GESTÃO DE ESTOQUES E OPERAÇÕES INDUSTRIAIS
318 pág.

GESTÃO DE ESTOQUES E OPERAÇÕES INDUSTRIAIS


DisciplinaGestão de Estoques74 materiais405 seguidores
Pré-visualização50 páginas
a algumas tendências no ambiente global dos ne-
gócios, tais como:
 a crescente interdependência entre estratégia de negócios, as regras e os 
procedimentos organizacionais de um lado e os SIs (software + hardware + 
base de dados e telecomunicações) de outro. O que sua organização gosta-
ria de fazer vai depender do que os SIs permita que ela faça e vice-versa;
 crescente alcance e área de atuação das aplicações e projetos de sistemas, e 
o relacionamento entre SI e organizações. Hoje, clientes, fornecedores, par-
ceiros de negócios e até mesmo competidores estão à frente da empresa e 
cooperando mutuamente;
 crescente poder das tecnologias de computadores, gerando poderosas re-
des de comunicações que podem ser usadas pelas organizações para aces-
sar vastos armazéns de informações no mundo todo. Notem que a capaci-
dade da CPU (Unidade Central de Processamento ou centro de operações 
do computador) aumentou cerca de 25 000 vezes desde que foi inventada 
há 30 anos;
 mudanças nos processos gerenciais, com redefinições dos contornos e li-
mites organizacionais, com o aparecimento dos Sistemas de Informações 
interorganizacionais e das empresas digitais.
134
Atividades
No seu entendimento sobre o assunto abordado, é suficiente que o Sistema de 1. 
Informação de uma empresa atinja todos os seus setores internos, mantendo- 
-os integrados, para que essa empresa obtenha o sucesso esperado?
As informações que fluem no nível estratégico apresentam características bem 2. 
definidas com relação à sua estruturação. Quais são essas características?
G
es
tã
o 
de
 E
st
oq
ue
s 
e 
O
p
er
aç
õe
s 
In
du
st
ria
is
135
Sistem
as de Inform
ação e Tecnologia de Inform
ação na logística
O planejamento de recursos empresariais (ERP) é um \u201cpacote\u201d de 3. softwares 
constituído de vários módulos embutidos em seu sistema, que visam à efici-
ência e à eficácia da gestão empresarial. Qual é sua principal e fundamental 
característica para possibilitar todas as suas vantagens inerentes?
137
Processamento de pedidos
Introdução
Sabe-se que a logística é uma ferramenta importante para o planejamento de um 
grande número de atividades que propiciam um diferencial para o produto. Ou seja, se 
empresas concorrentes são equivalentes em tecnologia e desempenho de produto, a 
logística pode ajudar a empresa a diferenciar-se também por meio do nível de serviço 
ao cliente. Quando os produtos parecem iguais (commoditização dos produtos), são 
numerosas as empresas que conseguem obter sucesso em relação aos seus concorren-
tes graças aos serviços logísticos e diferenciais tecnológicos.
Dentre as atividades individuais que refletem o nível de serviço oferecido pela em-
presa, a administração criteriosa do ciclo de pedido é uma das que melhor se prestam 
para uma intervenção rápida e com resultados, na maioria das vezes, muito satisfató-
rios. Através do acompanhamento de cada passo do ciclo de pedido, é possível melho-
rar o serviço oferecido e detectar onde a empresa satisfaz ou não seu cliente. É pen-
samento comum no meio empresarial que o processamento de pedidos desempenha 
um papel fundamental no nível de serviço ao cliente, sendo considerado até mesmo 
como um fator crítico. Portanto, quanto melhor for o desempenho no atendimento de 
um pedido, melhor será o nível de serviço oferecido e, consequentemente, maior será 
a fidelidade desse cliente e maior será a possibilidade de obter mais clientes.
A busca por redução dos tempos de ciclos de pedidos e dos custos tem condu-
zido mudanças importantes nos processos de gerenciamentos de pedidos. Mudanças 
estas relacionadas à implementação de Tecnologias de Informação como forma de 
melhorar a eficácia no ciclo do pedido: WMS, ECR, CRM, EDI, Internet etc. Além disso, as 
informações sobre o processamento dos pedidos em tempo real vêm se constituindo 
numa exigência cada vez maior e, para isso, uma Tecnologia de Informação atualizada 
tem todas as condições de atender a essa exigência.
