RADIOFÁRMACOS  Parte II 2017 1
7 pág.

RADIOFÁRMACOS Parte II 2017 1


DisciplinaImunoradiobiologi9 materiais45 seguidores
Pré-visualização4 páginas
ao diagnóstico equivocado da diminuição do edema). 
Nifedipine pode produzir problemas para obtenção de uma boa imagem cintilográfica, inclusive dificuldades na radiomarcação de células vermelhas (para cintilografia cardíaca), onde a droga parece evitar a ligação do radiofármaco ao órgão. 
Muitas drogas alteram a metabolização dos hormônios promovendo divergências em sua biodistribuição. 
 - Dietiestilbestrol, digitálicos, gonadotrofinas, fenotiazinas e cimetidina que elevam bastante o nível de estrógenos. 
- Espironolactona, interefe na captação de 131iodometilnorcolesterol pelo córtex adrenal, se elevada resulta no diagnóstico falso positivo de adenoma adrenocortical e feocromocitoma. 
- Contraceptivos orais também aumentam a 131iodometilnorcolesterol, pois eleva a atividade renina plasmática, e, por conseguinte há estimulação adrenocortical, aumento da secreção de cortisol, levando a problemas na interpretação das cintilografias adrenais.
Outras drogas terapêuticas podem causar ou podem agravar a doença, e a própria doença pode produzir uma biodistribuição inesperada de radiofármaco. Um exemplo é a toxicidade hepática como resultado de ingestão de altas doses de paracetamol (acetaminofeno), aspirina, drogas citotóxicas, tetraciclina e halotano. A imagem do fígado seria projetada de forma a emitir análise equivocada. 
Alguns autores mencionam que produtos sintéticos ou naturais no sangue, como também, outras condições de marcação podem ter efeito sobre a marcação das células vermelhas do sangue utilizando Tecnécio 99m (Tc99m). Células do sistema circulatório marcadas com Tc99m têm sido aplicadas em obtenção de imagem do sistema cardiovascular, detecção de hemorragia gastrointestinal e localização de hemangioma intramuscular. A metodologia de marcação pode ser in vitro ou in vivo, utilizando como agente redutor o cloreto de estanho. Nesta metodologia algumas substâncias causam efeitos adversos prejudicando a eficácia da marcação. Por exemplo, a presença de hidralazina e metildopa diminuem a eficiência da marcação (oxidam o íon estanho), e doses clínicas de propanolol, verapamil, clorotiazida ou frusemida, reduzem a eficácia da marcação. 
Outro fator que pode influenciar é a condição clínica do paciente e se o paciente está utilizando cânulas intravenosas. Heparina e agentes quimioterápicoss têm significantes efeitos adversos. A heparina compete com a célula vermelha do sangue pelos sítios de ligação do íon estanho e alguns agentes quimioterápicos podem causar alterações na membrana eritrocitária quando estas células são marcadas com Tc99m. Heparina interfere com Tc99m-PYP (pirofosfato) diminuindo a atividade cardíaca e aumentando a atividade renal que por sua vez aumentará a eliminação do radiofármaco não permitindo a visualização do coração durante o exame.
Existem alguns estudos relatando sobre o efeito das plantas medicinais sobre a marcação de elementos sanguíneos com Tc99m, indicando que a interferência é benéfica para a marcação. 
Algumas drogas alteram a biodistribuição dos radiofármacos aumentando a captação destes pelo órgão alvo. Por exemplo:
Mitomicina C \u2013 aumenta a absorção de Tc99m-MDP no timo, ovário, útero, coração, estômago, pâncreas, rins, baço e pulmões. 
Getamicina \u2013 causa absorção renal anormal nas cintigrafias ósseas com Tc99m-MDP
Ciclofosfamida \u2013 capaz de alterar a meia vida efetiva do radiofármaco Tc99m-MDP e Tc99m-pertecnetato.
Outras drogas alteram a biodistribuição dos radiofármacos diminuindo a captação destes pelo órgão alvo. Por exemplo:
Vincristina \u2013 diminui a absorção de Tc99m-MDP no timo, ovário, útero, baço e linfonodos (inguinal e mesentérico), rim, fígado, pâncreas, estômago, coração, cérebro e osso. 
Vincristina \u2013 diminui a captação de Tc99m-PYP pelo baço, timo, linfonodos, rim, pulmão, fígado, pâncreas, estômago, coração e cérebro. Aumenta a captação pelos ossos e tireóide.
