MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II
5 pág.

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II


DisciplinaMateriais1.843 materiais10.511 seguidores
Pré-visualização2 páginas
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II
Livro texto: PLT 256
Fundamentos da Ciência e Engenharia de Materiais, de William D Callister Jr
Capítulo 07
Problemas e perguntas: 7.3,7. 22. Verificação de conceito: 7.4.
7.3) Um corpo \u2013 de - prova de alumínio com seção reta retangular de 10 mm X 12,7 mm (0,4 pol. X 0,5 pol.) é puxado em tração com uma forca de 35.500 N (8000 lb f ), produzindo apenas uma deformação elástica. Calcular a deformação resultante.
T = F/A 
T=tensão; F=força; A=area 
 
area= 0, 01 m x 0, 0127m 
area= 0, 000127 metros quadrados 
 
Dessa forma, T= 35500/0, 000127 
T= 279527559, 05 Pa (pascal) ou 
T= 279, 53 MPa (mega pascal) 
7.22) Um bastão cilíndrico com 120 mm de comprimento e diâmetro de 15,0 mm deve ser deformado utilizando-se uma carga de tração de 35.000 N. Ele não deve experimentar deformação plástica ou redução no seu diâmetro superior a 1,2 X mm. Dos materiais listados abaixo, quais são possíveis candidatos ? Justificar sua(s) escolha(s).
	Material
	Módulo de
Elasticidade
(GPa)
	Limite de
Escoamento
(MPa)
	Coeficiente
de Poisson
	Liga de alumínio
	70
	250
	0,33
	Liga de titânio
	105
	850
	0,36
	Liga de aço
	205
	550
	0,27
	Liga de magnésio
	45
	170
	0,20
Verificação de conceito:
 7.4.) Citar as principais diferenças entre os comportamentos das deformações elásticas, anelástica, viscoelástica e plástica.
Capítulo 08
Problemas e perguntas: 8.19, 8.20, 8.22, 8.27, 8.31.
8.19) Explicar sucintamente por que os metais com estrutura cristalina HC são em geral mais frágeis do que os metais com estruturas cristalinas CFC e CCC.
Resposta: Metais com estruturas cristalinas CFC e CCC possuem um número relativamente grande desistemas de escorregamento (pelo menos 12, podendo chegar até 24). Esses metais são bastante dúcteis, pois uma extensa deformação plástica é normalmente possível ao longo dos vários sistemas. De maneira contraria metais com estrutura HC, com poucos sistemas de escorregamento ativos (de 3 a 6 no máximo), normalmente são bastante frágeis
8.20) Descrever em suas próprias palavras os três mecanismos para o aumento de resistência discutidos neste capitulo (isto é, a redução no tamanho do grão, o aumento de resistência por formação de solução solida e o encruamento). Explicar como as discordâncias estão envolvidas em cada uma das técnicas de aumento da resistência.
Resposta: Redução no tamanho de grão
: O contorno de grão atua como uma barreira ao movimento dasdiscordâncias, uma vez que os dois grãos possuem orientações diferentes e uma discordância que atravessaum grão, ao chegar ao contorno, terá que alterar sua direção de movimento sendo que isso se torna mais difícilà medida que a diferença de orientação cristalográfica aumenta. Um material com granulação fina, que possuigrãos pequenos, é mais duro e mais resistente (e também mais tenaz) do que um material que possuigranulação grosseira, porque possui maior área de contornos de grão para dificultar o movimento dasdiscordâncias Contornos de grão de baixo ângulo não são eficazes na interferência no processo deescorregamento devido ao leve desalinhamento cristalográfico através do contorno.
Aumento de resistênciapor solução sólida:
Outra técnica utilizada para aumentar a resistência e endurecer metais consiste naformação de ligas com átomos de impurezas que entram quer em solução sólida substitucional, quer emsolução sólida intersticial. O aumento da concentração de impurezas resulta em um consequente aumento nolimite de resistência à tração e no limite de escoamento. As ligas são mais resistentes do que os metais puros,pois os átomos de impurezas que entram em solução sólida impõem geralmente deformações da redecristalina sobre os átomos hospedeiros vizinhos. Dessa forma, movimento das discordâncias ê restringidodevido às Interações do campo de deformação da rede cristalina entre as discordâncias e esses átomos deimpurezas.
