23035A Literatura Portuguesa. MOISES  Massaud
47 pág.

23035A Literatura Portuguesa. MOISES Massaud


DisciplinaLiteratura Portuguesa1.211 materiais6.077 seguidores
Pré-visualização34 páginas
e variados: é isso 
que permitirá aos alunos apropriarem-se das no-
ções, das técnicas e dos instrumentos necessários 
ao desenvolvimento de suas capacidades de ex-
pressão oral e escrita, em situações de comunica-
ção diversas. 
 
 O procedimento a ser seguido é \u201cSeqüência 
Didática\u201d. 
 
 Uma seqüência didática é um conjunto de ativi-
dades escolares organizadas, de maneira sistemáti-
ca, em torno de um gênero textual oral ou escrito. 
 
 Tem como principal característica: 
 
- Ajudar o aluno a dominar melhor um gênero de 
texto \u2013 escrever e falar de maneira adequada; 
 
A estrutura de base de uma seqüência didática po-
de ser representada pelo seguinte esquema: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Exemplificando: 
 
 
 
 
 
 
 
a. apresentação de situação \u2018\u2013 descrição da tarefa de 
expressão oral ou escrita que os alunos deverão realizar. 
1ª. Dimensão - projeto coletivo de produção - de manei-
ra bastante explícita para que eles compreendam a situ-
ação de comunicação e como devem agir, que proble-
mas deverão resolver. Nesta dimensão, deve-se respon-
der às questões: Qual é o gênero que será abordado? A 
quem se dirige a produção? Que forma assumirá a pro-
dução? Quem participará da produção? 
2ª. Dimensão \u2013 dos conteúdos \u2013 preparar e selecionar 
os conteúdos que serão trabalhados na produção do 
texto. É vital que o aluno perceba sua importância des-
ses conteúdos e com quais irá trabalhar. 
b. produção inicial \u2013 os alunos elaboram o primeiro 
texto inicial oral ou escrito. A primeira produção tem 
papel regulador, tanto para o aluno como para o profes-
sor. Ao professor permite avaliar as capacidades adquiri-
das e ajustar as atividades e os exercícios, adaptando as 
seqüências às necessidades dos alunos, revendo e rees-
truturando o trabalho. 
c. os módulos \u2013 o formato modular, constituídos de 
várias atividades ou exercícios, oferecem ao aluno os 
instrumentos necessários para esse domínio, que se 
apresenta das dificuldades mais simples às mais com-
plexas. Devem-se observar os módulos \u2013 o formato mo-
dular, constituídos de várias atividades ou exercícios, 
oferecem ao aluno os instrumentos necessários para 
esse domínio, que se apresenta das dificuldades mais 
simples às mais complexas. Deve-se observar os níveis 
produção de textos: Representação da situação de co-
municação. - para quem se dirige, qual a finalidade, sua 
posição enquanto autor ou locutor e do gênero visado. 
Elaboração dos conteúdos. Buscar, elaborar ou criar 
conteúdos diferem muito em função dos gêneros: técni-
cas de criatividade, discussões, debates e tomada de 
notas, citando apenas os mais importantes. Planejamen-
to do texto. A estrutura do texto depende da finalidade 
que se deseja atingir ou do destinatário visado. Cada 
gênero é caracterizado por uma estrutura mais ou menos 
convencional. Realização do texto. Envolve a escolha da 
linguagem: utilizar um vocabulário apropriado a uma 
dada situação, variar os tempos verbais em função do 
tipo e do plano do texto, recorrer aos organizadores 
textuais para estruturar ou introduzir argumentos no 
texto. 
d. produção final \u2013 o aluno pode por em prática os 
conhecimentos adquiridos (O que aprendi? O que resta a 
fazer?) Serve para regular e controlar a revisão e a re-
escrita e avaliar os progressos realizados no transcorrer 
do trabalhado; o professor, medir os progressos alcan-
çados. A produção final serve, também, para uma avalia-
ção de tipo somativo, que incidirá sobre os aspectos 
trabalhados durante a seqüência. 
 
 
Orientação metodológica: 
 
 O trabalho com a escrita e oralidade tem suas 
especificidades: possibilidade de revisão, observa-
ção do próprio comportamento e de textos de refe-
rência, trabalha com seqüências e atividades de 
estruturação da língua em uma perspectiva textual, 
explorar questões de gramática e sintaxe (ortografi-
a, revisão ortográfica, escolhas lexicais, etc.), o 
agrupamento de gêneros e a progressão entre as 
séries/ciclos. (ver quadros abaixo) 
 
 Concretizar uma proposta na forma de material 
didático é por vezes, correr o risco de torná-la está-
tica ou mesmo vê-la desviada dos princípios sobre 
os quais se apóia. 
 