Fatores como hábito de fumar podem afetar diminuindo a absorção do Tc99m-RBC (eritrócitos) e Tc99m-PP9 (proteína plasmática) pelas células sanguíneas prejudicando a eficiência da marcação e consequentemente interferindo na obtenção da imagem do órgão.
Há relatos de ocorrência de dificuldades respiratórias ou circulatórias ou perda da consciência. Foram citadas manifestações clínicas como, por exemplo, fraqueza, palidez, sudorese ou hipotensão, náusea e vômito, urticária, broncoespasmo, eritema e prurido. Em relação ao uso de Iodo-131 há relatos de perda do paladar, boca seca, náusea e vômito, febre ou calafrio, irritação estomacal, sensibilidade na região do pescoço e glândulas salivares, tosse ou rouquidão, fezes enegrecidas. A anemia e leucopenia também são possíveis. 
 5. RADIOISÓTOPOS MAIS UTILIZADOS COMO RADIOFÁRMACOS:
TECNÉCIO-99m \u2013 É um radionúclideo artificial, criado pelo homem. Sua meia vida física é de seis horas, decaimento por emissão de radiação gama pura, com fótons de 140 keV, eficientemente detectada pela gamacâmara. De prática obtenção a partir de um sistema gerador de molibdênio-99/tecnécio-99m (99Mo / 99mTc). O Tecnécio é obtido sob a forma de uma solução salina de pertecnetato de sódio (99mTcCO4-Na+) estéril e apirogénica a partir da eluição do gerador 99Mo / 99mTc com soro fisiológico. É ideal como agente diagnóstico in vivo, principalmente devido ao seu período de desintegração física de 6 horas (sua meia vida efetiva é de 4 horas) e a ao fato de decair por emissão de radiação gama com uma energia de 140 keV. Estas características condicionam favoravelmente a penetração tecidular e a boa aquisição de imagens cintigráficas, resultando numa baixa dose de radiação absorvida pelo paciente. Sob a forma de pertecnetato de sódio, tem uma distribuição biológica semelhante à do Iodo, não sendo, no entanto fixado como este último. Concentra-se principalmente na tireóide, nas glândulas salivares, mucosa gástrica e plexo coroideu (O plexo coróide é a área do cérebro que produz o líquido que banha o cérebro e a medula). Sua administração é via intravenosa. Esse radioisótopo permite boa visualização do cérebro, glândulas salivares, tireóide e outros órgãos e tecidos, podendo diagnosticar principalmente cânceres, lesões e obstruções por coágulos sanguíneos. O 99mTc é um elemento capaz de se ligar, de maneira covalente, a determinadas estruturas químicas. Sendo assim, apresenta a capacidade de ligação efetiva a compostos químicos que apresentam determinado tropismo para órgãos ou sistemas orgânicos específicos. 
O tempo de meia-vida do Tecnécio-99m é suficientemente longo para a preparação dos radiofármacos, administração e aquisição das imagens e suficientemente curto para minimizar a dose de radiação para o paciente.
Compostos químicos marcados com 99mTc
Os radiofármacos de tecnécio são preparados pela adição de pertecnetato de
sódio a \u201ckits\u201d liofilizados, que contém os componentes necessários para preparar diferentes radiofármacos. Apresentam baixo índice de reações adversas, quando comparado a outros agentes de contraste, o que favorece sua ampla utilização.
 
IODO-131 \u2013 Emissor beta menos e gama. Energia máxima do raio gama é de 0,364 MeV. Meia vida física é de oito dias e a meia vida efetiva é de 7,6 dias. Utilizado para exames de Captação Tireoideana de Iodo, Cintilografia da Tireóide e para tratamento de Carcinoma de Tireóide. Sob a forma de solução ou cápsula (iodeto de sódio) é utilizado na correção de desordens na função da tireóide ou em tumores nessa glândula, permite sua absorção pelo organismo no tempo necessário para que o radiofármaco chegue até a tireóide, execute o tratamento e seja eliminado. Também na pesquisa de corpo inteiro para investigação e detecção de metástases de tumores diferenciados da tireóide. Também na forma de iodopiruvato de sódio e injetado via intravenosa, para o exame denominado de renografia, estudo dinâmico para avaliar a função renal em pacientes com transplante de rim. Os túbulos renais secretam ativamente