Encruamento:
O fenômeno de encruamento e explicado com base em interações entre campos dedeformação de discordâncias. A densidade de discordâncias em um metal aumenta com a deformação ou como encruamento, devido à multiplicação (ou à formação de novas) discordâncias. Consequentemente, adistância média de separação entre as discordâncias diminui. Na média, as interações de deformaçãodiscordâncias-discordâncias são repulsivas. Como resultado o movimento de uma discordância é dificultadopela presença de outras discordâncias. À medida que a densidade de discordâncias aumenta essa resistênciaao movimento das discordâncias por outras discordâncias se torna mais pronunciada. Dessa forma, a tensão imposta, necessária para deformar um metal, aumenta com o aumento do trabalho a frio
8.22) O limite de escoamento inferior para uma amostra de ferro com o diâmetro médio de grão 5 X mm e de 135 MPA (19.500 psi). Em um diâmetro de grão de 8 X mm, o limite de escoamento aumenta para 260 MPa (37.500 psi). Em qual diâmetro de grão o limite de escoamento inferior será de 205 Mpa ( 30.00 psi). : 
 8.27) Dois corpos - de - prova de um mesmo metal, previamente sem deformação, devem ser submetidos a um processo de deformação plástica pela redução de suas áreas de seção reta. Um dos corpos - de - prova possui seção reta circular enquanto o outro possui seção reta retangular. Durante a deformação, a seção reta circular deve permanecer circular, enquanto a seção reta retangular deve permanecer como tal. Suas dimensões original e após a deformação são as seguintes :
 Circular( diametro, mm) Retangular( mm )
Dimensões originais 15,2 125 X 175 Dimensões após a deformação 11,4 75 X 200
Qual desses dois corpos- de \u2013 prova será o mais duro após a deformação plástica e por que ?
8.31) Citar sucintamente as diferenças entre os processos de recuperação e de recristalização.
Resposta: Durante a recuperação, uma parte da energia interna de deformação armazenada e liberada emvirtude do movimento das discordâncias, devido a uma melhor difusão atômica à temperatura mais elevada.Mesmo após o processo de recuperação estar completo, os grãos ainda se apresentam em um estado deenergia de deformação relativamente elevado. A recristalização e o processo de formação de um novoconjunto de grãos livres de deformação, equiaxiais e com baixas densidades de discordâncias.
Capítulo 09
Problemas e perguntas: 9.3, 9.29, 9.37, 9.38 Verificação de conceito: 9.1, 9.2
9.3)Estimar a resistência a fratura teórica para um material frágil quando se sabe que a fatura ocorre através da propagação de uma trinca de superfície com formato elíptico, com comprimento de 0,5 mm(0,02 pol.) e raio de curvatura na extremidade de 5 X mm ( 2 X pol.), quando é aplicado uma tensão de 1035 MPa (150.00 psi).
9.29) Um bastão cilíndrico com diâmetro de 15,2 mm (o,60 pol.) fabricado a partir de uma liga de alumínio 2014-T6 (ver a figura 9.63) é submetido a um ciclo de aplicação de cargas repetidas de tração e de compressão ao longo do seu eixo. Calcular as cargas máximas e mínimas que deverão ser aplicadas para produzir uma vida em fadiga de 1,0 X ciclos. Considerar que a tensão traçada no eixo vertical do gráfico seja amplitude da tensão, e que os dados tenham sido coletados para uma tensão media de 35 MPa (5000 psi).
9.37) Explicar sucintamente a diferença entre as estrias e as marcas de praia da fadiga, tanto em termos de (a) suas dimensões como de (b) sua origem.
9.38) Listar quatro medidas que podem ser tomadas para aumentar a resistência a fadiga de uma liga metálica.
Verificação de conceito: 9.1, 9.2
9.1) Citar duas situações nas quais a possibilidade de uma falha é parte integrante do projeto de um componente ou produto
9.2) Citar as diferenças significativas que existem entre o fator de uma