Profissionalização de Aux. de Enfermagem -  Caderno 1
161 pág.

Profissionalização de Aux. de Enfermagem - Caderno 1


DisciplinaCurso416 materiais336 seguidores
Pré-visualização39 páginas
arteriais palpados
são o que chamamos de pulso e recebem os nomes conforme a artéria
palpada, sendo os mais comuns: pulso carotídeo - artéria carótida; pul-
so radial - artéria radial (figura 17); pulso femoral - artéria femoral; e
pulso pedial - artéria pediosa. Devido à pressão existente no interior
desses vasos, quando puncionados para a realização de exames diag-
nósticos e/ou terapêuticos devem receber uma compressão no local,
por alguns minutos, para evitar o sangramento e a formação de hema-
toma.
Em seu trabalho, rapidamente você verificará que as veias dos
membros inferiores e superiores são as mais utilizadas para a punção
venosa (figura 18).
5.2 A máquina da vida
O coração é uma \u201cbomba\u201d muscular oca, responsável pela circula-
ção do sangue pelo corpo. Para tanto, apresenta movimentos de contração
(sístole) e relaxamento (diástole), por meio dos quais o sangue penetra no
seu interior e é impulsionado para os vasos sangüíneos.
Localiza-se na porção central da cavidade torácica conhecida
como mediastino - mais precisamente o mediastino médio e é envol-
vido por um saco fibrosseroso de paredes duplas, chamado pericárdio,
que tem em seu interior pequena quantidade de líquido aquoso \u2013 o
que permite seu melhor deslizamento quando dos movimentos de
sístole e diástole.
Artéria radial
Figura 17
Pulso radial
43
PPPPP EEEEEAAAAARRRRROOOOOFFFFF
A estrutura cardíaca é formada por três camadas musculares:
epicárdio (camada externa), miocárdio (camada média e a mais espes-
sa) e endocárdio (camada interna).
O coração é composto por quatro câmaras, denominadas átri-
os (superiores) e ventrículos (inferiores). Os átrios recebem o san-
gue que vem das veias, motivo pelo qual suas paredes são delgadas -
ao inverso dos ventrículos que, por injetarem sangue nas artérias e
necessitarem de maior força para vencer a resistência vascular, têm
paredes musculares espessas.
Artéria da têmpora
Artéria do maxilar
Artéria da face
Artéria carótida
Artéria
da axila
Artéria braquial
Artéria das mãos
Veias pulmonares
Artéria do estômago
Artéria comum aos dois
ossos da bacia
Artéria do fêmur
Rede de artérias do joelho
Artéria da perna
Artérias dos pés
Veia cerebral
Veia facial
Veia jugular interna
Veia da tireóide
Veia cava superior
Aorta
Artérias pulmonares
Veia da axila
Coração
Veias braquiais
(do braço)
Veia cava inferior
Artéria renal
Veia comum aos ossos
da bacia
Rede de veias da mão
Veias dos dedos
Veia safena
Veia do fêmur
Rede de veias do joelho
Veias das pernas
Veias dos pés
Veia jugular externa
Figura 18
Principais artérias e veias
O caminho percorrido pelo
sangue do ventrículo direito
até o átrio esquerdo, passan-
do pela artéria pulmonar, che-
gando aos pulmões e
retornando ao coração pela
veia pulmonar, é o que cha-
mamos de pequena cir-
culação.
44
 1 Anatomia e Fisiologia
Os movimentos cardíacos são rítmicos, numa média de 80
batimentos por minuto, no adulto \u2013 como na criança o espaço a ser
percorrido é menor, seus batimentos são mais acelerados.
Ao pousar a mão ou o diafragma do estetoscópio sobre o terço
inferior do osso esterno, você poderá sentir ou ouvir o pulso referente ao
ápice do coração, chamado pulso apical. E em cada movimento de sístole
você perceberá que uma grande quantidade de sangue é impulsionada
para fora do coração, com a importante missão de manter a vida.
