GESTÃO DE ESTOQUES E OPERAÇÕES INDUSTRIAIS
318 pág.

GESTÃO DE ESTOQUES E OPERAÇÕES INDUSTRIAIS


DisciplinaGestão de Estoques74 materiais405 seguidores
Pré-visualização50 páginas
através de fluxos, para 
melhor entendimento dos processos.
PCP PEP
Plano de produção
Longo prazo
Estimativa de vendas
Nível estratatégico (longo prazo)
No nível tático, são estabelecidos os planos de médio prazo para a produção, e 
nesse nível o PCP desenvolve o planejamento mestre de produção, obtendo o plano 
mestre de produção (PMP) de produtos finais. O PMP é detalhado no médio prazo, a 
partir do plano de produção (gerado no PEP), com base nas previsões de vendas de 
médio prazo ou nos pedidos já confirmados.
Nível tático (médio prazo)
PCP PMPPlano de produção
No nível operacional, são preparados e acompanhados os programas de curto 
prazo de produção. O PCP desenvolve a programação da produção administrando es-
toques, sequenciando, emitindo e liberando as ordens de compras, fabricação e mon-
tagem, bem como executa o acompanhamento e controle da produção (ACP).
Nível operacional (curto prazo)
PCP PMP Programação da produção
Acompanhamento e 
controle da produção
108
A programação da produção estabelece no curto prazo quanto e quando com-
prar, fabricar ou montar de cada item necessário à composição dos produtos finais, 
com base no PMP e nos registros de controle de estoques.
O ACP, através da coleta e análise dos dados, busca garantir que o programa de 
produção emitido seja executado convenientemente. O ACP tem como função, além 
das informações de produção úteis ao PCP, a coleta de dados, como índice de defei-
tos, horas/máquina, horas/homem, consumo de materiais, índice de quebras etc., para 
outros setores do sistema produtivo. Quanto mais rápido os problemas de produção 
forem identificados, mais efetivas serão as medidas corretivas visando o cumprimento 
do programa de produção.
Deve-se ressaltar que o PCP tem como um dos objetivos básicos estruturar e dar 
consistência às informações dentro dos três níveis, isto é, o PMP, gerado pelo plane-
jamento mestre de produção, e este somente será viável se estiver compatível com o 
planejamento estratégico de produção que envolve, por exemplo, aquisição de equi-
pamentos, negociação com fornecedores etc. Da mesma forma a programação de 
fabricação de determinado componente será efetivada de forma eficiente se a capa-
cidade produtiva do setor responsável pela mesma tiver sido equacionada no planeja-
mento mestre da produção, com a definição do número de turnos, recursos humanos 
e materiais alocados etc.
Benefícios proporcionados pelo sistema MRP
Quando as empresas mudam de sistemas manuais ou computadorizados já exis-
tentes para um sistema do tipo MRP, elas experimentam vários benefícios como:
 formação de preços mais competitivos;
 preços de vendas mais baixos;
 níveis de estoque mais baixo;
 melhor serviço ao cliente;
 respostas mais rápidas às demandas do mercado;
 maior flexibilidade para mudar o programa mestre de produção;
 custos de setup reduzidos;
 tempo ocioso reduzido.
G
es
tã
o 
de
 E
st
oq
ue
s 
e 
O
p
er
aç
õe
s 
In
du
st
ria
is
109
Sistem
as de Inform
ação e Tecnologia de Inform
ação na logística
O MRP proporciona uma visão prévia aos gerentes da programação planeja-
da, antes dos pedidos de compras serem realmente liberados, diz quando expedir 
e quando protelar, atrasar ou cancelar pedidos, muda as quantidades dos pedidos, 
adianta ou atrasa datas de entrega dos pedidos e ajuda a planejar as capacidades.
O MRP é um sistema de gerenciamento de materiais que pode operar interligado 
a um sistema ERP, que é um sistema mais amplo, e onde são coletadas todas as infor-
mações referentes aos materiais. O programa informa todos os detalhes do processo 
desde a necessidade e compra de materiais, guarda no almoxarifado, sua instalação na 
unidade construída e muito mais. Ele permite uma logística eficaz e total rastreabilida-
de de todos os processos envolvidos.
Planejamento dos recursos empresariais \u2013 ERP 
Devido à necessidade de reduzir os níveis de estoque, surgiram os primeiros siste-
mas de MRP, os quais ofereciam uma visão integrada dos materiais necessários à produ-
ção, baseados no inventário disponível. Posteriormente o MRPI evoluiu para MRPII, que 
tomava como base, além dos materiais, outros recursos essenciais à produção, tais como 
mão de obra e ferramentas, porém ainda se restringindo ao ambiente da manufatura.
Aperfeiçoando ainda mais a solução, foi criado o ERP (Enterprise Resource Planning) 
\u2013 planejamento dos recursos da empresariais. Além de permitir a gestão da manufa-
tura, o ERP controla toda a empresa, da produção às finanças, integrando e sincroni-
zando todos os departamentos. Graças a essa evolução, hoje é possível documentar e 
contabilizar todos os processos da empresa, gerando uma base de dados única, sem as 
redundâncias encontradas nos sistemas anteriores, onde aplicações MRP e financeiras 
não eram integradas entre si. As informações chegam de maneira mais clara, segura e 
imediata, o que proporciona um controle maior de todo o negócio, e, principalmente, 
de seus pontos vulneráveis: custos, controle fiscal e estoques.
O sistema ERP
São pacotes de softwares de gestão empresarial integrados a outros recursos de 
automação e informatização (por exemplo, WMS, MRP etc.), que abrangem todos os 
processos da empresa. Esse sistema tecnológico avança em relação ao modelo mais 
tradicional, onde cada processo era desenvolvido internamente, sem integração com 
os demais. Portanto, diz mais respeito à logística, já que sua concepção tem por prin-
cipal característica a integração dos diversos setores da empresa através de uma base 
de dados única.
110
FO
RN
EC
ED
O
RE
S
VENDAS E 
DISTRIBUIÇÃO
FINANÇAS E 
CONTROLADORIA
MANUFATURA
GERENCIAMENTO 
DE MATERIAIS
APOIO A SERVIÇOS
REPRESENTANTES 
DE VENDAS 
E SERVIÇOS
PESSOAL 
ADMINISTRATIVO
PESSOAL DO 
CHÃO DE 
FÁBRICA
DIRETORIA E ACIONISTAS
RELATÓRIOS
 
