Nocoes de Igualdade Racial e de Genero
123 pág.

Nocoes de Igualdade Racial e de Genero


DisciplinaDireitos Humanos13.964 materiais48.073 seguidores
Pré-visualização50 páginas
20 de dezembro de 1985 (Lei Caó). 
 
1379363 E-book gerado especialmente para JUBERLANIO SANTANA LEAL
 
. 98 
Pena - prisão simples, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa de 1 (uma) a 3 (três) vezes o maior 
valor de referência (MVR), no caso de empresa privada; perda do cargo para o responsável pela recusa, 
no caso de autarquia, sociedade de economia mista e empresa concessionária de serviço público. 
 
Art. 10. Nos casos de reincidência havidos em estabelecimentos particulares, poderá o juiz determinar 
a pena adicional de suspensão do funcionamento, por prazo não superior a 3 (três) meses. 
 
Art. 11. Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. 
 
Art. 12. Revogam-se as disposições em contrário. 
 
Brasília, 20 de dezembro de 1985; 164º da Independência e 97º da República. 
 
Questões 
 
01. (FCC/2013) Nas contravenções penais resultantes de preconceito de raça, de cor, de sexo ou de 
estado civil, previstas na Lei Federal nº 7.437/1985, são penas prevalentes: 
(A) Multa e prestação de serviços comunitários. 
(B) Prisão especial e simples. 
(C) Prisão simples e multa. 
(D) Cesta básica e indenização à vítima. 
(E) Fiança e prisão domiciliar. 
 
02. (IBFC/2015) Assinale a alternativa INCORRETA considerando as disposições da lei federal n° 
7.437, de 20/12/1985, que inclui, entre as contravenções penais a prática de atos resultantes de 
preconceito de raça, de cor, de sexo ou de estado civil, dando nova redação à Lei n° 1.390, de 3 de julho 
de 1951 - Lei Afonso Arinos. 
(A) Recusar hospedagem em hotel, pensão, estalagem ou estabelecimento de mesma finalidade, por 
preconceito de raça, de cor, de sexo ou de estado civil constitui conduta punível com prisão simples, de 
3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa de 3 (três) a 10 (dez) vezes o maior valor de referência (MVR). 
(B) Recusar a venda de mercadoria em lojas de qualquer gênero ou o atendimento de clientes em 
restaurantes, bares, confeitarias ou locais semelhantes, abertos ao público, por preconceito de raça, de 
cor, de sexo ou de estado civil constitui conduta punível com prisão simples, de 15 (quinze) dias a 3 (três) 
meses, e multa de 1 (uma) a 3 (três) vezes o maior valor de referência (MVR). 
(C) Recusar a entrada de alguém em qualquer tipo de estabelecimento comercial ou de prestação de 
serviço, por preconceito de raça, de cor, de sexo ou de estado civil constitui conduta punível com prisão 
simples, de 15 (quinze) dias e 3 (três) meses, e multa de 1 (uma) a 3 (três) vezes o maior valor de 
referência (MVR). 
(D) Recusar a entrada de alguém em estabelecimento público, de diversões ou de esporte, por 
preconceito de raça, de cor, de sexo ou de estado civil constitui conduta punível com prisão simples, de 
30 (trinta) dias a 6 (seis) meses, e multa de 1 (uma) a 3 (três) vezes o maior valor de referência (MVR). 
 
Respostas 
 
01. Resposta: C. 
 
02. Resposta: D. 
Art. 5º. Recusar a entrada de alguém em estabelecimento público, de diversões ou de esporte, por 
preconceito de raça, de cor, de sexo ou de estado civil. 
Pena - Prisão simples, de 15 (quinze dias a 3 (três) meses, e multa de 1 (uma) a 3 (três) vezes o maior 
valor de referência (MVR). 
 
 
 
 
 
 
 
 
1379363 E-book gerado especialmente para JUBERLANIO SANTANA LEAL
 
. 99 
 
 
LEI Nº 10.549 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006 
 
Modifica a estrutura organizacional da Administração Pública do Poder Executivo Estadual e dá outras providências. 
 
O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu 
sanciono a seguinte Lei: 
 
Art. 1º - A Administração Pública Estadual fica modificada na forma da presente Lei. 
 