Artéria carótida
comum
Tronco venoso
braquiocefálico
esquerdo
Veia jugular
interna
Tronco
braquiocefálico
Artéria subclávia
Artéria
pulmonar direita
Veia subclávia
Veia cava
superior
Aorta
Artéria
pulmonar
esquerda
Pulmão
direito
Coração
Pulmão
esquerdo
Tronco pulmonar
Canal
arterial
Aorta
Ventrículo
esquerdo
Ventrículo
direito
Sangue arterial
Pulmão direito Pulmão esquerdo
Artéria
pulmonar
Átrio direito
Sangue
venoso
Veia cava superior
Veias pulmonares
Átrio esquerdo
Figura 19
Sistema cardiovascular
Veia cava inferior
45
PPPPP EEEEEAAAAARRRRROOOOOFFFFF
5.3 Um trajeto de vida
A cada sístole o coração expulsa o sangue de suas câmaras; e a
cada diástole, as enche de sangue. No entanto, de onde vem e para
onde vai este sangue?
Tomemos por início o ventrículo esquerdo, localizado na porção
inferior esquerda do coração. O sangue que dele sai, rico em oxigênio, é
impulsionado para a artéria de maior calibre do corpo: a aorta. Seu ob-
jetivo é alimentar as células de todos os tecidos. Para tanto, possui muitas
artérias menores que recebem o sangue da aorta, conduzindo-o para
lugares diferentes.
As artérias vão-se dividindo e ficando cada vez menores, até se
tornarem arteríolas - os últimos e pequenos ramos do sistema arteri-
al, que atuam como válvulas controladoras pelas quais o sangue é
liberado para os capilares.
Os capilares, por sua vez, possuem paredes extremamente per-
meáveis - o que permite a passagem de nutrientes, gases e substânci-
as para as trocas com o meio - e são capazes de dilatar-se de acordo
com a necessidade do tecido irrigado.
Após efetuar as trocas com o meio, o sangue, agora rico em
detritos e gás carbônico, é recolhido pelas vênulas, que o conduzem
e gradativamente confluem formando veias de calibre cada vez mai-
or até chegar à veia cava, que o deposita no átrio direito.
As finas paredes musculares dos átrios, no entanto, não possuem
força para vencer a resistência muscular das artérias, porém uma vez re-
pletos de sangue desencadeiam a abertura da válvula tricúspide - que loca-
liza-se entre o átrio direito e o ventrículo direito e, quando aberta, permi-
te a passagem do sangue do átrio para o ventrículo; quando fechada, im-
pede o retorno sangüíneo do ventrículo para o átrio. Como as paredes
ventriculares são espessas e capazes de vencer a força vascular das artéri-
as, o sangue é mais uma vez, empurrado para fora do coração.
A posse desse conhecimento lhe permitirá entender que, uma
vez no ventrículo direito, o sangue é impulsionado para a artéria
pulmonar, sendo posteriormente conduzido aos pulmões - onde
efetuará importantes trocas, deixando gás carbônico e recolhendo
oxigênio (figura 19). Entre o ventrículo direito e a artéria pulmonar
localiza-se a valva do tronco pulmonar ou semilunar, que impede o
refluxo de sangue para o ventrículo direito.
Rico em oxigênio para as células, o sangue necessita percorrer
o organismo. Para isso, é novamente conduzido ao coração pela
veia pulmonar, que o libera no átrio esquerdo. Este, valendo-se de
válvulas (mitral ou bicúspide) que o separam do ventrículo esquer-
do e impedem o refluxo sangüíneo, repassa o sangue para essa câ-
mara. De volta ao ventrículo esquerdo, este novamente vence a for-
46
 1 Anatomia e Fisiologia
ça da potente parede aórtica para reiniciar o processo. Entre o ventrículo
esquerdo e a artéria aorta encontra-se a válvula aórtica que, quando
aberta, permite a saída de sangue para as artérias e, quando fechada,
impede o seu refluxo.
A distribuição de sangue pelo organismo recebe a denominação
de circulação sistêmica ou grande circulação.
A pressão com que o sangue é bombeado para as artérias
precisa ser adequada às suas resistências e às necessidades dos
tecidos. Assim, uma pressão abaixo do nível necessário resulta
em lesões teciduais pela falta de oxigenação de suas células. E
uma pressão contínua acima do nível suportável pelas paredes
vasculares pode resultar no seu rompimento.
O coração é inervado pelos nervos simpático e parassimpático,
que afetam a função cardíaca alterando sua freqüência ou força de
contração do miocárdio. O simpático acelera os batimentos cardía-
cos e aumenta a força de contração do miocárdio; conseqüentemente,
mais sangue é expulso do coração. O parassimpático age inversa-
mente ao simpático.
O coração trabalha automaticamente