Segundo Ballou (2006), os custos com o processamento de pedidos são relativa-
mente menores quando comparados com os do transporte ou de estoques. Mesmo 
assim, o processamento de pedidos é um elemento importante na determinação do 
138
tempo total da entrega de mercadorias ou serviços aos clientes. Ele desencadeia toda 
a movimentação dos produtos e dos serviços de entrega também os processos de pro-
dução. Ou seja, se trata de uma atividade-chave na obtenção de um bom do nível de 
serviço ao cliente.
O serviço ao cliente é certamente considerado uma ferramenta importante para 
obter a supremacia sobre os concorrentes, além de ser visto como um ingrediente 
fundamental na estratégia de marketing. Sterling e Lambert (1989), apontam, em um 
estudo realizado, que os principais fatores motivadores da fidelidade dos clientes, além 
da prática de uma política de preços justos, são os seguintes:
 acurácia no preenchimento de pedidos;
 pequena variabilidade do ciclo de pedidos (consistência);
 acurácia do fabricante em prever datas de embarque estimadas;
 informação fornecida quando o pedido é colocado \u2013 posição de estoque;
 informação fornecida quando o pedido é colocado \u2013 data de entrega 
projetada;
 informação fornecida quando o pedido é colocado \u2013 data de embarque 
projetada;
 duração do tempo de entrega prometido;
 habilidade para expedir pedidos de emergência rapidamente;
 habilidade do fabricante de cumprir a data de entrega prometida;
 aviso antecipado de atraso de embarque;
 ação sobre reclamações.
Existem muitas formas de se processarem pedidos e deve-se sempre procurar 
balancear os custos das atividades envolvidas com um melhor serviço oferecido de 
forma a encontrar uma melhor solução tanto relacionada à redução do lead time como 
também à redução dos custos totais, por exemplo:
 empresas que efetuam pedidos da forma tradicional (mais lenta), porém 
exigem uma entrega rápida (lead time curtos), farão com que as formas de em-
barques sejam com modalidades de transportes mais rápidas, como a aérea, 
por exemplo, aumentando os custos;
 a transmissão eletrônica dos pedidos, feita diretamente do escritório do clien-
te, combinada com um transporte terrestre ou marítimo mais lento, porém 
G
es
tã
o 
de
 E
st
oq
ue
s 
e 
O
p
er
aç
õe
s 
In
du
st
ria
is
139
Processam
ento de p
edidos
menos dispendioso, poderá obter um lead time até mais rápido e com custo 
menor \u2013 um melhor nível de serviço;
 não tem lógica para uma empresa acumular pedidos semanais e enviá-los 
para um escritório regional, processar os pedidos em blocos, destiná-los a um 
centro de distribuição e posteriormente embarcá-los via aérea para obter uma 
entrega rápida (BOWERSOX; CLOSS; COOPER, 2006).
É importante um fluxo rápido de informações e o balanceamento das atividades 
desenvolvidas em todo o processo de atendimento do pedido, mas também é funda-
mental para o bom desempenho dessas atividades logísticas uma Tecnologia de Infor-
mação atualizada e bem implementada. Segundo Fleury (2003), uma boa maneira de 
entender o papel da Tecnologia de Informação no desempenho dos sistemas logísti-
cos é através do sistema de processamento de pedidos e da análise do ciclo do pedido, 
com base no conceito de logística integrada. Portanto, o ciclo total do pedido e sua 
variabilidade é resultado de ciclos de atividades que envolvem a gestão da informação 
e a gestão do fluxo físico.
Com relação aos procedimentos de cada empresa, o processamento pode ser pa-
ralelo ou sequencial. Quando todas as tarefas são realizadas em sequência, o tempo 
de processamento de pedido fica mais longo, mas em casos de algumas tarefas serem 
executadas simultaneamente, o tempo total de processamento poderá ser reduzido. 
Por exemplo, cópias de um pedido
José
José fez um comentário
Estoques
0 aprovações
Carregar mais