Art. 2º - Ficam alteradas as denominações das seguintes Secretarias de Estado: 
I - Secretaria do Trabalho, Assistência Social e Esporte - SETRAS, para Secretaria do Trabalho, 
Emprego, Renda e Esporte - SETRE; 
II - Secretaria de Combate à Pobreza e às Desigualdades Sociais - SECOMP, para Secretaria de 
Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza - SEDES; 
III - Secretaria de Governo - SEGOV para Casa Civil; 
IV - Secretaria de Cultura e Turismo - SCT, para 
V - Secretaria da Justiça e Direitos Humanos - SJDH, para Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos 
Humanos - SJCDH. 
 
Art. 3º - Ficam criadas as seguintes Secretarias: 
I - Secretaria de Relações Institucionais - SERIN; 
II - Secretaria de Promoção da Igualdade - SEPROMI; 
III - Secretaria de Desenvolvimento e Integração Regional SEDIR; 
IV - Secretaria de Turismo - SETUR. 
 
Art. 4º - Ficam transferidas as seguintes atividades, funções, fundos, órgãos e entidades: 
I - da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte - SETRE, para a Secretaria de 
Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza - SEDES: 
a) a Superintendência de Assistência Social; 
b) o Fundo Estadual de Assistência Social, de que trata a Lei 6.930/95; 
c) o Fundo Estadual de Atendimento à Criança e ao Adolescente, de que trata a Lei 6975/96; 
d) a Fundação da Criança e do Adolescente - FUNDAC; 
e) o Conselho Estadual de Assistência Social - CEAS; 
f) o Conselho Estadual da Criança e do Adolescente - CECA; 
g) a Comissão Interinstitucional de Defesa Civil - CIDEC; 
h) a Coordenação de Defesa Civil - CORDEC; 
II - da Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza - SEDES, para a Casa Civil, o 
Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza - FUNCEP, instituído pelo art. 4º da Lei 
7.988/2001; 
III - da Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza - SEDES, para a Casa Civil: 
a) a Diretoria Executiva do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza FUNCEP, criada 
pelo art. 2º, inciso II, alínea c, da Lei nº 7.988, de 21 de dezembro de 2001, com as alterações introduzidas 
pela Lei nº 9.509, de 20 de maio de 2005, exceto a Diretoria de Orçamento Público e a Diretoria de 
Finanças; (Redação de acordo com o art. 46 da Lei nº 10.955, de 12 de dezembro de 2007) 
b) o Conselho de Políticas de Inclusão Social; 
c) a Câmara Técnica de Gestão de Programas; 
IV - da Casa Civil: 
a) para a Secretaria de Relações Institucionais SERIN: as funções de coordenação de assuntos 
legislativos; 
b) para o Gabinete do Governador, órgão vinculado diretamente ao Governador: a Ouvidoria Geral do 
Estado, a Secretaria Particular do Governador, o Escritório de Representação do Governo, o Cerimonial 
e a Assessoria Especial do Governador; 
V - da Secretaria de Cultura para a Secretaria de Turismo - SETUR: 
a) a Superintendência de Investimentos em Pólos Turísticos; 
Lei estadual n° 10.549, de 28 de dezembro de 2006 (Secretaria de Promoção da 
Igualdade Racial); alterada pela Lei estadual n° 12.212, de 04 de maio de 2011. 
 
1379363 E-book gerado especialmente para JUBERLANIO SANTANA LEAL
 
. 100 
b) a Empresa de Turismo da Bahia S/A BAHIATURSA; 
VI - da Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos - SJCDH, para a Secretaria de Promoção 
da Igualdade - SEPROMI: 
a) o Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra; 
b) o Conselho de Defesa dos Direitos da Mulher; 
VII - da Secretaria do Planejamento - SEPLAN para a Secretaria de Desenvolvimento e Integração 
Regional - SEDIR: 
a) os Conselhos Regionais de Desenvolvimento; 
b) a Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional CAR. 
 
Art. 5º - As estruturas básicas da Secretaria de Relações Institucionais - SERIN, da Secretaria de 
Promoção da Igualdade - SEPROMI e da Secretaria de Desenvolvimento e Integração Regional - SEDIR, 
não conterão a Diretoria Geral prevista no art. 2º da Lei 7.435/98. 
Parágrafo único - Fica criada a Diretoria de Administração e Finanças em cada uma das Secretarias 
referidas neste artigo e no Gabinete do Governador, tendo por finalidade o planejamento e coordenação 
das atividades de programação, orçamentação, acompanhamento, avaliação, estudos e análises, 
administração financeira