 
 
 
 
FUNCIONÁRIOS
BASE DE DADOS 
CENTRAL
CL
IE
N
TE
S
GERENCIAMENTO 
DE RECURSOS 
HUMANOS
Figura 7 \u2013 Recursos da empresa gerenciados pelo sistema ERP.
IE
SD
E 
Br
as
il 
S.
A
.
A intenção do ERP é planejar e monitorar todos os recursos da empresa, ou seja, pro-
dução, marketing, finanças e engenharia, recursos humanos, através de um sistema fe-
chado que gere análises financeiras. Isso é agora concebido pelas empresas como sendo 
um sistema que permite a todos \u2013 compradores, equipe de marketing, produção, conta-
dores \u2013 trabalhar com um mesmo plano, usando os mesmos números, sendo capaz de 
simular um plano e testar estratégias alternativas, tudo com uma base de dados única.
As empresas produtoras dessa tecnologia aplicada a Sistemas de Informação ope-
racionais, gerenciais e estratégicos estão crescendo em todo o mundo, onde o ERP tem 
marcado uma nova fase dentro das empresas, integrando todos os seus processos. A 
tecnologia ERP tem a prerrogativa de utilizar o conceito de base de dados única, pois 
todos os seus módulos de acesso ou subsistemas estão num único software. Entre os 
módulos oferecidos para a integração encontram-se os de gestão de materiais (MRP), 
gestão de estoques (WMS), controladoria, finanças, gestão de pessoal, comercial, dis-
tribuição, entre outros.
Definição para um sistema ERP
Pode-se atribuir uma definição para o sistema ERP como sendo a de comple-
xos sistemas centralizados que gerenciam os dados para o processo global dentro 
de uma empresa, que inclui contabilidade, finanças, suprimentos, produção, vendas, 
gerenciamento dos recursos humanos etc., ou seja, permite gerenciar toda a cadeia 
logística, desde o planejamento da produção até o transporte. Cada recurso finan-G
es
tã
o 
de
 E
st
oq
ue
s 
e 
O
p
er
aç
õe
s 
In
du
st
ria
is
111
Sistem
as de Inform
ação e Tecnologia de Inform
José
José fez um comentário
Estoques
0 aprovações
Carregar mais