 É por essa razão que é importante insistir ainda 
em alguns pontos de ordem metodológica. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Apre
sen-
ta-
ção 
da 
situ-
ação 
 
 
 
 
... 
 
Pro
du-
ção 
fi-
nal 
Pro
du-
ção 
Ini-
cial 
M
ó
d
ul
o 
1 
M
ó
d
ul
o 
2 
M
ó
d
ul
o 
n 
Apostilas Solução - Professor Educação Básica \u2013 PEB II 
 
 
Bibliografia para Língua Portuguesa 121 
 No material proposto, as seqüências não devem 
ser consideradas como um manual a ser seguido 
passo a passo. Para o professor, a responsabilidade 
é efetuar escolhas, e em diferentes níveis. 
 
 
 
Quadro 1 
 
Domínios sociais de comunicação 
 
 
 
 
Domínios 
sociais de 
comunicação 
ASPECTOS 
TIPOLÓGICOS 
Capacidades de 
linguagem domi-
nantes 
 
Exemplos de gê-
neros orais 
e escritos 
 
 
 
 
 
Cultura 
 literária 
ficcional 
 
 
 
NARRAR 
 
Mimesis da ação 
através da cria-
ção de intriga 
Conto maravilhoso 
Fábula 
Lenda 
Narrativa de aven-
tura 
Narrativa de ficção 
científica 
Narrativa de e-
nigma 
Novela fantástica 
Conto parodiado\u2026 
 
 
 
 
Documentação 
e memoriza-
ção de ações 
humanas 
 
 
RELATAR 
 
Representação 
pelo discurso de 
experiências 
vividas, situadas 
no tempo 
Relato de experi-
ência vivida 
Relato de viagem 
Testemunho 
Curriculum vitae 
Notícia 
Reportagem 
Crônica esportiva 
Ensaio biográfi-
co\u2026 
 
 
 
Discussão de 
problemas 
sociais 
controversos 
 
 
 
ARGUMENTAR 
 
Sustentação, 
refutação e nego-
ciação de toma-
das de posição 
Texto de opinião 
Diálogo argumen-
tativo 
Carta do leitor 
Carta de reclama-
ção 
Deliberação infor-
mal 
Debate regrado 
Discurso de defe-
sa (adv.) 
Discurso de acu-
sação (adv.) 
 
 
 
 
 
Transmissão e 
construção de 
saberes 
 
 
 
EXPOR 
 
Apresentação 
textual de diferen-
tes formas dos 
saberes 
Seminário 
Conferência 
Artigo ou verbete 
de enciclopédia 
Entrevista de 
especialista 
Tomada de notas 
Resumo de textos 
"expositivos" ou 
explicativos 
Relatório científico 
Relato de experi-
ência científica 
 
 
Instruções e 
prescrições 
 
DESCREVER 
AÇÕES 
 
Regulação mútua 
de comportamen-
tos 
Instruções de 
montagem 
Receita 
Regulamento 
Regras de jogo 
Instruções de uso 
Instruções 
 
 
 
 
 
 
 
Quadro 2 
 
Seqüências didáticas para expressão oral e es-
crita: modelo 
 
 
Agru-
pamen-
to 
Ciclo 
1ª \u2013 2ª 3ª \u2013 4ª 5ª \u2013 6ª 7ª- 8ª \u2013 9ª 
 
 
 
 
 
Narrar 
1.O livro 
para 
comple-
tar 
1.O 
conto 
maravi-
lhoso 
 
2.A 
narrati-
va de 
aventu-
ra 
1.O 
conto 
do 
porque 
e do 
como 
 
2.A 
narrati-
va de 
aventu-
ra 
1. A paródia 
de conto 
 
2. A narrati-
va de ficção 
científica 
 
3. A novela 
fantástica 
 
 
 
 
Relatar 
1. O 
relato de 
experi-
ência 
vivida* 
(Apre-
sentação 
em áu-
dio) 
1. O 
teste-
munho 
de uma 
experi-
ência 
vivida 
1. A 
notícia 
1. A nota 
biográfica 
 
2. A repor-
tagem radio-
fônica* 
 
 
 
 
Argu-
mentar 
1. A carta 
de solici-
tação 
1. A 
carta 
de 
respos-
ta ao 
leitor 
 
2. O 
debate 
regra-
do* 
1. A 
carta 
de 
leitor 
2. A 
apre-
senta-
ção de 
um 
roman-
ce* 
1. A petição 
 
2. A nota 
crítica de 
leitura 
 
3. O ponto 
de vista 
 
4. O debate 
público* 
 
 
 
 
Transmi-
tir 
conhe-