemplo mais claro 
desta afirmação, é o uso distorcido da Teoria da Evolução, criada por Charles Darwin, que daria uma 
base científica para as noções de superioridade racial. 
 
Aspectos relevantes da Convenção 
 
A presente Convenção foi adotada pelas Nações Unidas em 1965 e o Brasil a ratificou em 1968. Foram 
três aspectos históricos que levaram à elaboração deste instrumento, sendo eles: 
- Ingresso de dezessete novos países africanos na ONU; 
- Realização da primeira conferência de cúpula dos países não aliados; 
- Ressurgimento